QUE TAL A UNITA SUBS­TI­TUIR O SEU GA­LO POR UM SAPO?

, O Gru­po Par­la­men­tar da UNITA vai pa­ra es­te par­la­men­to não pa­ra con­so­li­dar a er­ra­da im­pres­são dos que pen­sam que se vai ao par­la­men­to por cau­sa dos ‘Le­xus’

Folha 8 - - DESTAQUE - TEX­TO DE ORLANDO CAS­TRO

Opre­si­den­te da UNITA, Isaías Sa­ma­ku­va, tal­vez por in­fluên­cia da co­a­bi­ta­ção com o MPLA, está a mos­trar uma pe­ri­go­sa ten­ta­ção pa­ra pas­sar ates­ta­dos de ma­tum­bez aos an­go­la­nos em ge­ral e, em par­ti­cu­lar, aos seus mi­li­tan­tes e sim­pa­ti­zan­tes. Por exem­plo, dis­se que os de­pu­ta­dos do seu par­ti­do vão ocu­par os as­sen­tos no par­la­men­to, a par­tir de 28.09, pa­ra “com­ba­ter a cor­rup­ção” e fo­men­tar a “des­par­ti­da­ri­za­ção do Es­ta­do”. “O Gru­po Par­la­men­tar da UNITA vai pa­ra es­te par­la­men­to não pa­ra con­so­li­dar a er­ra­da im­pres­são dos que pen­sam que se vai ao par­la­men­to por cau­sa dos ‘Le­xus’ (alu­são re­al à dis­tri­bui­ção de vi­a­tu­ras lu­xu­o­sas por to­dos os de­pu­ta­dos à As­sem­bleia Na­ci­o­nal), mas pa­ra de­mons­trar per­ma­nen­te­men­te que es­tão lá por­que es­se é o pal­co mais in­di­ca­do pa­ra com­ba­ter os ma­les do país”, afir­mou Isaías Sa­ma­ku­va. O lí­der da UNITA fa­la- va, em Vi­a­na, ar­re­do­res de Lu­an­da, na aber­tu­ra da quar­ta reu­nião or­di­ná­ria da Co­mis­são Po­lí­ti­ca do Co­mi­té Per­ma­nen­te do mai­or par­ti­do da opo­si­ção, ten­do tra­ça­do a agen­da dos seus de­pu­ta­dos no par­la­men­to, su­bli­nhan­do que de­vem tra­ba­lhar igual­men­te no “com­ba­te à vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos”. “De­ve­rão mos­trar que es­tão ali pa­ra com­ba­ter tam­bém a má go­ver­na­ção, o de­sem­pre­go, os as­sal­tos aos co­fres do Es­ta­do e o ne­po­tis­mo. Es­ta­rão no par­la­men­to pa­ra de­mons­trar que tal co­mo ori­en­tou o 12º con­gres­so do nos­so par­ti­do, cons­ti­tui pri­o­ri­da­de na­ci­o­nal ab­so­lu­ta a ins­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção das au­tar­qui­as mu­ni­ci­pais em to­do país”, ar­gu­men­tou. A ce­ri­mó­nia de in­ves­ti­du­ra dos 220 de­pu­ta­dos elei­tos nas elei­ções (que a UNITA con­si­de­rou frau­du­len­ta) de 23 de Agos­to de­cor­reu na se­de da As­sem­bleia Na­ci­o­nal. O MPLA ele­geu 150 de­pu­ta­dos, a UNITA 51 de­pu­ta­dos, a CA­SA-CE 16, o PRS dois e a FNLA um deputado. Pa­ra Isaías Sa­ma­ku­va, os de­pu­ta­dos da UNITA de­vem igual­men­te com­ba­ter no par­la­men­to a “ex­clu­são so­ci­al e a dis­cri­mi­na­ção eco­nó­mi­ca”, bem co­mo a “su­bal­ter­ni­za­ção” do Es­ta­do e da As­sem­bleia Na­ci­o­nal a um par­ti­do e ao Go­ver­no, além de “em­pre­en­der di­li­gên­ci­as pa­ra in­cluir no di­rei­to in­ter­no e in­ter­na­ci­o­nal o cri­me de cor­rup­ção pra­ti­ca­dos por ti­tu­la­res de car­gos pú­bli­cos”. “Tam­bém nes­te ca­pí­tu­lo em se­de do par­la­men­to va­mos pug­nar por es­ta­be- le­cer um no­vo re­gi­me pe­nal da cor­rup­ção no sec­tor pú­bli­co, pro­mo­ver a cri­a­ção do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Pre­ven­ção e Com­ba­te da Cor­rup­ção, pro­mo­ver a in­clu­são de cri­mes por cor­rup­ção pra­ti­ca­dos por go­ver­nan­tes no qua­dro do cri­me in­ter­na­ci­o­nal or­ga­ni­za­do”, re­fe­riu. O lí­der da UNITA en­ten­de ain­da que o “fim da era da par­ti­da­ri­za­ção do Es­ta­do, do en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to na uti­li­za­ção de car­gos pú­bli­cos e uma no­va abor­da­gem so­bre re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal” são al­guns dos si­nais que os an­go­la­nos es­pe­ram dos seus re­pre­sen­tan­tes. “Os an­go­la­nos vo­ta­ram pe­la paz e pe­la de­mo­cra­cia, o sig­ni­fi­ca di­zer pe­la igual­da­de e in­clu­são, os elei­to­res dis­se­ram que a era da di­vi­são dos an­go­la­nos ter­mi­nou, os obs­tá­cu­los a igual­da­de eco­nó­mi­ca en­tre mem­bros do par­ti­do/es­ta­do e não mem­bros de­vem ser re­mo­vi­dos”, re­ma­tou Sa­ma­ku­va, que anun­ci­ou a sua saí­da da li­de­ran­ça do par­ti­do, na sequên­cia das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to, em que en­ca­be­çou a lis­ta da UNITA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.