“DI­NHEI­RO ELECTRÓNICO”

Folha 8 - - TOPS -

Já vá­ri­as ve­zes tí­nha­mos aqui nes­te es­pa­ço re­fe­ri­do as ma­ca­qui­ces da UNITEL em vá­ri­os mo­dos de ex­plo­ra­ção do mwan­go­lé. Ho­je da­mos um sin­ge­lo exem­plo que nos foi co­mu­ni­ca­do no Fac­bo­ok pe­lo nos­so ami­go Fri­do­lim Correia, po­e­ta mai­or pe­ran­te o Padre Eter­no: «An­dei a lu­tar pa­ra en­vi­ar um “pre­sen­te vir­tu­al” ao ko­ta Fé­lix Correia, e lá o sky­pe es­ta­va a co­brar “di­nhei­ro vir­tu­al” pa­ra en­vi­ar um pre­sen­te que era tam­bém “vir­tu­al”, vis­to que o ko­ta Fé­lix Correia ja­mais ex­pe­ri­en­ci­a­ria um or­gas­mo se­quer, es­fre­gan­do os de­dos so­bre tal pre­sen­te, por­que...”vir­tu­al” ape­nas! Mas es­ta­vam a co­brar (o sky­pe) “di­nhei­ro ele­tró­ni­co”, por­tan­to, igual­men­te “vir­tu­al”, que de­pois se­ria des­con­ta­do “de for­ma não vir­tu­al”, das par­cas es­ca­mas que ain­da te­nho a tei­mo­sia de guar­dar na­que­le co­vil que nos en­si­na­ram a cha­mar ban­co, pa­ra fin­gir que tam­bém sou de “pou­pan­ça”...e en­tão de­ci­di ape­nas di­zer pa­ra­béns, Ko­ta Fé­lix Correia, não cus­ta na­da, não pre­ci­sa PIN, nem nú­me­ro de con­ta...pa­ra­béns ko­ta, mil pa­ra­béns, que te in­to­xi­ques com os pa­ra­béns, que os be­bas co­mo Hein­ne­ken, que os fu­mes co­mo ma­ri­ju­a­na, que os sni­fes co­mo co­caí­na, os meus vo­tos de pa­ra­béns, que os in­jec­tes nas tu­as vei­as, que os ta­tu­es na pe­le, que os fa­ças con­tar na gra­du­a­ção dos ócu­los, pa­ra­béns...ko­ta, mui­to pa­ra­béns!!! (ufááááá....ago­ra vou es­prei­tar o meu sal­do ban­cá­rio a ver se des­con­ta­ram al­gu­ma coi­sa)» A ver­da­de é que o Sky­pe é uma fer­ra­men­ta da in­ter­net que per­mi­te te­le­fo­nar pa­ra mui­tas par­tes do mun­do sem pa­gar um tos­tão, Em An­go­la, não, em to­do o ca­so se vos acon­te­cer te­le­fo­nar pa­ra o es­tran­gei­ro pe­la re­de UNITEL e dis­trai­da­men­te pro­lon­gar a chamada por mais de uns vin­te a trin­ta mi­nu­tos, um sal­do in­tei­ro de 4 MG (me­ga­bi­tes) des­faz-se em na­da e vo­cê não com­pre­en­de por que ra­zão a gra­tui­da­de é tão ca­ra. A UNITEL não brin­ca em ser­vi­ço, vai te­le­fo­nar pra tua avó! Es­te exem­plo da­ta de há uns me­ses, na pró­xi­ma se­ma­na te­re­mos to­do um ar­ti­go e uma alu­são nes­te es­pa­ço so­bre uma au­tên­ti­ca rou­ba­lhei­ra apa­ná­gio das nos­sas com­pa­nhi­as de te­le­co­mu­ni­ca­ções,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.