JOÃO LOURENÇO E OS DI­REI­TOS HU­MA­NOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

João Lourenço re­cu­sou no dia 17 de Se­tem­bro de 2015 as acu­sa­ções so­bre vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos no país. E se en­tão co­mo mi­nis­tro da De­fe­sa era is­so o que pen­sa­va, ago­ra co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca man­tém es­sa po­si­ção. Na al­tu­ra, João Lourenço re­cor­dou que os an­go­la­nos sen­ti­ram es­sas vi­o­la­ções du­ran­te 500 anos de co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês. Não pre­ci­sa­va de ir tão lon­ge. Bas­ta­va-lhe re­cor­dar o 27 de Maio de… 1977. O go­ver­nan­te dis­cur­sa­va nes­se dia em Ond­ji­va, ca­pi­tal da pro­vín­cia do Ku­ne­ne, ao pre­si­dir ao ac­to so­le­ne das co­me­mo­ra­ções do dia do He­rói Na­ci­o­nal do MPLA, fe­ri­a­do alu­si­vo ao nas­ci­men­to do pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, António Agos­ti­nho Ne­to, re­fe­rin­do-se as­sim às crí­ti­cas so­bre vi­o­la­ção de li­ber­da­des e di­rei­tos hu­ma­nos, na al­tu­ra fei­tas nu­ma re­so­lu­ção apro­va­da pe­lo Par­la­men­to Eu­ro­peu. “Nós, que ao lon­go de sé­cu­los, vi­e­mos lu­tan­do con­tra a vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos, vo­cês acei­tam que hoje nos quei­ram acu­sar de es­tar­mos a vi­o­lar os di­rei­tos hu­ma­nos? Não, por­que te­mos ple­na cons­ci­ên­cia que os que nos acu­sam não têm mo­ral pa­ra nos vir dar au­las so­bre es­ta ma­té­ria, que mui­to bem co­nhe­ce­mos”, co­me­çou por apon­tar João Lourenço. Se­rá que nós, an­go­la­nos co­mo João Lourenço, tam­bém po­de­mos afir­mar que ao MPLA fal­ta mo­ral pa­ra ati­rar pe­dras aos ou­tros quan­do tem no seu re­gis­to, no seu ADN, tu­do o que fez no 27 de Maio de 1977, mas não só? O MPLA acha que não te­mos es­se di­rei­to. Mas nós acha­mos que te­mos. “Vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos foi o co­lo­ni­a­lis­mo. Vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos foi a es­cra­va­tu­ra que du­rou não es­cas­sos di­as, nem me­ses, nem anos, mas sim sé­cu­los eter­nos. Is­so sim é que foi a ver­da­dei­ra vi­o­la­ção dos nos­sos di­rei­tos”, en­fa­ti­zou o en­tão mi­nis­tro da De­fe­sa, que dis­cur­sa­va em re­pre­sen­ta­ção do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Es­que­ceu-se, igual­men­te, de lem­brar que Por­tu­gal foi o pri­mei­ro país a abo­lir a es­cra­va­tu­ra que, con­tu­do, re­gres­sou ao nos­so país pe­la mão do MPLA em 11 de No­vem­bro de 1975. O Par­la­men­to Eu­ro­peu ti­nha nes­sa al­tu­ra apro­va­do uma re­so­lu­ção so­bre as “ten­ta­ti­vas in­ces­san­tes” das au­to­ri­da­des an­go­la­nas pa­ra li­mi­tar as li­ber­da­des de ex­pres­são, de im­pren­sa e de reu­nião pa­cí­fi­ca e de as­so­ci­a­ção. Apro­va­da em ses­são ple­ná­ria, em Es­tras­bur­go, com 550 vo­tos a fa­vor, 14 con­tra e 60 abs­ten­ções, a re­so­lu­ção, além das li­mi­ta­ções de li­ber­da­des, no­tou o ní­vel de cor­rup­ção e as de­fi­ci­ên­ci­as no sis­te­ma an­ti-bran­que­a­men­to de ca­pi­tais em An­go­la. Sa­be­rá, João Lourenço, que es­ses 550 vo­tos a fa­vor não fo­ram só de eu­ro­de­pu­ta­dos por­tu­gue­ses? Au­to­ra de um re­la­tó­rio so- bre a ma­té­ria, que ser­viu pa­ra su­por­tar a re­so­lu­ção, Ana Go­mes (do PS, par­ti­do ir­mão do MPLA na In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta) ci­tou os vá­ri­os ca­sos e a sua vi­si­ta a An­go­la pa­ra no­tar as cres­cen­tes “ten­sões so­ci­ais” por cau­sa da cri­se eco­nó­mi­ca e cor­rup­ção e co­mo “po­vo an­go­la­no está ca­da vez mais in­dig­na­do pe­ran­te a pi­lha­gem de re­cur­sos pe­la eli­te”. “Sa­be­mos bem o que é vi­o­lar os di­rei­tos hu­ma­nos. Não co­mo re­sul­ta­do de uma vi­si­ta for­tui­ta de al­guns di­as que al­guém faz a um país, on­de até be­ne­fi­cia da tra­di­ci­o­nal hos­pi­ta­li­da­de afri­ca­na, mas por­que sen­ti­mo-la na car­ne e na al­ma, nos cam­pos de al­go­dão, nos cam­pos de ca­fé, nas pri­sões ou nos po­rões na­vi­os ne­grei­ros pa­ra on­de éra­mos em­pur­ra­dos que nem ga­do. Is­so sim é vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos”, cri­ti­cou João Lourenço, alu­din­do à vi­si­ta de Ana Go­mes. Pois é. E há 42 anos que os por­tu­gue­ses não man­dam no nos­so país. En­tão co­mo es­tão as coi­sas, se­nhor pre­si­den­te João Lourenço? É. Con­ti­nu­a­mos a ter es­cra­vos. Os co­lo­ni­a­lis­tas dei­xa­ram de ser os por­tu­gue­ses e pas­sa­ram a ser os seus ami­gos e vo­cê pró­prio. O nos­so po­vo con­ti­nua, ou se ca­lhar nem is­so, a ter pa­nos ruins, pei­xe po­dre, fu­ba po­dre e a le­var por­ra­da quan­do re­fi­la. Men­ci­o­nan­do ca­sos de jor­na­lis­tas e ac­ti­vis­tas de di­rei­tos hu­ma­nos, o Par­la­men­to Eu­ro­peu ma­ni­fes­tou a sua “pro­fun­da pre­o­cu­pa­ção com o rá­pi­do agra­va­men­to da si­tu­a­ção em ter­mos de di­rei­tos hu­ma­nos, li­ber­da­des fun- da­men­tais e es­pa­ço de­mo­crá­ti­co em An­go­la, com os gra­ves abu­sos por par­te das for­ças de se­gu­ran­ça e a fal­ta de in­de­pen­dên­cia do sis­te­ma ju­di­ci­al”. “Vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos é a for­ma co­mo al­guns paí­ses da União Eu­ro­peia, não são to­dos, es­tão a tra­tar ain­da hoje os re­fu­gi­a­dos emi­gran­tes de paí­ses do Mé­dio Ori­en­te e de Áfri­ca, que eles mes­mo de­ses­ta­bi­li­za­ram. Es­que­cen­do-se que tam­bém fo­ram emi­gran­tes um dia, tal co­mo es­tes a que tra­tam mal”, re­tor­quiu João Lourenço, alu­din­do à cri­se de mi­lha­res de re­fu­gi­a­dos que che­gam à Eu­ro­pa. Já ago­ra, se­nhor pre­si­den­te João Lourenço, co­mo é que o go­ver­no do MPLA tra­ta, in­ter­na­men­te, os an­go­la­nos? Sa­be­mos que são an­go­la­nos de se­gun­da ca­te­go­ria, mas são an­go­la­nos. São re­fu­gi­a­dos, são mi­gran­tes na sua pró­pria ter­ra. Is­so de­ve­ria en­ver­go­nhá-lo. Por is­so mes­mo, diz João Lourenço, bas­ta ver as ima­gens dos re­fu­gi­a­dos que ten­tam cru­zar as fron­tei­ras eu­ro­pei­as e a for­ma co­mo são tra­ta­dos pa­ra res­pon­der à per­gun­ta “qu­em vi­o­la os di­rei­tos hu­ma­nos”. “A res­pos­ta está nes­sas ima­gens”, ati­rou. Nós, se­nhor pre­si­den­te João Lourenço, tam­bém te­mos por cá mui­tas des­sas ima­gens. Ima­gens com a sua Po­lí­cia a des­car­re­gar vi­o­lên­cia não so­bre emi­gran­tes mas so­bre o seu pró­prio po­vo. E não te­mos mais ima­gens por­que, ao con­trá­rio des­ses paí­ses eu­ro­peus, o seu par­ti­do im­pe­de os jor­na­lis­tas de exer­ce­rem a sua fun­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.