TE­SES DE UM (NO­VO) DI­TA­DOR

“Va­mos tra­ba­lhar quan­tas ho­ras fo­rem ne­ces­sá­ri­as, pa­ra que con­si­ga­mos ob­ter os tais bons re­sul­ta­dos, nas elei­ções”

Folha 8 - - DESTAQUE -

O MPLA diz ter ofi­ci­al­men­te 60 anos (1956 ????), mas na ver­da­de são mui­tos mais... Ain­da que só te­nha si­do pa­ri­do em 1961, vi­de o seu hino, que omi­te os he­róis do pro­ces­so 50, mas não o faz, em re­la­ção aos do 04 de Fe­ve­rei­ro de 1961... (óh pá­tria nun­ca mais es­que­ce­re­mos os he­róis do 4 de Fe­ve­rei­ro...) Quan­do um dia os arau­tos do Bo­le­tim Ofi­ci­al do re­gi­me es­cre­ve­rem a re­al his­tó­ria do par­ti­do ve­re­mos, sem mar­gens pa­ra dú­vi­das, que Di­o­go Cão já era mi­li­tan­te do MPLA. Fi­ca­re­mos igual­men­te a sa­ber que, ao con­trá­rio do que se pro­pa­ga, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos não é o “es­co­lhi­do de Deus” por­que é, is­so sim, o mais al­to re­pre­sen­tan­te di­rec­to de deus na Ter­ra ou, se­gun­do ou­tros, o pró­prio… deus. E se, en­quan­to – no mí­ni­mo – re­pre­sen­tan­te de deus es­co­lheu João Lourenço, qu­em são os an­go­la­nos pa­ra pen­sar o con­trá­rio? “É pre­ci­so tra­ba­lhar­mos bus­can­do ob­jec­ti­vos mui­to con­cre­tos, tra­ba­lhan­do de for­ma co­le­gi­al, por­que so­zi­nho nin­guém al­can­ça vi­tó­ri­as. Aqui não há mi­la­grei­ros, co­mo di­zem em os bra­si­lei­ros”, dis­se João­oão Lourenço num dos seus eus an­to­ló­gi­cos dis­cur­sos. O ge­ne­ral João Lou­ren­çon­ço bem po­de­ria ter si­do mais ais jus­to com sua ma­jes­ta­de ade o rei. É que Jo­sé Edu­ar­do rdo dos San­tos é, só por si, um di­ri­gen­te que – as­sim consns­ta­rá da tal his­tó­ria que se­rá erá es­cri­ta pe­los si­pai­os do re­gi­me – so­zi­nho ven­ceu ceu to­das as elei­ções, to­das as guer­ras, to­das as in­va­sões. es. João Lourenço dis­se que 2017 é “um ano de tra­ba­ba­lho, não é um ano de gra­nan­des dis­cur­sos”, pe­lo que eoo pa­trão qu­er “ver ac­ções ões con­cre­tas, mui­to tra­ba­lho”ho” mes­mo que is­so im­pli­que­que fa­zer ho­ras ex­tra­or­di­ná­ná­ri­as. “Já sa­be­mos que não va­mos po­der tra­ba­lhar co­mo­mo fun­ci­o­ná­ri­os. Não há oi­toi­to ho­ras de tra­ba­lho. Va­mos mos tra­ba­lhar quan­tas ho­ras fo­rem ne­ces­sá­ri­as, pa­ra que con­si­ga­mos ob­ter os tai­sais bons re­sul­ta­dos, nas elei­lei­ções”, diz o ge­ne­ral pre­si­e­si­den­te. O MPLA, se­ja com Jo­sé osé Edu­ar­do dos San­tos, João Lourenço ou ou­tro qual­quer Ko­pe­li­pa (ou mes­mo Kan­gam­ba), qu­er su­pe­rar os 500 anos de co­lo­ni­za­ção por­tu­gue­sa em An­go­la, mos­tran­do a to­do o cus­to que “o MPLA é An­go­la e que An­go­la é o MPLA”. O MPLA é, con­tu­do, um par­ti­do me­dro­so, ca­da vez mais me­dro­so, que se pa­vo­neia, por ter o con­tro­lo da má­qui­na do Es­ta­do, que lhe per­mi­te es­can­ca­rar os co­fres pú­bli­cos e de lá sa­car (rou­bar) di­nhei­ro pa­ra a sua ma­qui­a­vé­li­ca em­prei­ta­da. O MPLA não está, nun­ca es­te­ve, pre­pa­ra­do pa­ra vi­ver em de­mo­cra­cia e, por es­sa via, acei­tar mu­dan­ças. Mes­mo que, nu­ma hi­pó­te­se re­mo­ta, um dia um ou­tro par­ti­do che­gue ao po­der, o MPLA não só não acei­ta­rá, co­mo em 1992, fez a UNITA, co­mo tam­bém irá de­sen­ca­de­ar uma no­va gu­er­ra. João Lourenço e o MPLA não se ima­gi­nam, nem es­tão pre­pa­ra­dos pa­ra vi­ver, pa­ci­fi­ca­men­te, na opo­si­ção. Por al­gu­ma ra­zão de­la­pi­dam os ór­gãos do Es­ta­do que di­ri­gem ou di­ri­gi­ram, sem que dis­so re­sul­te con­sequên­ci­as de ín­do­le cri­mi­nal. Agem do­lo­sa­men­te, por­que en­ca­mi­nham o di­nhei­ro pú­bli­co pa­ra o par­ti­do no po­der.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.