AS ELEI­ÇÕES AUTÁRQUICAS IRÃO DESCENTRALIZAR A LU­TA PO­LÍ­TI­CA

Folha 8 - - CRONICA -

Opaís es­tá vi­ven­do num pe­río­do que irá pro­pi­ci­ar uma vi­da me­lhor aos po­vos de Angola. Des­te mo­do o exer­cí­cio da mi­li­tân­cia se de­ve adap­tar ao ac­tu­al con­tex­to do país. E qual é o ac­tu­al con­tex­to que se vi­ve no país? Pri­mei­ro gos­ta­ria de dei­xar cla­ro que o exer­cí­cio da mi­li­tân­cia não se re­su­me em di­zer amém e amém de Ja­nei­ro a De­zem­bro. Quer di­zer o exer­cí­cio da mi­li­tân­cia é fa­zer a crí­ti­ca cons­tru­ti­va, é par­ti­ci­par na vi­da po­lí­ti­ca do par­ti­do, é di­fun­dir e de­fen­der as idei­as da cau­sa, é cum­prir o que es­tá es­ta­tuí­do. On­tem ha­via uma re­a­li­da­de que ho­je qual­quer ob­ser­va­dor ho­nes­to sa­be mui­to bem que es­sa ati­tu­de é que co­lo­cou o país nes­sa si­tu­a­ção. Pois on­tem se re­du­zia o exer­cí­cio da mi­li­tân­cia em amém e amém de Ja­nei­ro a De­zem­bro. Pois on­tem a ideia que es­ta­va ge­ne­ra­li­za­da é que a mi­li­tân­cia se re­su­mia em amém e amém de Ja­nei­ro a De­zem­bro. O ques­ti­o­nar do por­que se de­ve­ria di­zer amem era er­ra­da­men­te ti­da com uma in­fi­de­li­da­de par­ti­dá­ria. A pro­pa­gan­da po­lí­ti­ca era inin­ter­rup­ta, e a im­pren­sa pú­bli­ca é pro­va dis­so... mas na re­a­li­da­de nes­sa eu­fo­ria que se vi­via, a ma­te­ri­a­li­za­ção do slo­gan dos slo­gans: “O MAIS IM­POR­TAN­TE É RE­SOL­VER OS PRO­BLE­MAS DO PO­VO” era aquém. Nes­sa eu­fo­ria se so­mou em tem­po re­cor­de ma­les e ma­les. E es­ses ma­les na re­a­li­da­de são o fac­tor ou fo­ram es­ses ma­les que de­ram a oposição po­lí­ti­ca ar­gu­men­tos que lhe per­mi­ti­ram e lhe per­mi­tem con­ven­cer o elei­to­ra­do. Os re­sul­ta­dos do úl­ti­mo plei­to que se re­a­li­zou no país pro­vam is­so. En­tão em que con­tex­to es­tá o país? O ac­tu­al con­tex­to é do COR­RI­GIR O QUE ES­TÁ MAL E ME­LHO­RAR O QUE ES­TÁ BEM. Mas an­tes de di­zer al­go so­bre o ac­tu­al con­tex­to do país ur­ge di­zer o se­guin­te. Não é a posição que co­lo­cou em mar­cha o COR­RI­GIR O QUE ES­TÁ MAL E ME­LHO­RAR O QUE ES­TÁ BEM. En­tão qual de­ve ser o po­si­ci­o­na­men­to do mi­li­tan­te que é par­te do par­ti­do po­lí­ti­co que es­tá a ma­te­ri­a­li­zar o COR­RI­GIR O QUE ES­TÁ MAL E ME­LHO­RAR O QUE ES­TÁ BEM? Sim­ples­men­te de­ve se con­tex­tu­a­li­zar ao ac­tu­al con­tex­to. En­tão por­que a lu­ta po­lí­ti­ca em Angola nun­ca mais se­rá a mes­ma? A lu­ta po­lí­ti­ca em Angola nun­ca mais se­rá a mes­ma, pois ho­je com a aber­tu­ra que é no­tá­vel na im­pren­sa pú­bli­ca, o Ko que es­tá sen­do da­do em ca­da uma das ac­ções que mo­no­po­li­za­vam a eco­no­mia e as fi­nan­ças do país, o ou­tro olhar ao sec­tor so­ci­al... são in­di­ca­do­res de que ho­je se vi­ve nu­ma NO­VA AN­GO- LA. Mas es­sa NO­VA ANGOLA tor­na A LU­TA PO­LÍ­TI­CA MAIS RENHIDA. Até ago­ra a lu­ta po­lí­ti­ca es­tá cen­tra­li­za­da, quer di­zer, o que se pas­sa na ca­pi­tal do país ou a lu­ta po­lí­ti­ca na ca­pi­tal do país de­ter­mi­na o ru­mo dos acon­te­ci­men­tos em to­do país. Mas com a im­ple­men­ta­ção das elei­ções autárquicas a lu­ta po­lí­ti­ca irá se descentralizar, quer di­zer, o vo­to não se­rá mais re­sul­ta­do do que se pas­sa no país to­do, mas sim do que pas­sa nes­sa cir­cuns­cri­ção da par­ce­la do ter­ri­tó­rio Na­ci­o­nal. Se on­tem o “bi­lo” po­lí­ti­co de­pen­dia de LU­AN­DA. Pois na cam­pa­nha se apre­sen­ta­va obras fei­tas ao ní­vel Na­ci­o­nal. Nas elei­ções autárquicas o “bi­lo” po­lí­ti- co não de­pen­de­rá do que foi fei­to ou é fei­to no âm­bi­to Na­ci­o­nal, mas do que foi fei­to ou é fei­to na par­ce­la do ter­ri­tó­rio Na­ci­o­nal que se vi­ve. Ora es­sa no­va re­a­li­da­de fa­rá da lu­ta po­lí­ti­ca mais renhida, pois nas elei­ções Ge­rais a cam­pa­nha po­lí­ti­ca é de âm­bi­to Na­ci­o­nal, os fei­tos an­te­ri­o­res que são apre­sen­ta­dos aos elei­to­res são de âm­bi­to Na­ci­o­nal, mas nas elei­ções autárquicas es­ses fei­tos an­te­ri­o­res que são apre­sen­ta­dos ao elei­tor num plei­to não são de âm­bi­to Na­ci­o­nal, mas de âm­bi­to lo­cal. E com es­sa no­va re­a­li­da­de ur­ge que a mi­li­tân­cia se adap­te ao con­tex­to. Que exer­cí­cio da mi­li­tân­cia não se re­su­ma mais em amém e amém de Ja­nei­ro a De­zem­bro. Mas que se­ja um exer­cí­cio que apon­te o que es­tá mal, que pro­põem so­lu­ções, par­ti­ci­pa­va, prag­má­ti­ca... En­fim o exer­cí­cio da mi­li­tân­cia de­ve ser pa­trió­ti­ca. Pois só des­ta for­ma se po­de­rá fa­zer do país num lu­gar me­lhor pra se vi­ver, só des­ta for­ma de po­de­rá fa­zer acon­te­cer o pro­gres­so do país. E é só des­ta for­ma se po­de­rá con­tra­por a ofen­si­va da oposição po­lí­ti­ca. Ca­so con­tra­rio se es­ta­rá a dar trun­fos na man­ga à oposição po­lí­ti­ca e se es­ta­rá a dar a oposição ar­gu­men­tos pa­ra ele con­ven­cer o elei­tor. E is­so na re­a­li­da­de é dar sem se per­ce­ber o po­der po­lí­ti­co a oposição po­lí­ti­ca ou é um trans­fe­rir sem se per­ce­ber o po­der po­lí­ti­co a oposição po­lí­ti­ca. *Ku­tu­a­lis­ta

MA­NU­EL TANDU

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.