UM DIS­CUR­SO Já VIS­TO E NÃO CUM­PRI­DO

Folha 8 - - POLÍTICA -

O no­vo Pre­si­den­te, João Lourenço, as­su­miu (co­mo fez Edu­ar­do dos San­tos sem­pre que to­mou pos­se) o com­pro­mis­so de “tra­tar” dos “pro­ble­mas da na­ção” ao lon­go do man­da­to de cin­co anos que ini­ci­ou no 26.09, com uma “go­ver­na­ção in­clu­si­va”. “Nes­te no­vo ci­clo po­lí­ti­co que hoje se ini­cia, le­gi­ti­ma­do nas ur­nas, a Cons­ti­tui­ção se­rá a nos- sa bússola de ori­en­ta­ção e as leis o nos­so cri­té­rio de de­ci­são”, apon­tou João Lourenço, du­ran­te a ce­ri­mó­nia de in­ves­ti­du­ra. In­ves­ti­du­ra que, des­de lo­go, foi uma vi­o­la­ção da Cons­ti­tui­ção por­que da­da pe­lo pre­si­den­te do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal com man­da­ta ex­pi­ra­do há dois anos. “Uma vez in­ves­ti­do no meu car­go, se­rei o Pre­si­den­te de to­dos os an­go­la- nos e irei tra­ba­lhar na me­lho­ria das con­di­ções de vi­da e bem-es­tar de to­do o nos­so po­vo”, afir­mou o che­fe de Es­ta­do. “Cum­priu a sua mis­são com um brio in­vul­gar”, re­co­nhe­ceu João Lourenço, re­fe­rin­do-se ao Pre­si­den­te ces­san­te, “sal­tan­do” o pa­rá­gra­fo em que “es­ta­va es­cri­to” que foi gra­ças a Edu­ar­do dos San­tos que An­go­la se tor­nou um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, lí­der mun­di­al da mor­ta­li­da­de in­fan­til e cau­sa­dor de 20 mi­lhões de po­bres. Nu­ma in­ter­ven­ção de qua­se uma ho­ra, João Lourenço en­fa­ti­zou a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da dos an­go­la­nos se­rá pri­o­ri­tá­ria. “Pa­ra cor­res­pon­der à gran­de ex­pec­ta­ti­va cri­a­da em tor­no da mi­nha elei­ção e a con­fi­an­ça re­no­va­da no MPLA, go­ver­na­rei usan­do to­dos os po­de­res que a Cons­ti­tui­ção e a for­ça dos vo­tos dos ci­da­dãos ex­pres­sos nas ur­nas me con­fe­rem”, dis­se ain­da. Re­cor­dan­do que a “cons­tru­ção da de­mo­cra­cia de­ve fa­zer-se to­dos os di­as”, apon­tou que es­sa mis­são “não com­pe­te ape­nas aos ór­gãos do po­der do Es­ta­do”, sen­do an­tes “um pro­jec­to de to­da a so­ci­e­da­de, um pro­jec­to de to­dos nós”. “Va­mos por is­so cons- truir ali­an­ças e tra­ba­lhar em con­jun­to pa­ra po­der­mos ul­tra­pas­sar even­tu­ais con­tra­di­ções e en­gran­de­cer, as­sim, o nos­so país”, exor­tou João Lourenço. Nu­ma crí­ti­ca aos par­ti­dos da opo­si­ção, que ques­ti­o­nam os re­sul­ta­dos ofi­ci­ais das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to, João Lourenço afir­mou, pe­ran­te os aplausos do pú­bli­co, que “o in­te­res­se na­ci­o­nal tem de es­tar aci­ma dos in­te­res­ses par­ti­cu­la­res ou de gru­po, pa­ra que pre­va­le­ça a de­fe­sa do bem co­mum”. Sen­do que, pre­su­me-se o in­te­res­se na­ci­o­nal tem de ser de­fi­ni­do e com­pa­tí­vel com o que o MPLA de­se­jar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.