PAS­SOS DA ROCAMBOLESCA DE­TEN­ÇÃO

Folha 8 - - DESTAQUE -

1 – Co­mo jor­na­lis­ta e che­fe de Re­dac­ção do F8, Pe­dro Te­ca tes­te­mu­nhei, no dia 21.09.2017, ser en­de­re­ça­da uma car­ta ao Ser­vi­ço Ce­ri­mo­ni­al da Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, so­li­ci­tan­do o cre­den­ci­a­men­to de cin­co (5) jor­na­lis­tas pa­ra a co­ber­tu­ra do ac­to de in­ves­ti­du­ra do no­vo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e do vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. Na res­pos­ta, aque­le ór­gão de­fe­riu ape­nas o cre­den­ci­a­men­to de dois (2) jor­na­lis­tas, que se des­lo­ca­ram ao lo­cal de ca­das­tro (Ho­tel Baía, si­tu­a­do na No­va Mar­gi­nal de Lu­an­da), mas na al­tu­ra do le­van­ta­men­to (25.09.17), de­pa­ram com um em­pe­ci­lho, já que a cre­den­ci­al de Pe­dro Te­ca fo­ra im­pres­sa com fo­to­gra­fia e no­me es­tra­nho ao jor­nal, mas in­di­ca­do co­mo jor­na­lis­ta do Fo­lha 8. O pro­ble­ma foi so­lu­ci­o­na­do, sen­do im­pres­sa uma ou­tra cre­den­ci­al com os da­dos cor­rec­tos. 2 – No dia da to­ma­da de pos­se (26.09.2017), ti­ve­mos de per­cor­rer uma lon­ga dis­tân­cia, até ao lo­cal da ce­ri­mó­nia, por­quan­to o “Li­vre Trân­si­to” era da ca­te­go­ria “C”, ten­do de se par­que­ar a cer­ca de 800 me­tros, pa­ra que pu­dés­se­mos fran­que­ar um dos três por­tões exis­ten­tes, em ru­as di­fe­ren­tes: uma na No­va Mar­gi­nal e dois nas la­te­rais, sen­do um pa­ra os VIPS, mas on­de a or­ga­ni­za­ção não era apa­ná­gio dos ór­gãos res­pon­sá­veis, tais co­mo a Po­lí­cia Na­ci­o­nal, o Ser­vi­ço de Bom­bei­ros e ou­tros. Es­tes não de­mons­tra­ram es­tar ca­pa­ci­ta­dos pa­ra li­dar com mul­ti­dões, pois fo­ram im­po­ten­tes pa­ra tra­var a mul­ti­dão im­pa­ci­en­te, atra­vés do por­tão na No­va Mar­gi­nal, que in­va­diu as cer­cas, der­ru­ban­do mes­mo, três (3) má­qui­nas de­tec­to­ras de me­tais ins­ta­la­das no mes­mo por­tão. Nes­se “exer­cí­cio” al­guns ci­da­dãos des­mai­a­ram, ou­tros fi­ca­ram sem cal­ça­do, pas­tas e ou­tros bens, en­quan­to os agen­tes de se- gu­ran­ça se li­mi­ta­vam a re­cu­ar, es­pan­can­do os mais ou­sa­dos, por si­nal, to­dos, ex­clu­si­va­men­te, to­dos, mi­li­tan­tes do MPLA, trans­por­ta­dos ao lo­cal, a par­tir dos di­fe­ren­tes mu­ni­cí­pi­os de Lu­an­da, mais es­pe­ci­fi­ca­men­te dos Co­mi­tés de Ac­ção do Par­ti­do (CAP). 3 – À con­ver­sa com al­guns jor­na­lis­tas, en­quan­to se di­ri­gia pa­ra a fren­te do pó­dio do Me­mo­ri­al, um ci­da­dão des­co­nhe­ci­do afir­mou vi­ran­do pa­ra Pe­dro Te­ca: “Cui­da­do por­que tu tens um ca­das­tro su­jo”. Che­ga­do ao des­ti­no, sur­ge um ou­tro in­di­ví­duo, pas­me-se, Al­ci­des Ja­cob, co­nhe­ci­do nas li­des des­por­ti­vas por ser o pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção de Gi­nás­ti­ca, exi­gin­do que o nos­so jor­na­lis­tas se iden­ti­fi­cas­se, pe­gan­do e ve­ri­fi­can­do a cre­den­ci­al. In­da­ga­do por­que ape­nas pro­ce­dia da­que­la for­ma com o Fo­lha 8, deu uma la­có­ni­ca res­pos­ta, di­zen­do es­tar ape­nas a fa­zer o seu tra­ba­lho. Tal co­mo Te­ca, os jor­na­lis­tas pre­sen­tes fi­ca­ram ató­ni­tos, por não sa­be­rem se era tra­ba­lho des­por­ti­vo ou de Se­gu­ran­ça de Es­ta­do. 4 – En­quan­to con­ver­sa­va com ou­tros jor­na­lis­tas, num am­bi­en­te cla­ra­men­te in­fil­tra­do por agen­tes da se­gu­ran­ça, apro­xi­mou-se o che­fe dos Ser­vi­ços de In­te­li­gên­cia Mi­li­tar, ge­ne­ral Jo­sé Ma­ria, que ou­via as con­ver­sas e 15 mi­nu­tos de­pois de se ter re­ti­ra­do sur­giu o agen­te Bru­no Reis, com uma cre­den­ci­al iden­ti­fi­can­do-o co­mo mem­bro do “Pro­to­co­lo”, so­li­ci­tan­do, por ra­zões de se­gu­ran­ça de Es­ta­do, que o nos­so jor­na­lis­ta o acom­pa­nhas­se por pre­ten­de­rem ave­ri­guar a sua cre­den­ci­al. O Pe­dro Te­ca vol­tou a per­gun­tar porquê ex­clu­si­va­men­te ele, ha­ven­do vá­ri­os jor­na­lis­tas no lo­cal. Re­tor­quiu di­zen­do ser um pro­ce­di­men­to nor­mal, mas ten­do tu­do de anor­mal e di­ta­to­ri­al, já na com­pa­nhia de ou­tro “ali­ca­te”, Pau­lo Ave­li­no. An­tes de se ser obri­ga­do a “au­sen­tar-se”, Te­ca aler­tou ou­tros jor­na­lis­tas pre­sen­tes, pa­ra o que po­de­ria vir a acon­te­cer, ca­so não re­gres­sas­se das mãos dos se­lec­ti­vos agen­tes da Se­gu­ran­ça de Es­ta­do. 5 – Pe­dro Te­ca foi le­va­do co­mo se fos­se um im­pos­tor, in­fil­tra­do ou fal­si­fi­ca­dor de do­cu­men­tos, pa­ra um pos­to po­li­ci­al (ca­so­ta de se­gu­ran­ça) na en­tra­da de um dos por­tões do Me­mo­ri­al António Agos­ti­nho Ne­to, on­de es­ta­va um gru­po de agen­tes da Po­lí­cia Na­ci­o­nal. Aqui so­li­ci­ta­ram no­va­men­te a cre­den­ci­al, ti­ra­ram vá­ri­as fo­to­gra­fi­as ao do­cu­men­to, di­zen­do que iri­am ve­ri­fi­car a sua au­ten­ti­ci­da­de, en­quan­to is­so a Po­lí­cia de­ve­ria pro­ce­der à sua… re­ten­ção. Em su­ma, Pe­dro Te­ca fi­cou pre­so! Tan­to as­sim é que os agen­tes pro­ce­de­ram ao re­gis­to dos seus da­dos pes­so­ais, pe­se te­rem já, em sua pos­se o Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de, ra­zão pe­la qual o nos­so jor­na­lis­ta se re­cur­sou, a cer­ta al­tu­ra, em dar mais in­for­ma­ções tais co­mo, os no­mes dos pais. Ali es­te­ve re­ti­do das 12 às 14 ho­ras, quan­do ter­mi­nou a ce­ri­mó­nia, es­tan­do in­ca­pa­ci­ta­do de efec­tu­ar o seu tra­ba­lho. 6 – Nes­te in­ter­reg­no, Pe­dro Te­ca con­se­gui che­gar à fa­la com o Di­rec­tor, Wil­li­am Tonet, in­for­man­do-o do que se pas­sa­va e pre­ve­nin­do-o de que, ca­so não apa­re­ces­se, sou­bes­se que na­da ha­via mu­da­do e que oras­se pa­ra não ser lan­ça­do aos ja­ca­rés do rio Dan­de ou nas fe­do­ren­tas mas­mor­ras do re­gi­me, com um ca­rim­bo de… 7 – Nu­ma cla­ra de­mons­tra­ção de não ser­mos to­dos iguais pe­ran­te a Cons­ti­tui­ção e a lei, co­mo se lê no art.º 23.º da “Cons­ti­tui­ção Jes­si­a­na”, é co­lo­ca­do, por agen­tes da Se­gu­ran­ça, tal­vez, pa­ra fa­zer com­pa­nhia a Pe­dro Te­ca, um jo­vem fo­tó­gra­fo, que tra­ba­lha­va no re­cin­to sem cre­den­ci­al. Re­ti­ve­ram a má­qui­na fo­to­grá­fi­ca que, con­tu­do foi pron­ta­men­te de­vol­vi­da quan­do ele dis­se es­tar ao ser­vi­ço da Rá­dio Na­ci­o­nal de An­go­la, e que a in­for­ma­ção po­de­ria ser ave­ri­gua­da por uma sim­ples cha­ma­da te­le­fó­ni­ca ao seu che­fe, o que veio a ocor­rer. 8 – Com ba­se nes­te dan­tes­co epi­só­dio, Pe­dro Te­ca apro­vei­tou a pre­sen­ça dos mes­mos agen­tes pa­ra en­vi­ar um re­ca­do ao se­nhor Bru­no Reis, no sen­ti­do de pro­ce­der à de­vo­lu­ção da sua cre­den­ci­al e res­ti­tui-lo à li­ber­da­de. Pa­ra seu es­pan­to, a co­mu­ni­ca­ção pas­sou, pois tu­do es­ta­va, “ma­lan­dra­men­te” em sin­to­nia, por­que mi­nu­tos de­pois foi ori­en­ta­da a sua sol­tu­ra, já com o ac­to da in­ves­ti­du­ra ter­mi­na­do e a mai­o­ria das pes­so­as fo­ra da pra­ça, no Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al on­de con­ti­nu­ou o fes­tim.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.