SIC SEM LUZ… VER­DE

Folha 8 - - DESTAQUE - JOR­NA­LIS­TA DA SIC, PE­DRO COELHO

Ao­pe­ra­do­ra de te­le­vi­são por subs­cri­ção Mul­ti­choi­ce co­me­çou a in­for­mar os cli­en­tes em An­go­la que adi­ou a trans­mis­são dos ca­nais da te­le­vi­são por­tu­gue­sa SIC atra­vés da plataforma in­ter­na­ci­o­nal Dstv, co­mo anun­ci­ou an­te­ri­or­men­te. Na in­for­ma­ção trans­mi­ti­da a em­pre­sa re­fe­re ape­nas que “já não se­rá re­to­ma­da a trans­mis­são” des­ses ca­nais, o que deverá acon­te­cer “bre­ve­men­te”, mas sem adi­an­tar da­tas con­cre­tas ou ex­pli­ca­ções pa­ra es­ta al­te­ra­ção. No dia 30.10, a mes­ma ope­ra­do­ra ti­nha co­me­ça­do a in­for­mar os cli­en­tes que os ca­nais em cau­sa – SIC In­ter­na­ci­o­nal e SIC No­tí­ci­as – re­gres­sa­vam à gre­lha da Dstv em An­go­la a par­tir das 10:00 do dia 01.11, nos vá­ri­os pa­co­tes. Des­de as 23:59 de 5 de Ju­nho de 2017 que aque­les dois ca­nais dei­xa­ram de ser trans­mi­ti­dos pe­la Dstv, não ten­do a em­pre­sa adi­an­ta­do, na al­tu­ra, ex­pli­ca­ções pa­ra a de­ci­são, re­fe­rin­do ape­nas que la­men­ta­va os “trans­tor­nos cau­sa­dos”. A Dstv jun­tou-se en­tão à de­ci­são an­te­ri­or­men­te to- ma­da pe­la ope­ra­do­ra Zap, da empresária Isabel dos San­tos, pe­lo que des­de Ju­nho que não é pos­sí­vel as­sis­tir às trans­mis­sões da­que­les dois ca­nais por­tu­gue­ses em An­go­la. A Mul­ti­choi­ce Áfri­ca for­ne­ce ser­vi­ços de te­le­vi­são pré-pa­gos de ca­nais di­gi­tais múl­ti­plos con­ten­do ca­nais de Áfri­ca, Amé­ri­ca, Chi­na, Ín­dia, Ásia e Eu­ro­pa, por sa­té­li­te. A ope­ra­do­ra de te­le­vi­são por sa­té­li­te an­go­la­na Zap, ou­tra das du­as ope­ra­do­ras ge­ne­ra­lis­tas em An­go­la, in­ter­rom­peu a 14 de Mar­ço a di­fu­são dos ca­nais SIC In­ter­na­ci­o­nal e SIC No­tí­ci­as nos mer­ca­dos de An­go­la e

Mo­çam­bi­que, o que acon­te­ceu de­pois de o ca­nal por­tu­guês ter di­vul­ga­do re­por­ta­gens crí­ti­cas do re­gi­me de Lu­an­da. A ope­ra­do­ra por­tu­gue­sa NOS de­tém 30% da Zap, sen­do o res­tan­te ca­pi­tal de­ti­do pe­la So­ci­e­da­de de In­ves­ti­men­tos e Par­ti­ci­pa­ções, de Isabel dos San­tos, fi­lha do ex-che­fe de Es­ta­do, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Isabel dos San­tos che­gou a jus­ti­fi­car a de­ci­são com os cus­tos da aqui­si­ção dos di­rei­tos dos dois ca­nais por­tu­gue­ses. A Zap ini­ci­ou a sua ac­ti­vi­da­de no mer­ca­do an­go­la­no em Abril de 2010, e é ac­tu­al­men­te a mai­or ope­ra­do­ra de TV por sa­té­li­te em An­go­la. O fim da trans­mis­são dos dois ca­nais da SIC em An­go­la coin­ci­diu com o cli­ma de pré-cam­pa­nha elei­to­ral e o apro­xi­mar das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to, às quais já não con­cor­reu Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca des­de 1979, ten­do si­do elei­to João Lou­ren­ço. A te­le­vi­são por­tu­gue­sa SIC dis­se no dia 5 de Ju­nho que era “to­tal­men­te alheia” ao fac­to de os ca­nais SIC No­tí­ci­as e SIC In­ter­na­ci­o­nal Áfri­ca te­rem dei­xa­do de ser trans­mi­ti­dos pe­la plataforma Dstv em An­go­la tal co­mo fo­ram an­tes ba­ni­dos pe­la Zap. A pri­mei­ra de­pen­de do re­gi­me, a se­gun­da é do re­gi­me. Tu­do nor­mal num rei­no em que a li­ber­da­de de in­for­ma­ção só é per­mi­ti­da aos que ba­ju­lem o MPLA. “A SIC é to­tal­men­te alheia à de­ci­são da re­ti­ra­da des­tes dois ca­nais”, dis­se fon­te oficial da SIC, acres­cen­tan­do que a trans­mis­são dos dois ca­nais se man­ti­nham em Mo­çam­bi­que atra­vés da Dstv. Tam­bém na Áfri­ca do Sul a Dstv con­ti­nu­a­ria a exi­bir a SIC In­ter­na­ci­o­nal Áfri­ca. O gru­po de te­le­vi­são por­tu­guês in­for­mou ain­da que, em An­go­la, se man­ti­nham a trans­mis­são dos res­tan­tes ca­nais da SIC – SIC Mu­lher, SIC Ra­di­cal, SIC Caras e SIC K. Ou se­ja, tu­do quan­to não se des­ti­ne a re­ve­lar a ver­da­de e a pôr os an­go­la­nos a pen­sar. Exis­te li­ber­da­de pa­ra mos­trar a me­ga­lo­ma­nia lu­xu­ri­an­te do re­gi­me, mas é proi­bi­do mos­trar que es­se mes­mo re­gi­me co­lo­cou An­go­la no top dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, que tor­nou o país no lí­der mun­di­al da mor­ta­li­da­de in­fan­til, e quem tem 20 mi­lhões de pobres. Re­cor­de-se que a 17.11.2016, num tra­ba­lho in­ves­ti­ga­ti­vo in­ti­tu­la­do “An­go­la, um país ri­co com 20 mi­lhões de pobres”, a SIC apre­sen­tou na sua Gran­de Re­por­ta­gem, uma An­go­la que tem um dos mai­o­res con­su­mos de cham­pa­nhe per ca­pi­ta e on­de 70% da po­pu­la­ção vi­ve com me­nos de dois dó­la­res por dia, re­al­çan­do que na úl­ti­ma dé­ca­da o país re­gis­tou um dos mai­o­res cres­ci­men­tos eco­nó­mi­cos do mun­do mas man­te­ve-se lí­der nos ín­di­ces de mor­ta­li­da­de in­fan­til, uma se­ma­na de­pois de as­si­na­lar os 41 anos da in­de­pen­dên­cia. Num tra­ba­lho da au­to­ria do jor­na­lis­ta Pe­dro Coelho, com ima­gem de Jo­sé Sil­va e Luís Pin­to e edi­ção de ima­gem de Rui Ber­ton, a 3 de Mar­ço do ano em cur­so, a SIC No­tí­ci­as trans­mi­tiu o ter­cei­ro e úl­ti­mo epi­só­dio de um tra- ba­lho in­ves­ti­ga­ti­vo in­ti­tu­la­do “As­sal­to ao Cas­te­lo”, tam­bém no seu pro­gra­ma Gran­de Re­por­ta­gem, viajando até ao Du­bai, nu­ma fi­li­al do Ban­co Es­pí­ri­to San­to (BES) e ex­pon­do um mapa de um dos mai­o­res es­cân­da­los fi­nan­cei­ros que as­so­lou Por­tu­gal e An­go­la. “Te­mos a prova da pon­te aé­rea que se es­ta­be­le­ceu en­tre mem­bros in­flu­en­tes de An­go­la, al­guns ge­ne­rais de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, e a fi­li­al do BES no Du- bai – o ES Ban­kers Du­bai. Du­ran­te dois anos cir­cu­la­ram mi­lhões de dó­la­res en­tre An­go­la e o Du­bai. Sa­be­mos co­mo e quan­do es­se di­nhei­ro cir­cu­lou e on­de foi pa­rar”, re­por­tou a SIC No­tí­ci­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.