CO­MO MI­NIS­TRO DIS­SE “SIM” CO­MO PRE­SI­DEN­TE DIZ “NÃO”

Folha 8 - - SOCIEDADE -

Aem­pre­sa Atlan­tic Ven­tu­res ga­ran­tiu 15.07 que a con­ces­são pa­ra cons­tru­ção e ope­ra­ção do por­to da Bar­ra do Dande, atri­buí­da em 2017 pe­lo en­tão Pre­si­den­te, foi fei­ta com “to­tal trans­pa­rên­cia” e sem vi­o­lar a lei. Ape­sar dis­so, o no­vo subs­ti­tu­to (na Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, no Go­ver­no e no MPLA) de Jo­sé Eduardo dos San­tos pen­sa (ou quer que se pen­se que ele pen­sa) que al­guém cha­mar-se Isa­bel dos San­tos é si­nó­ni­mo de cri­me. Em co­mu­ni­ca­do, a em­pre­sa re­a­ge à de­ci­são cons­tan­te do de­cre­to pre­si­den­ci­al as­si­na­do por João Lou­ren­ço, de fi­nal de Ju­nho, re­vo­gan­do por sua vez o de­cre­to pre­si­den­ci­al 207/17, de 20 de Se­tem­bro, as­si­na­do por Jo­sé Eduardo dos San­tos, já após as “elei­ções” de Agos­to de 2018, ale­gan­do in­cum­pri­men­to da le­gis­la­ção dos Con­tra­tos Pú­bli­cos. A em­pre­sa, as­so­ci­a­da à em­pre­sá­ria Isa­bel dos San­tos, fi­lha do ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Eduardo dos San­tos, re­fe­re que a con­ces­são do por­to da Bar­ra do Dande, a 60 qui­ló­me­tros de Lu­an­da, ne­gó­cio de 1.500 mi­lhões de dó­la­res, “in­se­re-se na con­ces­são de ser­vi­ços pú­bli­cos por­tuá­ri­os e es­tá su­jei­ta ao re­gi­me es­pe­ci­al­men­te pre­vis­to, quer na Lei da Ma­ri­nha Mer­can­te, Por­tos e Ac­ti­vi­da­des Co­ne­xas, quer na lei que es­ta­be­le­ce as Ba­ses Ge­rais das Con­ces­sões Por­tuá­ri­as”. “Ou se­ja, a ad­ju­di­ca­ção da re­fe­ri­da con­ces­são cum­priu to­dos os re­qui­si­tos le­gais à qual es­ta­va obri­ga­da, ao abri­go da lei apli­cá­vel e res­pei­tou es­cru­pu­lo­sa- men­te as leis vi­gen­tes em An­go­la, em to­das as eta­pas do pro­ces­so. A lei apli­cá­vel a es­te pro­jec­to é a lei das con­ces­sões por­tuá­ri­as e foi cor­rec­ta­men­te apli­ca­da pe­lo an­te­ri­or Executivo nes­te pro­ces­so. A lei dos Con­tra­tos Pú­bli­cos – que po­de­ria di­tar a re­a­li­za­ção de con­cur­so pú­bli­co – não se apli­ca a con­tra­tos de con­ces­sões por­tuá­ri­as, ao con­trá­rio do que ago­ra as­su­me o ac­tu­al Executivo”, lê-se no co­mu­ni­ca­do. Ain­da an­tes de re­vo­gar a con­ces­são e abrir con­cur­so pú­bli­co pa­ra o pro­jec­to, o Pre­si­den­te an­go­la­no, João Lou­ren­ço, já ti­nha cri­ti­ca­do di­rec­ta­men­te, em Ja­nei­ro, a for­ma co­mo es­te pro­ces­so foi con­du­zi­do: “Va­mos pro­cu­rar re­ver to­do o pro­ces­so no sen­ti­do de, en­quan­to é tem­po, e por­que o pro­jec­to não co­me­çou ain­da a ser exe­cu­ta­do, cor­ri­gir­mos aqui­lo que nos pa­re­ce fe­rir a trans­pa­rên­cia, na me­di­da em que um pro­jec­to de tão gran­de di­men­são quan­to es­te, que en­vol­ve bi­liões, com ga­ran­tia so­be­ra­na do Es­ta­do, não po­de ser en­tre­gue de ban­de­ja, co­mo se diz, a um em­pre­sá­rio, sem con­cur­so pú­bli­co”. Já a Atlan­tic Ven­tu­res sa­li­en­ta que, “uma vez que o va­lor do in­ves­ti­men­to não é pa­go pe­lo Es­ta­do”, sen­do as­su­mi­do pe­los in­ves­ti­do­res, “não exis­te co­la­te­ral ou ga­ran­tia fi­nan­cei­ra do Es­ta­do e, por se tra­tar de uma con­ces­são, a amor­ti­za­ção do cus­to da obra” se­ria pa­ga “com a ren­ta­bi­li­da­de da sua ope­ra­ção por­tuá­ria, ao lon­go do tem­po”, sem con­tri­buir “pa­ra o agra­var da dí­vi­da pú­bli­ca do país”. “A lei das con­ces­sões por­tuá­ri­as é uma lei es­pe­cí­fi­ca, com um pro­ce­di­men­to pró­prio, que foi es­cru­pu­lo­sa­men­te cum­pri­do, e, ao

abri­go da mes­ma, foi re­a­li­za­da uma ne­go­ci­a­ção entre o Es­ta­do e as par­tes que se pro­pu­se­ram in­ves­tir, na qual fo­ram dis­cu­ti­dos e acor­da­dos os ter­mos do in­ves­ti­men­to, bem co­mo as con­di­ções que os in­ves­ti­do­res de­vem cum­prir e o que de­vem pa­gar pe­la con­ces­são ao Es­ta­do. Foi, as­sim, cum­pri­do o ob­jec­ti­vo de che­gar a um re­sul­ta­do fi­nal que se­ja equi­ta­ti­vo e equi­li­bra­do pa­ra to­das as par­tes en­vol­vi­das”, su­bli­nha ain­da a Atlan­tic Ven­tu­res. Pa­ra a em­pre­sa, es­ta con­ces­são, re­vo­ga­da a 28 de Ju­nho, “cum­priu to­dos os re­qui­si­tos le­gais aos quais es­ta­va obri­ga­da”, ga­ran­tin­do que “ne­nhum as­pec­to da lei de con­ces­sões por­tuá­ri­as foi vi­o­la­da e, por is­so, to­dos os tra­ba­lhos de­sen­vol­vi­dos ti­ve­ram uma ba­se le­gí­ti­ma e le­gal”. Re­cor­da que o pro­jec­to do por­to da Bar­ra do Dande foi ana­li­sa­do e apro­va­do em reu­nião da Co­mis­são Eco­nó­mi­ca do Con­se­lho de Mi­nis­tros, em 2017, na qual es­te­ve pre­sen­te João Lou­ren­ço, en­tão mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, e que não me­re­ceu de­le a mí­ni­ma dú­vi­da ou ob­jec­ção. “Es­te pro­ces­so foi de­sen­vol­vi­do com a to­tal trans­pa­rên­cia e par­ti­ci­pa­ção de vá­ri­as en­ti­da­des”, ga­ran­te a Atlan­tic Ven­tu­res. O in­ves­ti­men­to nes­te pro­jec­to, se­gun­do a em­pre­sa, se­ria su­por­ta­do (em re­gi­me de cons­tru­ção e con­ces­são por 30 anos) pe­la Atlan­tic Ven­tu­res e in­ves­ti­do­res pri­va­dos, pre­ven­do a cons­tru­ção de 1.600 me­tros de cais, nu­ma área de cer­ca de 100 hec­ta­res e com uma ca­pa­ci­da­de pa­ra mo­vi­men­tar o equi­va­len­te a três mi­lhões de con­ten­to­res por ano. Pa­ra sus­ten­tar a sur­pre- sa da de­ci­são de re­vo­gar es­te pro­ces­so, a em­pre­sa re­cor­da que nos úl­ti­mos me­ses já fo­ram re­a­li­za­das reu­niões de apre­sen­ta­ção com os ad­mi­nis­tra­do­res de to­dos os por­tos de An­go­la pe­la equi­pa pro­jec­tis­ta e lí­der mun­di­al Royal Has­ko­ning DHV En­gi­ne­e­ring, em re­pre­sen­ta­ção dos in­ves­ti­do­res pri­va­dos, além de ou­tras du­as reu­niões téc­ni­cas com as res­tan­tes en­ti­da­des en­vol­vi­das. Fo­ram igual­men­te re­a­li- za­das reu­niões com ope­ra­do­res por­tuá­ri­os, um ‘ro­adshow’ pa­ra cap­tar in­ves­ti­men­to in­ter­na­ci­o­nal, exe­cu­ta­dos pro­jec­tos de en­ge­nha­ria, ad­ju­di­ca­do o con­tra­to de im­pac­to am­bi­en­tal à em­pre­sa an­go­la­na Ho­lis­ti­cos e re­a­li­za­dos os le­van­ta­men­tos dos da­dos oce­a­no­grá­fi­cos pe­la em­pre­sa an­go­la­na Ge­o­sur­veys. “De re­al­çar que, pa­ra o país, es­ta con­ces­são sig­ni­fi­ca ter um por­to cons­truí­do em 24 me­ses sem re­cur­so ao Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, com ope­ra­do­res por­tuá­ri­os a fun­ci­o­nar de for­ma efi­ci­en­te, di­mi­nuin­do as­sim os cus­tos por­tuá­ri­os e con­tri­buin­do di­rec­ta­men­te pa­ra re­du­zir os cus­tos da im­por­ta­ção e ex­por­ta­ção”, con­cluiu a Atlan­tic Ven­tu­res, as­su­min­do ain­da, com de­sen­vol­vi­men­to do no­vo por­to e área ad­ja­cen­te, a cri­a­ção de 5.000 no­vos em­pre­gos nos pró­xi­mos anos.

PRE­SI­DEN­TE DO MPLA, JO­SÉ EDUARDO DOS SAN­TOS

EM­PRE­SÁ­RIA AN­GO­LA­NA, ISA­BEL DOS SAN­TOS

PRE­SI­DEN­TE DA RE­PÚ­BLI­CA, JOÃO LOU­REN­ÇO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.