MAR­CE­LO E OS POR­TU­GUE­SES EM AN­GO­LA

Folha 8 - - CRÓNICA - RA­FA­EL MAR­QUES DE MO­RAIS*

Pen­sei que o pre­si­den­te dos “afec­tos” ti­ves­se tac­to di­plo­má­ti­co pa­ra li­dar com An­go­la. En­ga­nei-me. Mas não me en­ga­no quan­to à hos­pi­ta­li­da­de, ami­za­de, ca­pa­ci­da­de de per­do­ar e to­le­rân­cia dos an­go­la­nos. Há di­as ou­vi o pre­si­den­te por­tu­guês, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa, a jus­ti­fi­car a sua ida a An­go­la pa­ra a to­ma­da de pos­se de João Lourenço. “Há um pre­si­den­te elei­to, e o pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de Por­tu­gal, uma vez con­vi­da­do, vai à pos­se do no­vo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de An­go­la, pen­san­do nas re­la­ções fun­da­men­tais que exis­tem en­tre mi­lha­res e mi­lha­res de por­tu­gue­ses que es­tão em An­go­la e tam­bém al­guns mi­lha­res de an­go­la­nos que es­tão em Por­tu­gal.” Mar­ce­lo, o “ho­mem dos afec­tos”, mos­trou co­mo as re­la­ções en­tre An­go­la e Por­tu­gal são trai­ço­ei­ras, mes­mo pa­ra um ho­mem com o seu ga­ba­ri­to ver­bal. É pon­to as­sen­te que o pre­si­den­te de Por­tu­gal re­pre­sen­ta os por­tu­gue­ses. Por is­so, te­ria bas­ta­do di­zer que vai re­pre­sen­tá-los no seu to­do. Quan­to aos “an­go­la­nos que es­tão em Por­tu­gal”, cer­ta­men­te não é o pre­si­den­te por­tu­guês qu­em os re­pre­sen­ta. Além dis­so, o MPLA não per­mi­te que os an­go­la­nos na diás­po­ra, in­cluin­do em Por­tu­gal, vo­tem. Não é a re­pre­sen­ta­ção de Mar­ce­lo que vai su­prir es­se di­rei­to cons­ti­tu­ci­o­nal ne­ga­do aos an­go­la­nos em Por­tu­gal. So­bre os “por­tu­gue­ses em An­go­la”, te­mos aqui uma te­se ofen­si­va am­pla­men­te di­fun­di­da pe­las clas­ses po­lí­ti­ca e em­pre­sa­ri­al, se­gun­do a qual Por­tu­gal de­ve es­tar à dis­po­si­ção do MPLA pa­ra sal­va­guar­dar os in­te­res­ses eco­nó­mi­cos e de se­gu­ran­ça dos por­tu­gue­ses em An­go­la. Es­sa te­se sus­ci­ta du­as lei­tu­ras. Pri­mei­ro, o MPLA – ago­ra com a pre­si­dên­cia bi­cé­fa­la de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos e João Lourenço – está co­la­do ao po­der e, por is­so, é o úni­co ele­men­to que po­de con­ce­der opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os e pro­te­ger os por­tu­gue­ses. Es­ta é, mais ou me­nos, a lei­tu­ra por­tu­gue­sa. A se­gun­da lei­tu­ra, mais de fei­ção an­go­la­na, é crua. Se só o MPLA po­de ga­ran­tir ne­gó­ci­os a Por­tu­gal e de­fen­der os por­tu­gue­ses em An­go­la, en­tão é por­que to­dos os ou­tros an­go­la­nos que não são do MPLA e não es­tão no po­der são – aos olhos dos po­de­res por­tu­gue­ses – uma ame­a­ça aos in­te­res­ses co­mer­ci­ais e à se­gu­ran­ça dos por­tu- gue­ses em An­go­la. As­sim, Por­tu­gal po­de des­cul­par qual­quer ac­ção que o MPLA em­pre­en­da con­tra o seu pró­prio po­vo, por­que is­so ser­ve os in­te­res­ses dos por­tu­gue­ses. Há di­as, fa­lei com uma ami­ga por­tu­gue­sa que es­te­ve pe­la pri­mei­ra vez em An­go­la du­ran­te as elei­ções. Cir­cu­lou de táxi de um la­do pa­ra o ou­tro e re­gres­sou ao seu país en­can­ta­da com os an­go­la­nos, o po­vo em ge­ral, des­cre­ven­do al­gu­mas pes­so­as co­mo “per­so­na­gens fan­tás­ti­cos, dig­nos da me­lhor li­te­ra­tu­ra”. Sen­tiu-se ape­nas in­ti­mi­da­da e des­con­for­tá­vel com a ar­ro­gân­cia e o exi­bi­ci­o­nis­mo da no­men­cla­tu­ra do MPLA, no meio de tan­ta mi­sé­ria. De um mo­do ge­ral, es­te ti­po de opi­niões, vin­das de sim­ples ci­da­dãos, não in­te­res­sa a Mar­ce­lo, nem aos po­lí­ti­cos, em­pre­sá­ri­os e co­men­ta­ris­tas por­tu­gue­ses que fa­zem con­sul­to­ri­as pa­ra o re­gi­me an­go­la­no. Mar­ce­lo tam­bém men­cio- nou os ou­tros paí­ses que re­co­nhe­ce­ram os re­sul­ta­dos de umas elei­ções sem apu­ra­men­to de vo­tos em 15 das 18 pro­vín­ci­as. Por­tan­to, Por­tu­gal não está so­zi­nho. Mar­ce­lo foi ape­nas o pri­mei­ro e o úni­co es­ta­dis­ta a fe­li­ci­tar o re­gi­me, mes­mo an­tes de o pró­prio ór­gão elei­to­ral do re­gi­me, a CNE, ter de­cla­ra­do a vi­tó­ria do MPLA. De­mo­cra­cia é is­so mes­mo. Não é? Nes­te ce­ná­rio, os an­go­la­nos que não são do MPLA e que cri­ti­cam a pos­tu­ra de Por­tu­gal são sim­ples­men­te clas­si­fi­ca­dos co­mo to­los. Há uma his­tó­ria co­mum de 500 anos, em que Por­tu­gal es­cra­vi­zou e co­lo­ni­zou os an­go­la­nos. Por­tan­to, a re­la­ção en­tre os dois po­vos nun­ca foi de ami­za­de nem de in­te­res­ses co­muns. Sem­pre foi co­mo Por­tu­gal bem en­ten­deu. To­da­via, em 1975, não foi o po­vo an­go­la­no qu­em pôs os por­tu­gue­ses em fu­ga ata­ba­lho­a­da, com uma mão à fren­te e ou­tra atrás. Foi o MPLA. Não foi o po­vo an­go­la­no, es­sa ame­a­ça aos in­te­res­ses eco­nó­mi­cos e à se­gu­ran­ça dos por­tu­gue­ses, qu­em en­tre­gou o po­der ao MPLA em 1975. Foi a pró­pria li­de­ran­ça po­lí­ti­ca por­tu­gue­sa. Na al­tu­ra, qu­em o fez acha­va – co­mo me con­fi­den­ci­ou um an­ti­go di­plo­ma­ta por­tu­guês – que os do MPLA “eram os que mais se pa­re­ci­am con­nos­co” (a te­se do lu­so­tro­pi­ca­lis­mo). De igual mo­do, fo­ram o Par­ti­do Co­mu­nis­ta Por­tu­guês (PCP), que es­ta­va a dar car­tas em Por­tu­gal, e o Mo­vi­men­to das For­ças Ar­ma­das (MFA) qu­em pri­mei­ro con­ven­ceu os cu­ba­nos e os so­vié­ti­cos a en­tra­rem em An­go­la, dan­do co­ber­tu­ra ao MPLA, que se ins­ta­lou no po­der. Is­to mes­mo rei­te­rou Ote­lo Sa­rai­va de Car­va­lho em di­ver­sas oca­siões. Nem adi­an­ta fa­lar dos anos de Ca­va­co Sil­va e de Du­rão Bar­ro­so, e da im­ple­men­ta­ção dos in­fa­mes Acor­dos de Bi­ces­se, as­si­na­dos em 1990. Tam­bém eles usa­ram do mes­mo pre­con­cei­to e da mes­ma par­ci­a­li­da­de dos co­mu­nis­tas. Nem se­quer adi­an­ta men­ci­o­nar o en­vol­vi­men­to de uma em­pre­sa por­tu­gue­sa, a SINFIC, que foi ins­tru­men­tal pa­ra a ma­ni­pu­la­ção das elei­ções de 2012 e de 2017. O cer­ne da des­gra­ça e da tra­gé­dia dos an­go­la­nos par­te sem­pre de Por­tu­gal.

O pre­si­den­te por­tu­guês bem po­de­ria ter di­to que vai a An­go­la por­que é uma opor­tu­ni­da­de pa­ra trans­mi­tir o “afec­to”, mes­mo que cí­ni­co, do po­vo por­tu­guês pa­ra com o po­vo an­go­la­no. Po­de­ria tam­bém ter di­to que vai trans­mi­tir o apoio e o en­co­ra­ja­men­to de Por­tu­gal ao no­vo pre­si­den­te pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os do de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no em An­go­la. E fi­ca­ría­mos to­dos con­ten­tes, in­cluin­do o pró­prio pre­si­den­te elei­to e o MPLA, por­que o ci­nis­mo é uma ca­rac­te­rís­ti­ca que nos une. Pen­sei que o pre­si­den­te dos “afec­tos” ti­ves­se tac­to di­plo­má­ti­co pa­ra li­dar com An­go­la. En­ga­nei-me. Mas não me en­ga­no quan­to à hos­pi­ta­li­da­de, ao sen­ti­men­to de ami­za­de, à ca­pa­ci­da­de de per­do­ar e à to­le­rân­cia do po­vo an­go­la­no. Bem-vin­do a An­go­la, ca­ma­ra­da Mar­ce­lo.

*Ma­ka An­go­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.