A EVO­LU­ÇÃO ZOOLÓGICA ENTRE POR­TU­GAL E O MPLA!

Folha 8 - - DESTAQUE - AN­TI­GO VI­CE-PRE­SI­DEN­TE DE AN­GO­LA, MA­NU­EL VI­CEN­TE MI­LI­TAN­TES DO PAR­TI­DO DO MPLA

Nas re­la­ções com Por­tu­gal, An­go­la (ou se­ja, o MPLA) de­ve adop­tar a po­si­ção da ra­po­sa e ser mui­to pru­den­te, dis­se à VOA o ana­lis­ta an­go­la­no de re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais zo­o­ló­gi­cas, Ber­nar­di­no Neto. Is­to na sequên­cia de uma evo­lu­ção ge­né­ti­ca que co­me­ça na tar­ta­ru­ga e pas­sa pe­la abe­lha e pe­la aves­truz… Ber­nar­di­no Neto co­men­ta­va a me­lho­ria das re­la­ções entre os dois paí­ses na sequên­cia da de­ci­são das au­to­ri­da­des ju­di­ci­ais por­tu­gue­sas de, por im­po­si­ção (ape­sar de ve­la­da) do po­der po­lí­ti­co, en­tre­ga­rem ao MPLA o pro­ces­so de cor­rup­ção con­tra o ex-vi­ce-pre­si­den­te Ma­nu­el Vi­cen­te, ac­tu­al­men­te de­pu­ta­do (do MPLA) na As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Ber­nar­di­no Neto dis­se que as re­la­ções entre os dois paí­ses po­dem ser vis­tas pe­lo “ce­ná­rio da tar­ta­ru­ga, o ce­ná­rio da abe­lha e o ce­ná­rio da aves­truz”. Ou se­ja, num ple­no e in­te­gral am­bi­en­te de jar­dim zo­o­ló­gi­co. No “ce­ná­rio da tar­ta­ru­ga” as re­la­ções de­sen­vol­vem-se num pro­ces­so mui­to len­to, vul­ne­rá­vel “a pro­ble­mas da his­tó­ria ape­sar da boa von­ta­de”. “O ce­ná­rio da tar­ta­ru­ga é len­to e por is­so há que ter cui­da­dos”, dis­se Ber­nar­di­no Neto, cer­ta­men­te es­tri­ba­do nos en­si­na­men­tos ad­qui­ri­dos no jor­nal zo­o­ló­gi­co do MPLA, tam­bém co­nhe­ci­do por Jor­nal de An­go­la. Já no “ce­ná­rio da abe­lha” as re­la­ções são mar­ca­das pe­la bus­ca do “mel” que são os in­ves­ti­men­tos, mas acom­pa­nha­dos de “fer­ro­a­das” quan­do há pro­ble­mas, afir­ma Ber­nar­di­no Neto,

fa­zen­do uso do seu dou­to­ra­men­to zoó­fi­lo na ver­ten­te de zo­o­ar­que­o­lo­gia. “Quan­do Por­tu­gal tem pro­ble­mas An­go­la é um bom mer­ca­do”, dis­se o zoo-ana­lis­ta pa­ra quem, con­tu­do, as eli­tes an­go­la­nas (que, co­mo se sa­be, só exis­tem no MPLA) têm ti­do “uma vi­são pou­co pru­den­te” no mo­do co­mo fa­zem in­ves­ti­men­tos em Por­tu­gal. “Quan­do te­mos a pos­tu­ra de um es­ta­do so­be­ra­no en­tão An­go­la pa­ra Por­tu­gal é uma abe­lha”, acres­cen­tou es­te zoó­fo­go es­pe­ci­a­lis­ta in­ter­na­ci­o­nal com, pre­su­me-se, pós-dou­to­ra­men­to em edu­ca­ção pa­trió­ti­ca. Já no “ce­ná­rio da aves­truz” ten­ta-se ig­no­rar to­dos os pro­ble­mas da his­tó­ria e do pas­sa­do, al­go que o ana­lis­ta an­go­la­no dis­se ser uma ati­tu­de de mui­tos “in­te­lec­tu­ais por­tu­gue­ses”, sen­do que os seus con­gé­ne­res an­go­la­nos de pri­mei­ra (os do MPLA) es­tão mui­to aci­ma de­les, mes­mo mui­to aci­ma. Ve­ja-se o pa­ra­dig­ma Ber­nar­di­no Neto. “Eu pre­fi­ro olhar com al­gu­ma des­con­fi­an­ça, fi­car no ce­ná­rio da ra­po­sa, es­tar sem­pre de ata­laia”, dis­se o zo­o­fá­gi­co ana­lis­ta en­quan­to aguar­da pe­la sua pró­xi­ma presa, pu­tre­fac­ta ou não. A te­se zur­ra­da por es­ta es­pé­cie zoológica si­mi­lar a ou­tras, ca­sos de Lu­vu­a­lu de Car­va­lho, Bento Kan­gam­ba, João Pinto ou Ade­li­no de Al­mei­da, os­ci­la entre o his­tri­o­nis­mo e a bo­ça­li­da­de. Mes­mo as­sim, é sem­pre bom sa­ber o que pen­sam ou, me­lhor, o que lhes di­zem pa­ra pen­sar. Tal co­mo a mai­o­ria dos nos­sos pou­co (ou na­da) ilus­tres opi­na­do­res, es­ta es­pé­cie de ana­lis­tas la­tri­nei­ros pre­su­me qual­quer coi­sa e co­mo pre­su­me, en­ten­de que pre­su­mir é ma­té­ria de fac­to. E quan­do não pre­su­me, apos­ta em to­do o gé­ne­ro de es­tra­ta­ge­mas, qual de­les o pi­or. A veia ar­tís­ti­ca des­tes zoó­fi­los la­tri­nei­ros, que es­tá em ce­na há qua­se 43 anos, con­ti­nua bem vi­sí­vel e é acei­tá­vel por quem é obri­ga­do a pen­sar com a bar­ri­ga… va­zia. A so­ci­e­da­de por quo­tas, MPLA Lda. es­tá a fa­zer bem o seu pa- pel. Só con­ta até 10 por­que, de fac­to, pa­ra ir além dis­so te­ria de se des­cal­çar. Bas­ta ver o ca­so pre­sen­te de Ber­nar­di­no Neto. E se um dos mais em­ble­má­ti­cos ca­pí­tu­los do ane­do­tá­rio zo­o­ló­gi­co de An­go­la foi es­cri­to por Lu­vu­a­lu de Car­va­lho que, no pa­pel de embaixador iti­ne­ran­te do re­gi­me, des­co­briu que os nos­sos jovens ac­ti­vis­tas eram ter­ro­ris­tas e es­ta­vam acom­pa­nha­dos por agen­tes se­cre­tos da NATO, tam­bém Ber­nar­di­no Neto tem o di­rei­to de es­cre­ver ou­tro ca­pí­tu­lo so­bre a evo­lu­ção ca­ma­leó­ni­ca dos mi­li­tan­tes do MPLA. Em­bo­ra tu­do is­to não pas­se de uma far­sa com o fim em aber­to, os prin­ci­pais au­to­res têm de se im­por, ten­tan­do mos­trar ao mun­do que, em­bo­ra o seu es­ta­do na­tu­ral se­ja es­tar de qua­tro, con­se­guem de vez em quan­do fi­car erec­tos… al­guns mi­nu­tos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.