FA­LAR é UMA COI­SA, FA­ZER é OU­TRA

Folha 8 - - ECONOMIA -

Jo­sé de Li­ma Mas­sa­no vai ter de re­a­li­zar um “ajus­te cam­bi­al efi­caz” da mo­e­da an­go­la­na, que se en­con­tra “so­bre­va­lo­ri­za­da” fa­ce ao dó­lar nor­te-ame­ri­ca­no, re­co­nhe­ce o Go­ver­no. As me­xi­das no kwan­za fa­zem par­te do Pla­no In­ter­ca­lar do exe­cu­ti­vo a seis me­ses (Ou­tu­bro a Mar­ço), pa­ra me­lho­rar a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca e so­ci­al do país. Apro­va­do a 10 de Ou­tu­bro, na pri­mei­ra reu­nião do Con­se­lho de Mi­nis­tros pre­si­di­da pe­lo che­fe de Es­ta­do e Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo, João Lou­ren­ço, o do­cu­men­to re­co­nhe­ce que “al­gu­mas me­di­das de po­lí­ti­ca ne­ces­sá­ri­as e ina­diá­veis po­dem ser im­po­pu­la­res” e por is­so “po­li­ti­ca­men­te sen­sí­veis”. “Pa­ra o Qua­dro Ma­cro­e­co­nó­mi­co de Re­fe­rên­cia 2018, pre­vê-se o ajustamento con­tro­la­do da ta­xa de câm­bio, com vis­ta a re­du­ção do di­fe- ren­ci­al cam­bi­al en­tre os mer­ca­dos for­mal e in­for­mal, a fle­xi­bi­li­za­ção do mer­ca­do, sem pre­juí­zo da es­ta­bi­li­da­de do ní­vel ge­ral de pre­ços da eco­no­mia”, lê-se no do­cu­men­to apro­va­do pe­lo Go­ver­no, que não apon­ta o va­lor ou for­ma de des­va­lo­ri­za­ção do kwan­za. An­go­la vi­ve des­de fi­nais de 2014 uma pro­fun­da cri­se fi­nan­cei­ra, eco­nó­mi­ca e cam­bi­al, de­vi­do à que­bra nas receitas com a ex­por­ta­ção de pe­tró­leo, con­jun­tu­ra que afec­tou, por exem­plo, o aces­so a di­vi­sas nos ban­cos co­mer­ci­ais pa­ra ga­ran­tir a im­por­ta­ção de ma­té­ri­as-pri­mas, máquinas ou ali­men­tos. O Go­ver­no re­co­nhe­ce, no mes­mo do­cu­men­to, que as taxas de câm­bio no­mi­nais dos mer­ca­dos pri­má­rio, se­cun­dá­rio e in­for­mal “de­pre­ci­a­ram-se 70%, 71% e 261%, res­pec­ti­va­men­te”, des­de a cri­se. Ape­sar da des­va­lo­ri- za­ção já re­a­li­za­da, o Go­ver­no con­clui que a mo­e­da na­ci­o­nal “con­ti­nua so­bre­va­lo­ri­za­da”, não acom­pa­nhan­do a ta­xa de câm­bio re­al em 2017, “de­vi­do, em par­te, às pres­sões in­fla­ci­o­nis­tas acen­tu­a­das”. “Es­ta di­nâ­mi­ca de apre­ci­a­ção da mo­e­da na­ci­o­nal, em ter­mos re­ais, re­duz a com­pe­ti­ti­vi­da­de da eco­no­mia na­ci­o­nal e é um cons­tran­gi­men­to pa­ra o pro­ces­so da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e das ex­por­ta­ções”, lê-se. Acres­cen­ta que o ajus­te cam­bi­al efec­tu­a­do nos úl­ti­mos três anos “le­vou à de­te­ri­o­ra­ção de va­riá­veis económicas”, co­mo a in­fla­ção (42% em 2016), mas “te­rá si­do, em par­te, ine­fi­caz”. “As­sim, tor­na-se ne­ces­sá­rio um ajus­te cam­bi­al efi­caz, que deverá ob­ter-se por via de uma com­bi­na­ção ade­qua­da de me­di­das e ac­ções que pro­pi­ci­em a de­sin­fla­ção e a re­du­ção do spre­ad cam­bi­al en­tre os mer­ca­dos pri­má­rio e in­for­mal, is­to é, a eli­mi­na­ção da so­bre­va­lo­ri­za­ção da mo­e­da na­ci­o­nal”, pre­vê o Go­ver­no. Em de­cla­ra­ções re­cen­tes, o director do Cen­tro de Es­tu­dos e Investigação Ci­en­tí­fi­ca (CEIC) da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de An­go­la ad­mi­tiu co­mo ine­vi­tá­vel uma des­va­lo- ri­za­ção da mo­e­da an­go­la­na. “Cla­ro que o kwan­za vai ter de ser des­va­lo­ri­za­do, no mí­ni­mo em 30%. Es­tou pa­ra ver co­mo o no­vo exe­cu­ti­vo vai li­dar – evi­tan­do – a re­per­cus­são des­ta me­di­da so­bre o au­men­to da ta­xa de in­fla­ção, num país que es­tá es­tag­na­do no seu cres­ci­men­to eco­nó­mi­co”, dis­se Ma­nu­el Alves da Ro­cha.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.