SONANGOL NO EPICENTRO DA COR­RUP­ÇÃO

Folha 8 - - DESTAQUE -

A uni­da­de de aná­li­se da re­vis­ta “The Eco­no­mist” dis­se re­cen­te­men­te que a aber­tu­ra de uma in­ves­ti­ga­ção à Sonangol au­men­ta a per­cep­ção de que An­go­la é um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do. “Per­cep­ção” se­rá si­nó­ni­mo de “cer­te­za” ou é uma, mais uma, for­ma de bran­que­ar a re­a­li­da­de? A Eco­no­mist In­tel­li­gen­ce Unit (EIU) con­si­de­rou em Mar­ço des­te ano que a aber­tu­ra de uma in­ves­ti­ga­ção ao pa­ga­men­to de 350 mi­lhões de dó­la­res à Sonangol pe­la pe­tro­lí­fe­ra Co­balt au­men­ta a per­ce­ção de que An­go­la é um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do. “As ac­ções da SEC [re­gu­la­dor nor­te-ame­ri­ca­no dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros] e do De­par­ta­men­to de Jus­ti­ça dos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca cri­a­ram uma publicidade ne­ga­ti­va sig­ni­fi­ca­ti­va pa­ra An­go­la, e au­men­ta­ram a per­cep­ção de que o país é um dos mais cor­rup­tos no mun­do”, es­cre­vem os pe­ri­tos da uni­da­de de aná­li­se eco­nó­mi­ca da re­vis­ta “The Eco­no­mist”. Lem­bran­do que An­go­la está em 164º lu­gar num ran­king de 176 paí­ses ana­li­sa­dos so­bre a cor­rup­ção, fei­to pe­la Trans­pa­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal, os ana­lis­tas di­zem que “a po­ten­ci­al aber­tu­ra de uma no­va in­ves­ti­ga­ção en­vol­ven­do a Sonangol vai fa­zer pou­co pa­ra aju­dar a em­pre­sa a me­lho­rar a sua ima­gem glo­bal”. Por ou­tro la­do, con­clu­em, a no­tí­cia é tam­bém ne­ga­ti­va pa­ra a mai­or em­pre­sa do re­gi­me e pa­ra a sua pre­si­den­te, Isabel dos San­tos (fi­lha do ex-pre­si­den­te da re­pú­bli­ca mas ain­da pre­si­den­te do MPLA, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos): “Re­pre­sen­ta um de­sa­fio sig­ni­fi­ca­ti­vo à re­pu­ta­ção da pre­si­den­te e de an­ti­gos exe­cu­ti­vos da Sonangol que saí­ram da em­pre­sa, mas con­ti­nu­am en­tre os prin­ci­pais mem­bros do par­ti­do no po­der”. A SEC, equi­va­len­te à por­tu­gue­sa Co­mis­são do Mer­ca­do e Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CMVM), está a in­ves­ti­gar o pa­ga­men­to de um “bó­nus de as­si­na­tu­ra” pe­lo con­tra­to de ex­plo­ra­ção do Blo­co 20, em De­zem­bro de 2011. A en­tre­ga de um “bó­nus de as­si­na­tu­ra” é uma prá­ti­ca co­mum na in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra, re­pre­sen­ta um pa­ga­men­to ao Go­ver­no do país on­de as em­pre­sas vão ex­plo­rar os re­cur­sos na­tu­rais e é fre­quen­te­men­te cri­ti­ca­do pe­las or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais por nem sem­pre o des­ti­na­tá­rio das ver­bas ser iden­ti­fi­ca­do de for­ma trans­pa­ren­te. O con­tra­to, se­gun­do dis­se a Co­balt à Blo­om­berg, obri­ga­va as du­as pe­tro­lí­fe­ras a fa­ze­rem con­tri­bui­ções so­ci­ais pa­ra a Sonangol, in­cluin­do pa­ra o cen­tro de pes­qui­sa, que, se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Não-go­ver­na­men­tal Glo­bal Wit­ness, re­ce­beu 350 mi­lhões de dó­la­res em 2014. Em co­mu­ni­ca­do, es­ta ONG afir­miu “não ter con­se­gui­do con­fir­mar que o cen­tro re­al­men­te exis­te”. Um por­ta-voz da BP co­men­tou à Blo­om­berg que a Sonangol in­for­mou a pe­tro­lí­fe­ra de que o cen­tro de tec­no­lo­gia está ain­da em “fa­se de pla­ne­a­men­to”. O Blo­co 20 é de­ti­do em 40% pe­la Co­balt e a Sonangol e a BP de­têm, ca­da uma, 30%, de acor­do com o si­te da BP. Es­ta não é a pri­mei­ra vez que a SEC in­ves­ti­ga as ope­ra­ções da Co­balt em An­go­la: em Fe­ve­rei­ro, as au­to­ri­da­des nor­te-ame­ri­ca­nas ar­qui­va­ram uma in­ves­ti­ga­ção de cin­co anos so­bre a acu­sa­ção de que os par­cei­ros an­go­la­nos da Co­balt eram fi­gu­ras de to­po da hi­e­rar­quia po­lí­ti­ca an­go­la­na. A Glo­bal Wit­ness diz que, em An­go­la, de­sa­pa­re­ce­ram cen­te­nas de mi­lha­res de dó­la­res em pa­ga­men­tos fei­tos por con­sór­ci­os pe­tro­lí­fe­ros à Sonangol, ale­ga­da­men­te pa­ra fi­nan­ci­ar um cen­tro de pes­qui­sa… que não exis­te. O aler­ta foi da­do pe­la Glo­bal Wit­ness, que com­ba­te a cor­rup­ção no sec­tor da ex­plo­ra­ção de re­cur­sos na­tu­rais. Es­ta or­ga­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal se­gue com aten­ção há vá­ri­os anos os pa­ga­men­tos pa­ra pro­jec­tos so­ci­ais efec­tu­a­dos por com­pa­nhi­as co­mo a Bri­tish Pe­tro­leum, ou BP, e os seus par­cei­ros, in­cluin­do a nor­te-ame­ri­ca­na Co­balt, no âm­bi­to de ne­gó­ci­os cm o re­gi­me de An­go­la. “Os con­sór­ci­os con­cor­da­ram em do­ar 350 mi­lhões de dó­la­res pa­ra um pro­jec­to cha­ma­do ‘Cen­tro de Pes­qui­sa e Tec­no­lo­gia’ da pe­tro­lí­fe­ra an­go­la­na Sonangol”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta pa­ra as­sun­tos an­go­la­nos da Glo­bal Wit­ness, Bar­naby Pa­ce. Du­ran­te mui­to tem­po, a or­ga­ni­za­ção ten­tou en­con­trar o cen­tro, mas “nem a BP, nem a Co­balt nem a Sonangol nos mos­tra­ram qual­quer pro­va de que ele exis­te.” Se­gun­do a Glo­bal Wit­ness, ape­nas a bri­tâ­ni­ca BP res­pon­deu se­quer às in­da­ga­ções, afir­man­do que o cen­tro ain­da es­ta­ria em fa­se de pla­ne­a­men­to. Is­to, ape­sar de já ter si­do efec­tu­a­do o pa­ga­men­to de uma gran­de par­te da so­ma. O fac­to de não se sa­ber on­de foi em­pre­gue o di­nhei­ro des­per­ta sus­pei­tas de que te­nha si­do des­vi­a­do, diz Bar­naby Pa­ce. “O po­vo an­go­la­no não tem co­mo ve­ri­fi­car o que acon­te­ceu a es­ta enor­me so­ma de di­nhei­ro”, afir­ma o es­pe­ci­a­lis­ta. “Não há pro­vas de que se tra­te de cor­rup­ção. Mas o que é gra­ve é que, nes­te ca­so, os pa­ga­men­tos só fo­ram tor­na­dos pú­bli­cos por­que a Co­balt foi obri­ga­da a pu­bli­car to­dos os seus con­tra­tos por es­tar co­ta­da na Bol­sa de Va­lo­res de No­va Ior­que”. Bar­naby Pa­ce per­gun­ta: Quan­tas ou­tras em­pre­sas es­ta­rão a fa­zer pa­ga­men­tos idên­ti­cos dos quais o pú­bli­co na­da sa­be? Pa­ra a Glo­bal Wit­ness, é ób­vio que as no­vas leis an­ti­cor­rup­ção nos Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca e na Eu­ro­pa, que obri­gam as em­pre­sas a mai­or trans­pa­rên­cia, de­vem ser ra­pi­da­men­te im­plan­ta­das, pa­ra pro­te­ger os in­te­res­ses de ci­da­dãos em paí­ses co­mo An­go­la, mas tam­bém dos in­ves­ti­do­res nes­tas em­pre­sas. Não é, no en­tan­to, o en­ten­di­men­to de mui­tas mul­ti­na­ci­o­nais, que, so­bre­tu­do nos Es­ta­dos Uni­dos, ten­tam tra­var a im­plan­ta­ção atra­vés de pro­ces­sos ju­rí­di­cos. O es­pe­ci­a­lis­ta da Glo­bal Wit­ness diz que es­ta ac­tu­a­ção dos con­sór­ci­os vai evi­den­te­men­te con­tra os seus pró­pri­os in­te­res­ses. “So­bre­tu­do as em­pre­sas que tra­ba­lham em paí­ses com re­gi­mes al­ta­men­te clep­to­crá­ti­cos de­vem pre­pa­rar-se pa­ra a even­tu­a­li­da­de des­ses re­gi­mes caí­rem. E nes­sa al­tu­ra as em­pre­sas que não são lim­pas cor­rem o pe­ri­go de ser ex­pul­sas”, co­men­ta Bar­naby Pa­ce. Por en­quan­to, em An­go­la, o ris­co de uma em­pre­sa ser ex­pul­sa por prá­ti­cas opa­cas e du­vi­do­sas é mui­to re­mo­to. A nor­te-ame­ri­ca­na Co­balt, por exem­plo, está sob in­ves­ti­ga­ção das au­to­ri­da­des do seu país des­de 2011 por sus­pei­ta de ne­gó­ci­os ilí­ci­tos com uma em­pre­sa an­go­la­na, pro­pri­e­da­de de fun­ci­o­ná­ri­os do es­ta­do e go­ver­nan­tes, in­cluin­do o ex-vi­ce-pre­si­den­te, Ma­nu­el Vi­cen­te. “Na al­tu­ra, ele era o pre­si­den­te da Sonangol, mas de­ti­nha uma par­ti­ci­pa­ção se­cre­ta na em­pre­sa em ques­tão”, lem­bra o es­pe­ci­a­lis­ta da Glo­bal Wit­ness: “É por is­so que in­sis­ti­mos tan­to na ne­ces­si­da­de de trans­pa­rên­cia to­tal no que to­ca à pro­pri­e­da­de das em­pre­sas, so­bre­tu­do nas in­dús­tri­as ex­trac­ti­vas. Só as­sim se sa­be­rá qu­em be­ne­fi­cia dos con­tra­tos e só as­sim se po­de­rá lu­tar con­tra a cor­rup­ção”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.