MBANZA KONGO, PAL­CO DA AMAR­GA VI­TÓ­RIA CRIS­TÃ

(RE­PO­SI­ÇÃO)

Folha 8 - - QUENTE -

Quan­do os Por­tu­gue­ses,« che­ga­ram ao rei­no do Kongo, nos bas­ti­do­res da ban­ga cor­te­sã do po­der ins­ti­tuí­do, me­dra­ram dis­sen­sões ter­rí­veis nas dis­pu­tas en­tre ri­vais, pon­tu­a­das por uma gu­er­ra en­tre os dois pos­sí­veis su­ces­so­res do rei Nzin­ga a Nku­vu, o seu fi­lho Mvem­ba a Nzin­ga, já cris­ti­a­ni­za­do, e Mpan­gu a Ki­ti­mu, seu pri­mo/ir­mão, her­dei­ro na­tu­ral do tro­no se­gun­do a lei ban­to e de­fen­sor das tra­di­ções an­ces­trais. Ven­ceu o cris­tão Mvem­ba, no de­cor­rer de um cer­co a Mbanza Kongo em 1507. As­sim co­me­çou a lon­ga tra­gé­dia da his­tó­ria do gran­de rei­no do Kongo e dos con­go­le­ses, com um rei cris­tão in­tei­ra­men­te sub­me­ti­do aos Por­tu­gue­ses e às su­as hu­mi­lha­ções, as su­as vi­das des­tro­ça­das por uma es­cra­va­tu­ra ga­lo­pan­te e as pe­las su­as dis­sen­sões in­ter­nas nu­ma bi­po­la­ri­za­ção do po­der po­lí­ti­co e da es­tru­tu­ra so­ci­al. De um la­do, mi­lhões de súb­di­tos in­di­gen­tes a vi­ver ao deus-da­rá, do ou­tro, os Se­nho­res, a Cor­te Re­al, os cor­te­sãos com os seus pa­ren­tes pró­xi­mos e afas­ta­dos, ami­gos e ami­gos dos ami­gos, cle­ro in­com­pa­tí­vel com as su­as tra­di­ções, mui­tos mi­li­ta­res com pa­ten­te e es­cla­va­gis­tas com aces­so aos cor­re­do­res da ri­que­za e à di­la­pi­da­ção de to­das a ri­que­zas do rei­no. Mbanza Kongo foi-se de­fi­nhan­do a pou­co e pou­co, no sé­cu­lo XVII e iní­cio do XVIII, foi pal­co de uma san­gren­ta lu­ta pe­lo po­der que du­rou qua­se um sé­cu­lo… e foi só Kim­pa Vi­ta apa­re­cer pa­ra trans­for­mar a ci­da­de em ta­ber­ná­cu­lo de uma “drô­le”de re­li­gião. Mbanza Kongo foi, por as­sim di­zer, ig­no­ra­da pe­lo Por­tu­gue­ses. Hoje, en­fim, vai cer­ta­men­te po­der re­nas­cer. Foi há mais de 500 anos e pa­re­ce que es­ta­mos a fa­lar da An­go­la de hoje. Quo va­dis JLO?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.