DI­REI­TOS HU­MA­NOS? SIM, COM CER­TE­ZA!

Folha 8 - - POLÍTICA -

Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos, afir­mou em 24 de Ou­tu­bro de 2016, em Ge­ne­bra, Suí­ça, que cons­ti­tui pa­ra An­go­la gran­de pre­o­cu­pa­ção os re­la­tos de ca­sos de in­ti­mi­da­ção e re­pre­sá­li­as con­tra os de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos. Com que en­tão, An­go­la pre­o­cu­pa-se com os ca­sos de in­ti­mi­da­ção e re­pre­sá­li­as con­tra os de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos? Pas­sa­da a gar­ga­lha ini­ci­al, em­bo­ra te­nha atin­gi­do o to­po dos de­ci­béis hu­ma­nos, é ca­so pa­ra con­cluir que, even­tu­al­men­te, “Nan­dó” tem ra­zão. Is­to por­que, em An­go­la, os de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos não de­vem, se­gun­do o re­gi­me, so­frer re­pre­sá­li­as. De­vem, is­so sim e em fun­ção de vá­ri­os exem­plos, con­tri­buir pa­ra a ca­deia ali­men­tar dos ja­ca­rés do Ben­go. É is­so, não é Sr. Pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal… do MPLA? Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos fez es­ta afir­ma­ção, re­la­ta­ram en­tão os en­vi­a­dos es­pe­ci­ais da An­gop, quan­do in­ter­vi­nha na 135ª As­sem­bleia-ge­ral da União In­ter-par­la­men­to (UIP), de­fen­den­do que ca­be aos par­la­men­ta­res es­ta­be­le­cer uma cla­ra dis­tin­ção (se ti­ve­rem dú­vi­das bas­ta con­sul­tar o ma­nu­al do MPLA) en­tre de­fen­so­res de di­rei­tos hu­ma­nos e ac­ti­vis­tas po­lí­ti­cos que, na sua mai­o­ria, são de­ten­to­res de uma agen­da e in­te­res­ses pró­pri­os e bem de­fi­ni­dos. É ver­da­de. Ver­da­dei­ros de­fen­so­res dos di­rei­tos hu­ma­nos no rei­no são ape­nas e só os que têm car­tão do MPLA e que, pa­ra is­so, es­te­jam man­da­ta­dos. To­dos os ou­tros, se­jam eles qu­em fo­rem, fa­zem-no por in­te­res­ses obs­cu­ros e in­con­fes­sos. Aliás, co­mo se sa­be, são es­ses ou­tros os res­pon­sá­veis por An­go­la ser um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do e, ain­da, por ser o país do mun­do com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til. Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos su­bli­nhou a ne­ces­si­da­de da in­ver­são des­te qua­dro som­brio que, na sua opi­nião, po­de­rá pas­sar por uma mu­dan­ça das dis­po­si­ções le­gais, de mo­do a tor­ná-las com­pa­tí­veis com as nor­mas de di­rei­tos hu­ma­nos apli­cá­veis, bem co­mo atra­vés da fis­ca­li­za­ção ex­ten­si­va das re­gras e dos re­gu­la­men­tos de di­rei­tos hu­ma­nos. A pro­pa­gan­da agra­de­ce. “Nan­dó” não dá pon­to sem nó. Con­vém, aliás, dar a en­ten­der nos areó­pa­gos in­ter­na­ci­o­nais que An­go­la é aqui­lo que não é: uma de­mo­cra­cia e um Es­ta­do de Di­rei­to. Qu­em não acre­di­tar bas­ta di­zer. O re­gi­me tra­ta­rá de os es­cla­re­cer, se­ja pe­la via da fic­ção ou, o que é mais nor­mal e de acor­do com o seu ADN, per­gun­tan­do o nú­me­ro da con­ta ban­cá­ria, se pos­sí­vel num pa­raí­so fis­cal. Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos su­ge­riu ain­da al­gu­mas nor­mas co­mo a com­pi­la­ção e dis­se­mi­na­ção de in­for­ma­ções so­bre o fun­ci­o­na­men­to das co­mis­sões par­la­men­ta­res de di­rei­tos hu­ma­nos, su­per­vi­são da im­ple­men­ta­ção dos Tra­ta­dos In­ter­na­ci­o­nais so­bre di­rei­tos hu­ma­nos e a mo­bi­li­za­ção pa­ra o com­ba­te ao trá­fi­co de cri­an­ças e de tra­ba­lho in­fan­til. Até pa­re­ce mes­mo um Es­ta­do de Di­rei­to. Não é. Mas a co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal gos­ta de ser en­ga­na­da e co­mi­da de ce­bo­la­da. E en­tão quan­do o re­gi­me re­sol­ve abrir os cor­dões à bol­sa… é ou­ro so­bre azul. Da lis­ta de alu­sões, o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal (do MPLA) apon­tou igual­men­te a cri­a­ção de uma pla­ta­for­ma in­ter­na­ci­o­nal pa­ra par­ti­lha de de­sa­fi­os e ex­pe­ri­ên­ci­as, as­sim co­mo a promoção e for­ta­le­ci­men­to dos di­rei­tos hu­ma­nos, atra­vés de pro- jec­tos de as­sis­tên­cia téc­ni­ca da UIP. Por ou­tro la­do, “Nan­dó” ob­ser­vou que as cres­cen­tes de­si­gual­da­des den­tro dos paí­ses e en­tre es­tes, par­ti­cu­lar­men­te as do gé­ne­ro, o de­sem­pre­go en­tre os jo­vens, as ame­a­ças glo­bais à saú­de, os con­fli­tos em as­cen­são, o ex­tre­mis­mo vi­o­len­to, o ter­ro­ris­mo, bem co­mo o fe­nó­me­no mi­gra­tó­rio, ame­a­çam re­ver­ter gran­de par­te dos pro­gres­sos al­can­ça­dos pe­los es­ta­dos nas úl­ti­mas dé­ca­das, em ter­mos de de­sen­vol­vi­men­to. En­tão é por is­so que o re­gi­me do MPLA, acha por bem ma­tar pri­mei­ro e in­ter­ro­gar de­pois. As­sim (até por­que não tem pro­ble­mas de gé­ne­ro, de de­sem­pre­go de jo­vens, ou de saú­de) cor­ta pe­la raiz os con­fli­tos, o ex­tre­mis­mo, o ter­ro­ris­mo e ou­tros fe­nó­me­nos mo­der­nos. Na sua in­ter­ven­ção na mai­or tribuna par­la­men­tar do mun­do, Fer­nan­do da Pi­e­da­de Di­as dos San­tos de­cla­rou que “An­go­la de­fen­de que a con­ju­ga­ção de es­for­ços da co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal é ne­ces­sá­ria na bus­ca de so­lu­ções sus­ten­tá­veis pa­ra os paí­ses me­nos avan­ça­dos, na promoção e pro­tec­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos, in­cluin­do os am­bi­en­tais, na es­tei­ra do Acor­do de Pa­ris”. “Pen­sa­mos igual­men­te que se as­su­mir­mos to­dos, na di­ver­si­da­de e com­ple­men­ta­ri­da­de de idei­as e abor­da­gens, que o res­pei­to pe­los di­rei­tos hu­ma­nos e li­ber­da­des é da nos­sa in­tei­ra res­pon­sa­bi­li­da­de, po­de­re­mos até 2030 re­ver­ter es­te qua­dro que se au­gu­ra pre­o­cu­pan­te”, as­se­ve­rou “Nan­dó”. Nan­dó está mes­mo op­ti­mis­ta. Is­to, em An­go­la, só lá vai – pen­sa com cer­te­za o pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal – se a me­ta for no mí­ni­mo 2050 e se ti­ve­rem a ga­ran­tia que se­rá até es­sa da­ta o MPLA a dar con­ti­nui­da­de à obra que ini­ci­ou a 11 de No­vem­bro de 1975.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.