POR­TAS ABER­TAS PA­RA ÁR­BI­TROS AN­GO­LA­NOS

Folha 8 - - DESPORTO -

Oár­bi­tro as­sis­ten­te in­ter­na­ci­o­nal hui­la­no Jer­son Emi­li­a­no dos San­tos acre­di­ta que a sua par­ti­ci­pa­ção no Cam­pe­o­na­to do Mun­do de Fu­te­bol, ter­mi­na­do do­min­go na Rús­sia, abriu uma im­por­tan­te por­ta pa­ra a ar­bi­tra­gem an­go­la­na. Em en­tre­vis­ta ex­clu­si­va à An­gop, o jo­vem as­sis­ten­te de 35 anos, re­cém-che­ga­do ao Lu­ban­go, ad­mi­tiu que não é fá­cil es­tar na fa­se fi­nal de uma pro­va co­mo aque­la, já que a se­lec­ção co­me­ça com três ou dois anos de an­te­ce­dên­cia, e to­do aque­le que é es­co­lhi­do aca­ba por dei­xar uma mar­ca, um in­di­ca­dor pa­ra os ou­tros co­le­gas do mes­mo país. “Te­mos bons ár­bi­tros jovens in­ter­na­ci­o­nais pro­mo­vi­dos re­cen­te­men­te, mas de­fen­do que de­ve­mos con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar pa­ra ele­var a qua­li­da­de da nos­sa ar­bi­tra­gem no país e quan­do re­ce­be­mos as in­di­ca­ções da Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de Fu­te­bol (CAF) de­ve­mos ter em con­ta que é um pas­so pa­ra ou­tros pa­ta­ma­res”, su­bli­nhou. Na en­tre­vis­ta, Jer­son re­al­çou que a sua car­rei­ra in­ter­na­ci­o­nal co­me­çou na Ta­ça Co­sa­fa, em 2009, on­de che­gou a api­tar a fi­nal, o que foi um pro­pul­sor que per­mi­tiu que olhas­sem mais pa­ra An­go­la, por is­so pen­sa que a sua pre­sen­ça na Rús­sia abre por­tas pa­ra que ou­tros juí­zes an­go­la­nos se­jam se­lec­ci­o­na­dos, mas que o im­por­tan­te mes­mo é ga­ran­tir a con­fi­an­ça da CAF. Quan­to ao seu de­sem­pe­nho, Jer­son Emi­li­a­no dos San­tos dos San­tos ad­mi­tiu que foi uma par­ti­ci­pa­ção po­si­ti­va e foi além das su­as ex­pec­ta­ti­vas, pois a prin­cí­pio es­ta­va a pen­sar so­men­te em ter um “bom pri­mei­ro jo­go” e is­so ocor­reu, o que foi crucial pa­ra as in­di­ca­ções se­guin­tes. So­bre se te­ve al­gu­ma di­fi­cul­da­de du­ran­te os 34 di­as que es­te­ve na Rús­sia, apon­tou a adap­ta­ção ao clima, em­bo­ra sen­do ve­rão, não era o ha­bi­tu­al ao que con- he­ce. Fa­lou igual­men­te da an­si­e­da­de no iní­cio de ca­da jo­go, pois a res­pon­sa­bi­li­da­de de que­rer fa­zer tu­do per­fei­to aca­bou por al­te­rar o equi­lí­brio no sis­te­ma ner­vo­so. “Du­ran­te os jo­gos pro­cu­rei sem­pre me acal­mar e is­so con­tri­buiu mui­to pa­ra o êxi­to que ti­ve. So­mos uma equi­pa que es­tá jun­ta des­de 2013, é já um gru­po co­e­so, em­bo­ra es­te­ja­mos só jun­tos em jo­gos afri­ca­nos. Com eles apren­di mui­to mais, é um dos me­lho­res ár­bi­tros da Zâm­bia e is­so con­tri­buiu mui­to pa­ra o meu de­sem­pe­nho”, sus­ten­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.