MAU ES­TAR NO SEIO DAS FORÇAS ARMADAS

Folha 8 - - DESTAQUE -

A con­tun­dên­cia da de­nún­cia do go­ver­na­dor Rui Falcão, a ser ver­da­dei­ra, de­ve es­po­le­tar a aber­tu­ra de um pro­ces­so de ins­tru­ção do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, com ba­se na no­tí­cia. “O ge­ne­ral Ar­man­do da Cruz Ne­to não tem me­do, não pos­so fa­lar o mes­mo do ca­ma­ra­da Isa­ac dos An­jos, mas não acre­di­to que al­guém de bom sen­so não se in­dig­ne. Nós es­ta­mos in­dig­na­dos e, es­tra­nha­mos que o pre­si­den­te João Lou­ren­ço se­ja co­ni­ven­te com o seu si­lên­cio, quan­do es­tão em che­que pes­so­as que di­ri­gi­ram tro­pas e ain­da têm in­fluên­cia no seio das Forças Armadas e, um, é seu as­ses­sor. Quem ga­nha com es­ta si­tu­a­ção de per­ma­nen­te mau es­tar no seio do MPLA e das FAA?” Mais uma vez, por in­com­pe­tên­cia, de nos­sa par­te, a cul­pa vai mor­rer sol­tei­ra, mas nun­ca an­tes, ou­vi­mos tan­ta fron­ta­li­da­de, na res- pos­ta às de­nún­ci­as de Rui Falcão. “Se nin­guém co­lo­car um tra­vão nes­ta si­tu­a­ção, mui­tas das con­quis­tas po­de­rão des­mo­ro­nar. Que­rem, por exem­plo, com ba­se em no­vos de­cre­tos, en­tre­gar o país aos es­tran­gei­ros e, des­ta for­ma, de­pois do co­lo­ni­a­lis­mo ge­ral de 500 anos, te­re­mos o (co­lo­ni­a­lis­mo) eco­nó­mi­co, que po­de­rá eter­ni­zar a es­cra­vi­dão dos au­tóc­to­nes an­go­la­nos. Is­so é mui­to gra­ve, pois vão com ba­se nes­ta di­vi­são e in­tri­gas in­ter­nas, no par­ti­do, en­tre­gar Angola ao FMI (Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal), que se­rá mais uma co­baia, pa­ra nos em­po­bre­cer mais, com de­sem­pre­go, au­men­to de im­pos­tos e al­to cus­to de vi­da”. O po­lí­ti­co, que tam­bém é ofi­ci­al na re­ser­va diz es­tar pre­o­cu­pa­do, com “es­ta es­tra­té­gia, que não é iso­la­da, faz par­te de um pa­co­te mai­or, que vi­sa es­tran­gu­lar e des­cre­di- bi­li­zar a mai­o­ria dos di­ri­gen­tes an­ti­gos e aque­les no­vos que têm o MPLA, não co­mo uma for­ça po­lí­ti­ca do mal, mas pre­o­cu­pa­da com a mai­o­ria dos an­go­la­nos”. Na sua opi­nião, a par­tir de Se­tem­bro, “as pes­so­as vão co­nhe­cer, ver­da­dei­ra­men­te, João Lou­ren­ço quan­do ele con­su­mar o so­nho de ser o no­vo mo­nar­ca de Angola, con­cen­tran­do o po­der ab­so­lu­to. Se ago­ra já se mos­tra in­to­le­ran­te e não acei­ta dis­cus­sões, ama­nhã com o con­tro­lo do MPLA vai ou­vir al­guém? Não acre­di­to, se­rá o se­nhor ab­so­lu­to, por es­ta ra­zão os seus lu­ga­res-te­nen­tes es­tão a achin­ca­lhar pes­so­as que lhes me­tam me­do, tan­to mi­li­ta­res, co­mo ge­ne­rais e até po­lí­ti­cos, que mui­to con­tri­buí­ram pa­ra a con­quis­ta da paz e a ma­nu­ten­ção da so­be­ra­nia”.

Se nin­guém co­lo­car um tra­vão nes­ta si­tu­a­ção, mui­tas das con­quis­tas po­de­rão des­mo­ro­nar. Que­rem, por exem­plo, com ba­se em no­vos de­cre­tos, en­tre­gar o país aos es­tran­gei­ros e, des­ta for­ma, de­pois do co­lo­ni­a­lis­mo ge­ral de 500 anos, te­re­mos o (co­lo­ni­a­lis­mo) eco­nó­mi­co, que po­de­rá eter­ni­zar a es­cra­vi­dão dos au­tóc­to­nes an­go­la­nos

GE­NE­RAL AR­MAN­DO DA CRUZ NE­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.