CORNÉLIO CALEY APRE­SEN­TA “CON­TRI­BUI­ÇÃO PA­RA O PEN­SA­MEN­TO HIS­TÓ­RI­CO E SOCIOLÓGICO AN­GO­LA­NO”

Folha 8 - - CULTURA - O his­to­ri­a­dor an­go­la­no, Cornélio Caley apre­sen­tou a 8 de Se­tem­bro no an­fi­te­a­tro Afon­so Van-dú­nem Mbin­da da Fun­da­ção Sa­gra­da Es­pe­ran­ça, a se­gun­da edi­ção da obra “Con­tri­bui­ção pa­ra o pen­sa­men­to his­tó­ri­co e sociológico an­go­la­no” pro­du­zi­do pe­la Mayam­ba Edi­tor

Se­gun­do a no­ta de im­pren­sa da edi­to­ra, es­te li­vro sur­ge co­mo res­pos­ta à ne­ces­si­da­de sen­ti­da no exer­cí­cio da fun­ção de do­cen­te das ca­dei­ras de “In­tro­du­ção às Cul­tu­ras Afri­ca­nas” e de “In­tro­du­ção à So­ci­o­lo­gia Afri­ca­na”, du­ran­te os anos lec­ti­vos de 1998/2005, no Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or de Ci­ên­ci­as de Edu­ca­ção, ISCED, em Lu­an­da. Co­mo pro­fes­sor con­vi­da­do, em re­gi­me de co­la­bo­ra­ção, o au­tor pro­cu­rou man­ter uma dis­cus­são tão pro­fun­da quan­to pos­sí­vel com os alu­nos, a fim de cum­prir o pro­gra­ma pre­vi­a­men­te ela­bo­ra­do. Os tex­tos da co­lec­tâ­nea re­fe­rem-se a um tem­po lon­go, mas o au­tor pro­cu­rou man­tê- -los tal e qual fo­ram es­cri­tos, com li­gei­ras al­te­ra­ções, pa­ra pre­ser­var a sua na­tu­re­za ini­ci­al. Des­ta for­ma, po­de­mos de­tec­tar não só a evo­lu­ção da pró­pria ci­ên­cia so­ci­al em An­go­la, co­mo tam­bém o per­cur­so in­te­lec­tu­al do pró­prio au­tor. Mas, qua­se to­dos os tex­tos da co­lec­tâ­nea fo­ram pro­du­zi­dos no con­tex­to do con­fli­to ar­ma­do, du­ran­te o qual to­da a aná­li­se ci­en­tí­fi­ca não po­de­ria, ob­vi­a­men­te, pas­sar à mar­gem des­te gran­de pro­ble­ma que as­so­lou a Na­ção An­go­la­na. Con­vém, fi­nal­men­te, re­ter a ideia de que sur­gem te­mas apa­ren­te­men­te re­pe­ti­dos, por­que fo­ram aque­les que mais ten­ta­ram ex­pli­car a na­tu­re­za do con­fli­to e o pro­jec­to de na­ção. São eles, a et­nia, a iden­ti­da­de, a ra­ça e a na­ção que, no con­jun­to, cons­ti­tu­em a te­má­ti­ca do pro­jec­to de cons­tru­ção da iden­ti­da­de na­ci­o­nal que, nos úl­ti­mos anos, tem me­re­ci­do uma es­pe­ci­al aten­ção do au­tor. Es­ta te­má­ti­ca, co­mo sa­be­mos, é de­ve­ras com­ple­xa e des­con­cer­tan­te, mas ac­tu­al e per­ti­nen­te em to­das as so­ci­e­da­des mo­der­nas. Cornélio Caley é uma fi­gu­ra ci­mei­ra da in­te­lec­tu­a­li­da­de an­go­la­na. A pu­bli­ca­ção da 2ª edi­ção des­ta obra é um prei­to de ho­me­na­gem da Mayam­ba Edi­to­ra ao Mes­tre Cornélio Caley, pe­la sua de­di­ca­ção à Cul­tu­ra Na­ci­o­nal e, es­pe­ci­al­men­te, ao in­cen­ti­vo à pes­qui­sa e à in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca so­bre a re­a­li­da­de an­go­la­na nas su­as mais va­ri­a­das di­men­sões e do ima­gi­ná­rio cul­tu­ral dos po­vos de An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.