DI­NHEI­RO PA­RA RE­CU­PE­RAR QUARTÉIS DE­SA­PA­RE­CEU SEM SER EM… COM­BA­TE

Folha 8 - - DESTAQUE -

Em 2013, no âm­bi­to do PIP (Pro­gra­ma de In­ves­ti­men­to Pú­bli­co), o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, dis­po­ni­bi­li­zou Kwz: 7.270.262.210,00 (se­te bi­liões, du­zen­tos e se­ten­ta mi­lhões, du­zen­tos e ses­sen­ta e dois mil e du­zen­tos e dez kwan­zas) pa­ra a cri­a­ção de con­di­ções de ha­bi­ta­bi­li­da­de dos mi­li­ta­res, tal era a de­gra­da­ção das ins­ta­la­ções. Es­te mon­tan­te, de acor­do com o tam­bém Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e co­man­dan­te-em-che­fe das For­ças Ar­ma­das, na al­tu­ra, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ten­do co­mo mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, João Ma­nu­el Gonçalves Lou­ren­ço, des­ti­na­va-se à cons­tru­ção, re­a­bi­li­ta­ção, am­pli­a­ção e ape­tre­cha­men­to de uni­da­des e quartéis nas vá­ri­as re­giões mi­li­ta­res, mais con­cre­ta­men­te, as da Fun­da, Va­le do Pa­raí­so, Ca­zom­bo (Mo­xi­co), Mban­za Con­go, pa­ra além de ou­tras que ain­da aco­mo­dam ex-mi­li­ta­res das FAPLA e FA­LA. Es­te di­nhei­ro sem­pre es­te­ve sob con­tro­lo do Mi­nis­té­rio da De­fe­sa, mas nes­te mo­men­to, não ten­do ha­vi­do a pro­gra­ma­da re­a­bi­li­ta­ção das uni­da­des, ques­ti­o­na-se on­de pára es­se va­lor, pois as obras de­ve­ri­am es­tar con­cluí­das em 2017 e – afi­nal - es­tão em avan­ça­do es­ta­do de de­gra­da­ção, não apa­ren­tan­do qual­quer ti­po de re­a­bi­li­ta­ção. Re­cen­te­men­te, no iní­cio de Ou­tu­bro, o subs­ti­tu­to de João Lou­ren­ço co­mo mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, Sal­vi­a­no de Je­sus Se­quei­ra ”Ki­an­da”, ga­ran­tiu na re­gião da Fun­da (Ca­cu­a­co), que o ór­gão que di­ri­ge vai dar con­ti­nui­da­de ao pro­ces­so de mo­der­ni­za­ção das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA), de for­ma a do­tá-las de ca­pa­ci­da­de de in­ter­ven­ção nos es­pa­ços sob sua res­pon­sa­bi­li­da­de. Fi­ca a dú­vi­da se es­sa ca­pa­ci­da­de de in­ter­ven­ção não de­ve­ria es­tar vin­cu­la­da às es­tru­tu­ras de re­ta­guar­da dos mi­li­ta­res e não ape­nas, co­mo pa­re­ce, ao po­der bé­li­co. O co­ro­nel Zum­ba Di­al­lo con­si­de­ra que um gru­po de ge­ne­rais se apos­sou des­te mon­tan­te, pa­ra be­ne­fí­cio pró­prio, re­fe­rin­do que eles sem­pre es­ti­ve­ram na li­nha da fren­te, no ga­bi­ne­te do mi­nis­tro da De­fe­sa, ge­ne­ral João Lou­ren­ço. “Eu pen­so que se ele qui­ses­se mes­mo ave­ri­guar po­de­ria man­dar uma ins­pec­ção pa­ra sa­ber do pa­ra­dei­ro des­te as­tro­nó­mi­co mon­tan­te”, re­fe­riu Zum­ba Di­al­lo ao Folha 8. Nou­tro con­tex­to, o co­ro­nel es­pe­ci­fi­ca “não es­tar a acu­sar o en­tão mi­nis­tro”, acres­cen­tan­do que, “se an­tes ele po­de­ria ale­gar es­tar amar­ra­do ao co­le­te de for­ças de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, ago­ra co­mo co­man­dan­te-em-che­fe e pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­ve apu­rar o des­ca­mi­nho, sob pe­na de ser in­cluí­do, pe­la his­tó­ria na ro­ta dos cor­rup­tos, e is­so não é bom pa­ra a sua ima­gem”. Co­mo se sa­be pe­los exem­plos que nos che­gam de to­do o mun­do, até mes­mo aqui do nos­so Con­ti­nen­te, mui­tas re­vol­tas (que se sa­be co­mo co­me­çam mas nun­ca se sa­be co­mo ter­mi­nam) de­vem-se à dis­cri­mi­na­ção e aos rou­bos e, nes­te ca­so, se na­da for fei­to o cli­ma de tensão nas nos­sas For­ças Ar­ma­das ten­de a au­men­tar, até por ha­ver uma gran­de des­pro­por­ção en­tre as con­di­ções de al­guns ge­ne­rais e da mai­o­ria da tro­pa. “Nós es­ta­mos no tempo da chu­va, os mi­li­ta­res dor­mem ao relento, não tem ca­sa­cos de frio, não têm col­chões nem be­li­ches, mas o Es­ta­do deu di­nhei­ro, pa­ra me­lho­rar as nos­sas con­di­ções. É as­sim que co­me­çam as re­vol­tas, pois a mai­o­ria que vai pa­ra car­ne de ca­nhão na guer­ra, em tempo de paz, con­ti­nua a ser dis­cri­mi­na­da e ex­plo­ra­da”, de­nun­ci­ou o oficial su­pe­ri­or.

CA­MA DEPLORÁVEL E CA­SER­NA MI­LI­TAR DAS FAA, EM PAU A PI­QUE, NA FUN­DA (LU­AN­DA)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.