ELE­FAN­TES A ME­NOS, POBRES A MAIS

Folha 8 - - DESTAQUE -

A po­pu­la­ção de ele­fan­tes em Angola (já pa­ra não fa­lar da po­pu­la­ção de pobres – 20 mi­lhões), que re­cu­pe­rou após a guer­ra ci­vil, es­tá de no­vo em de­clí­nio e pre­ci­sa de “pro­tec­ção ac­ti­va” (tal co­mo os nos­sos pobres) con­tra a ca­ça fur­ti­va e per­da de ha­bi­tat, aler­ta­va um es­tu­do di­vul­ga­do no pas­sa­do dia 14 de Mar­ço. Uma in­ves­ti­ga­ção re­a­li­za­da por eco­lo­gis­tas da “Elephants Without Bor­ders” (EWB), or­ga­ni­za­ção de con­ser­va­ção da vi­da sel­va­gem e dos re­cur­sos na­tu­rais com se­de no Botswa­na, e pe­la Uni­ver­si­da­de de Mas­sa­chu­setts Amherst, con­clui que o fim da guer­ra não é ne­ces­sa­ri­a­men­te su­fi­ci­en­te pa­ra a re­cu­pe­ra­ção a lon­go pra­zo das po­pu­la­ções da vi­da sel­va­gem, sen­do tam­bém ne­ces­sá­ria “pro­tec­ção ac­ti­va”, com me­di­das de com­ba­te à ca­ça fur­ti­va e de li­mi­ta­ção da in­va­são hu­ma­na das áre­as pro­te­gi­das. Tan­to quan­to pa­re­ce, o fim da guer­ra tam­bém não foi, nem é, ne­ces­sa­ri­a­men­te su­fi­ci­en­te pa­ra a re­cu­pe­ra­ção dos an­go­la­nos que, por re­gra, con­ti­nu­am a ser ge­ra­dos com fo­me, a nas­cer com fo­me e a mor­rer, pou­co de­pois, com fo­me. “Po­de ser ain­da pos­sí­vel re­ver­ter o de­clí­nio em cur­so dos ele­fan­tes em Angola e con­ser­var es­sa im­por­tan­te po­pu­la­ção, se o Go­ver­no se com­pro­me­ter com uma “pro­tec­ção ac­ti­va”, diz Scott Sch­los­s­berg, o pri­mei­ro au­tor do es­tu­do, pu­bli­ca­do nes­se dia na re­vis­ta ci­en­tí­fi­ca PLOS ONE. A su­ges­tão da­da ao Go­ver­no po­de tam­bém ser re­pli­ca­da pa­ra os hu­ma­nos: “Po­de ser ain­da pos­sí­vel re­ver­ter o de­clí­nio em cur­so… se o Go­ver­no se com­pro­me­ter (e cum­prir) com uma pro­tec­ção ac­ti­va”. “Fe­liz­men­te, no fi­nal de 2015 Angola ain­da ti­nha mais de 3.000 ele­fan­tes”, di­zem Scott Sch­los­s­berg e os ou­tros au­to­res do es- tu­do. An­tes da dé­ca­da de 1970 Angola ti­nha cer­ca de 70.000 ele­fan­tes, uma das mai­o­res po­pu­la­ções da Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na nes­sa al­tu­ra. A guer­ra, en­tre 1975 e 2002, não só pro­vo­cou gran­de per­da de vi­das hu­ma­nas, mas tam­bém le­vou ao aba­te de ele­fan­tes em lar­ga es­ca­la. Em 2004/5 a EWB fez uma pes­qui­sa em Angola e en­con­trou uma “pe­que­na mas apa­ren­te­men­te sau­dá­vel e cres­cen­te po­pu­la­ção, es­ti­ma­da em 1.800 ele­fan­tes”, nas pa­la­vras de Cur­ti­ce Grif­fin, pro­fes­sor de con­ser­va­ção do am­bi­en­te em Amherst. Uma no­va pes­qui­sa foi fei­ta em 2015, atra­vés de le­van­ta­men­tos aé­re­os e mo­ni­to­ri­za­ções por sa­té­li­te, ten­do si­do iden­ti­fi­ca­dos 3.395 ele­fan­tes na pro­vín­cia de Cu­an­do Cu­ban­go. Os nú­me­ros fo­ram des­ta­ca­dos em 2016 pe­lo go­ver­no angolano, que nes­se ano de­di­cou o dia do Am­bi­en­te à pro­tec­ção do ele­fan­te e ao com­ba­te ao trá­fi­co de mar­fim. Com­pa­ran­do os da­dos de uma re­gião es­pe­cí­fi­ca que já ti­nha si­do es­tu­da­da em 2005 re­gis­tou-se um de­crés­ci­mo de 21% no nú­me­ro de ele­fan­tes, dis­se Sch­los­s­berg. Na área de pes­qui­sa ain­da per­ma­ne­cem cam­pos de mi­nas, que afec­tam se­res hu­ma­nos mas tam­bém ani­mais sel­va­gens, ele­fan­tes in­cluí­dos. Sch­los­s­berg dis­se que o nú­me­ro de ca­dá­ve­res de ele­fan­tes au­men­tou mui­to de 2005 pa­ra 2015, ex­pli­can­do que no pri­mei­ro es­tu­do não foi vis­to qual­quer ca­dá­ver e que em 2015 fo­ram de­tec­ta­das qua­tro car­ca­ças por ca­da 10 ele­fan­tes vi­vos. Os au­to­res do es­tu­do su­ge­rem que a po­pu­la­ção de ele­fan­tes en­trou em de­clí­nio a par­tir de 2015 e di­zem que o de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no ge­ne­ra­li­za­do no su­do­es­te de Angola po­de es­tar a li­mi­tar a dis­tri­bui­ção de ele­fan­tes, que evi- tam áre­as a me­nos de seis qui­ló­me­tros de ves­tí­gi­os hu­ma­nos, se­gun­do o ras­treio por sa­té­li­te. Os au­to­res sa­li­en­tam que des­de 2015 o Go­ver­no de Angola tem to­ma­do me­di­das pa­ra pro­te­ger os ele­fan­tes, no­me­a­da­men­te o com­ba­te ao co­mér­cio de mar­fim e a cri­mi­na­li­za­ção da ven­da da vi­da sel­va­gem, mor­ta ou vi­va.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.