POR­TU­GAL E OPO­SI­ÇÃO ES­TÃO NA LI­NHA DE FO­GO… DO MPLA

Folha 8 - - DESTAQUE -

An­go­la co­me­ça a vi­ver no­vos di­as ou se­rá mais do mes­mo, even­tu­al­men­te pa­ra pi­or? João Lourenço, no en­tan­to, mos­trou no dis­cur­so de pos­se que qu­er acer­tar con­tas com al­guns “ini­mi­gos” que so­bre­vi­ve­ram aos 38 anos de con­su­la­do de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos: Por­tu­gal e UNITA. João Lourenço, no seu dis­cur­so de in­ves­ti­du­ra, não con­se­guiu, ou não quis, es­con­der ou mas­ca­rar o seu atá­vi­co e com­ple­xa­do sen­ti­men­to que há mui­to fer­men­ta­va nas su­as en­tra­nhas: o ódio de es­ti­ma­ção pe­la ex-po­tên­cia co­lo­ni­al. Não se tra­tou de um lap­so, num dis­cur­so de to­ma­da de pos­se pre­pa­ra­do, cer­ta­men­te, des­de mui­to an­tes do iní­cio da fic­tí­cia cam­pa- nha “elei­to­ral”. Es­que­ceu-se, no en­tan­to, de um pe­que­no por­me­nor: o ódio, co­mo ou­tros sen­ti­men­tos vis­ce­rais que pro­li­fe­ram no ADN dos mais or­to­do­xos do re­gi­me, é su­fi­ci­en­te­men­te trans­pa­ren­te pa­ra que dei­xe dú­vi­das quan­to à sua na­tu­re­za. João Lourenço tem de­mons­tra­do, dia após dia, ter um do­mí­nio mui­to frá­gil e de­fi­ci­en­te dos mais bá­si­cos as­pec­tos re­la­ci­o­na­dos com a His­tó­ria de An­go­la que, ao con­trá­rio do que ga­ran­tem seus pa­tro­nos, não se es­go­ta na “edu­ca­ção pa­trió­ti­ca” mi­nis­tra­da pe­lo MPLA. O “ódio de es­ti­ma­ção” que, a mui­to cus­to, João Lourenço tem con­ti­do nal­gu­mas en­tre­vis­tas mais re­cen­tes, tem me­nos a ver com o “com­ple­xo co­lo­ni­al por re­sol­ver”, e mais a ver com a per­cep­ção que tem da so­li­da­ri­e­da­de “mi­li­tan­te” de fran­jas im­por­tan­tes da so­ci­e­da­de por­tu­gue­sa que, de­sin­te­res­sa­da­men­te, se têm pos­to ao la­do dos “Re­vús”, dos mo­vi­men­tos da so­ci­e­da­de ci­vil an­go­la­na, de es­cri­to­res co­mo Jo­sé Edu­ar­do Agua­lu­sa, de crí­ti­cos do re­gi­me co­mo Ra­fa­el Mar­ques de Mo­rais, Jo­sé Mar­cos Ma­vun­go ou Wil­li­am Tonet. O que se pas­sa há 42 anos em An­go­la é ina­cei­tá­vel em ter­mos de­mo­crá­ti­cos e de Es­ta­dos de Di­rei­to. Cri­mi- no­sos, é cer­to, exis­tem em to­da a par­te, e em to­do o la­do de­vem me­re­cer for­te cen­su­ra so­ci­al e pron­to jul­ga­men­to. Em An­go­la, co­mo em Por­tu­gal, nos EUA, no Bra­sil ou nou­tro la­do qual­quer, a im­pu­ni­da­de não po­de pre­va­le­cer. Não po­de mas o MPLA qu­er que pos­sa, es­cu­dan­do-se no res­pei­to pe­lo Es­ta­do an­go­la­no, mas es­que­cen­do que es­se res­pei­to exi­ge re­ci­pro­ci­da­de.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.