SOLUÇÃO? VE­NHAM MAIS FACULDADES

Folha 8 - - DESTAQUE - MILITANTES DO PAR­TI­DO DO MPLA

O Go­ver­no do MPLA (o úni­co que Angola co­nhe­ceu des­de que se tor­nou in­de­pen­den­te, em 1975) as­su­me a pro­mes­sa de cons­truir se­te no­vas faculdades públicas até 2022 e ele­var a mais de 33.000 o nú­me­ro de es­tu­dan­tes que anu­al­men­te sa­em for­ma­dos das ins­ti­tui­ções de ensino superior do país. A pre­ten­são, pro­mes­sa, de­ma­go­gia, cons­ta do Pla­no de De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal (PDN) 2018-2022, apro­va­do pe­lo Go­ver­no e pu­bli­ca­do ofi­ci­al­men­te no fi­nal de Ju­nho, con­ten­do um con­jun­to de pro­gra­mas com a es­tra­té­gia go­ver­na­men­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to na­ci­o­nal na ac­tu­al le­gis­la­tu­ra. Es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra “me­lho­rar a re­de de ins­ti­tui­ções de ensino superior”, o PDN in­cluiu um pro­gra­ma pa­ra “per­mi­tir o cres­ci­men­to de cur­sos e de pós-gra­du­a­ções”, além de “me­lho­rar a qua­li­da­de do ensino mi­nis­tra­do”. Nem mais nem me­nos. Va­le tu­do. “Evi­den­cia, ain­da, a im­por­tân­cia que o Exe­cu­ti­vo atri­bui ao de­sen­vol­vi­men­to da in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e tec­no­ló­gi­ca, no­me­a­da­men­te atra­vés da car­rei­ra de in­ves­ti­ga­dor”, su­bli­nha o pla­no ela­bo­ra­do pe­lo Go­ver­no do MPLA pa­ra os pró­xi­mos cin­co anos e que, nes­te co­mo nou­tros sec­to­res, pro­me­te fa­zer até 2022 o que o MPLA não con­se­guiu fa­zer em 42 anos de in­de­pen­dên­cia. Na­da de no­vo, por­tan­to. Fre­quen­ta­vam o ensino superior em Angola em 2017 cer­ca de 255.000 es­tu­dan­tes, um au­men­to de 5,6% fa­ce ao ano an­te­ri­or, dis­tri­buí­dos por 24 uni­ver­si­da­des públicas e 41 pri­va­das, se­gun­do da­dos ofi­ci­ais. En­tre as me­tas des­te pro­gra­ma es­tão a for­ma­ção, até 2022, de mais de 33.000 gra­du­a­dos em ca­da ano, bem co­mo a aber­tu­ra de se­te no­vas faculdades, no­ve ins­ti­tu­tos e qua­tro es­co­las su­pe­ri­o­res, no mes­mo pe­río­do. Es­tá tam­bém pre­vis­to o apoio pa­ra for­ma­ção de 772 no­vos mes­tres e 125 no­vos dou­to­res, no ex­te­ri­or, até 2022, bem co­mo a ca­pa­ci­ta­ção de 1.500 do­cen­tes universitários. O Go­ver­no do MPLA quer ain­da – de acor­do com o seu ca­len­dá­ri­os de pro­mes­sas – 40 no­vos in­ves­ti­ga­do­res dou­to­ra­dos nas áre­as da ci­ên­cia e tec­no­lo­gia e 300 pro- jec­tos de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e tec­no­ló­gi­ca fi­nan­ci­a­dos até 2022, bem co­mo fi­nan­ci­ar a re­a­bi­li­ta­ção e ape­tre­cha­men­to de 26 la­bo­ra­tó­ri­os de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca em Ins­ti­tui­ções de Ensino Superior. A atri­bui­ção de “pe­lo me­nos” 6.000 bol­sas de es­tu­do a es­tu­dan­tes universitários, a cons­tru­ção de seis rei­to­ri­as uni­ver­si­tá­ri­as e a im­ple­men­ta­ção da Aca­de­mia de Ci­ên­ci­as de Angola são ou­tros dos ob­jec­ti­vos do Go­ver­no as­su­mi­dos no PDN. O ob­jec­ti­vo pas­sa, des­de lo­go, por “au­men­tar o nú­me­ro de gra­du­a­dos no ensino superior, em es­pe­ci­al em áre­as de for­ma­ção de­fi­ci­tá­ria”, mas tam­bém “do­tar o cor­po do­cen­te na­ci­o­nal com mai­o­res ní­veis de qua­li­fi­ca­ção”, pa­ra “me­lho­rar a qua­li­da­de do ensino superior em Angola”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.