RES­PON­SA­BI­LI­DA­DE DAS LEIS TRIBUTÁRIAS

Folha 8 - - ECONOMIA -

Ma­ria da Con­cei­ção Ma­tos adi­an­tou que a se­lec­ção dos te­mas pro­pos­tos pa­ra es­te en­con­tro, que de­cor­reu na se­de do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, em Lu­an­da, re­sul­ta da “cons­ci­ên­cia e res­pon­sa­bi­li­da­de que a AGT tem em re­la­ção à pre­ven­ção das leis tributárias”. “Há a ne­ces­si­da­de de alar­gar ao má­xi­mo o de­ba­te em tor­no do pro­ces­so de im­ple­men­ta­ção do IVA. O cum­pri­men­to das obri­ga­ções tributárias cons­ti­tui uma im­por­tan­te ala­van­ca pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel do país”, con­cluiu. A re­cei­ta tri­bu­tá­ria não pe­tro­lí­fe­ra re­gis­ta, des­de o lan­ça­men­to, em 2010, do Pro­jec­to Exe­cu­ti­vo de Re­for­ma Tri­bu­tá­ria (PERT), um cres­ci­men­to com­pos­to anu­al de 14%, re­ve­lou em Se- tem­bro de 2014 a en­tão se­cre­tá­ria de Es­ta­do das Fi­nan­ças, Va­len­ti­na Fi­li­pe. A se­cre­tá­ria de Es­ta­do in­di­cou ain­da que, no âm­bi­to da re­for­ma en­tão em cur­so, ti­nham si­do de­sen­vol­vi­das vá­ri­as ac­ções, no­me­a­da­men­te a ela­bo­ra­ção de uma pro­pos­ta pa­ra a re­for­ma es­tru­tu­ral do sis­te­ma fiscal, in­cluin­do a re­vi­são das áre­as crí­ti­cas de atri­bui­ção do ren­di­men­to, con­su­mo e pa­tri­mó­nio, cu­jo de­sa­fio é o au­men­to da re­cei­ta não pe­tro­lí­fe­ra. No âm­bi­to do PERT, têm si­do de­sen­vol­vi­das ac­ções cu­jo im­pac­to já se fez sen­tir a vá­ri­os ní­veis, pro­mo­ven­do o alar­ga­men­to da ba­se tri­bu­tá­ria, no sen­ti­do de que o cres­ci­men­to da re­cei­ta se­ja al­can­ça­do na re­du­ção do en­car­go fiscal in­di­vi­du­al, sa­li­en­tou Va­len­ti­na Fi­li­pe, na aber­tu­ra de um en­con­tro so­bre “O pa­pel da re­for­ma tri­bu­tá­ria na re­du­ção da in­for­ma­li­da­de eco­nó­mi­ca em Angola”. “As me­lho­ri­as das con­di­ções de tra­ba­lho e dos pro­ce­di­men­tos uti­li­za­dos nas re­par­ti­ções fis­cais, bem co­mo o re­for­ço da co­mu­ni­ca­ção com a so­ci­e­da­de ci­vil e do apoio aos con­tri­buin­tes, são de­sa­fi­os im­por­tan­tes que se­rão cum­pri­dos em fun­ção das ori­en­ta­ções do Exe­cu­ti­vo”, de­cla­rou en­tão a se­cre­tá­ria de Es­ta­do. Re­cor­de-se que, por exem­plo, o Pro­gra­ma de Po­ten­ci­a­ção da Re­cei­ta Tri­bu­tá­ria (PPRT) pre­via ar­re­ca­dar até mais 780 mi­lhões de eu­ros em 2016 com re­cur­so a me­di­das es­tru- tu­rais de com­ba­te à fu­ga aos im­pos­tos e à ha­bi­tu­al in­for­ma­li­da­de das tran­sac­ções. A in­for­ma­ção cons­ta­va de um do­cu­men­to de su­por­te à es­tra­té­gia do Go­ver­no pa­ra ul­tra­pas­sar a cri­se fi­nan­cei­ra pro­vo­ca­da pe­la que­bra nas re­cei­tas do pe­tró­leo, pre­ven­do um “im­pac­to” do PPRT nas con­tas públicas de 2016 en­tre 75 mil mi­lhões de kwan­zas (420 mi­lhões de eu­ros) a 140 mil mi­lhões de kwan­zas (782 mi­lhões de eu­ros). Em­bo­ra sem con­cre­ti­zar as me­di­das, o do­cu­men­to, ela­bo­ra­do pe­lo Go­ver­no, re­fe­ria que es­ta­vam pre­vis­tas 25 ac­ções ti­das co­mo pri­o­ri­tá­ri­as ao abri­go da exe­cu­ção do PPRT, des­de ini­ci­a­ti­vas de “ele­va­do va­lor”, “es­tru­tu­rais” e de “vi­si­bi­li­da­de e com­ba­te à in­for­ma­li­da­de”. De acor­do com da­dos an­te­ri­o­res do Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças, a re­cei­ta tri­bu­tá­ria não pe­tro­lí­fe­ra re­pre­sen­ta­va já 44% do to­tal de re­cei­ta do Es­ta­do, mas a in­for­ma­li­da­de eco­nó­mi­ca (ne­gó­ci­os que não pa­gam im­pos­tos) em Angola ron­da os 60%, co­lo­can­do o país na lis­ta dos que têm ní­veis mais al­tos na Áfri­ca sub­sa­ri­a­na. Além do PPRT, o do­cu­men­to de­fi­nia igual­men­te a ne­ces­si­da­de de o Go­ver­no adop­tar “me­di­das le­gis­la­ti­vas com­ple­men­ta­res” pa­ra “pro­mo­ver a uni­for­mi­za­ção da tri­bu­ta­ção dos ren­di­men­tos do tra­ba­lho, o alar­ga­men­to da ba­se tri­bu­tá­ria e a pro­mo­ção da equi­da­de ho­ri­zon­tal”.

SE­CRE­TÁ­RIA DE ES­TA­DO DAS FI­NAN­ÇAS, VA­LEN­TI­NA FI­LI­PE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.