DO INFORTÚNIO DE MILLION À “FEZADA” DE CHRISTIAN

Folha 8 - - DESTAQUE -

Nes­ta sen­da, pri­mou para al­guns a am­bi­ção de fi­car com 5 por cen­to, equi­va­len­te a 25 mi­lhões de dó­la­res dos 50 mil mi­lhões do fi­nan­ci­a­men­to que o gru­po de ci­da­dãos ex­pa­tri­a­dos, li­de­ra­dos pe­lo tai­lan­dês Ra­ve­e­roj Ri­cht­cho­ne­a­nan, di­zia ter dis­po­ní­vel para in­ves­tir em An­go­la, se­gun­do re­ve­lou a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, co­mo foi o ca­so de um ci­da­dão eri­treu cha­ma­do Million Is­sac Hai­le, de 29 ano de ida­de, que se trans­for­mou em pe­sa­de­lo. De acor­do com a acu­sa­ção do re­pre­sen­tan­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co jun­to da Câ­ma­ra Cri­mi­nal do Tribunal Su­pre­mo, para ser acei­te no gru­po e par­ti­ci­par nas reu­niões com os re­pre­sen­tan­tes de di­ver­sas ins­ti­tui­ções an­go­la­nas, o ci­da­dão Million de­sem­bol­sou, para co­me­çar, a mó­di­ca quan­tia de 23 mi­lhões de Kwan­zas. Pou­ca sor­te, em vez de ga­nhar os 25 mi­lhões de dó­la­res - já ve­re­mos co­mo e por quê - aca­bou en­vol­vi­do nu­ma si­tu­a­ção que le­vou os pe­ri­tos do Ser­vi­ço de In- ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal (SIC) a re­ti­rá-lo, de­vi­da­men­te al­ge­ma­do, do lu­xu­o­so quar­to do ho­tel Epic Sa­na, para o “in­ter­nar” nu­ma ce­la da ca­deia de Vi­a­na. A von­ta­de de Million ga­nhar di­nhei­ro em An­go­la, sem se im­por­tar com os mei­os, le­vou-o a pres­tar apoio à or­ga­ni­za­ção, ten­do in­clu­si­ve aban­do­na­do a sua re­si­dên­cia para se ins­ta­lar no ho­tel Epic Sa­na, a fim de fi­car mais pró­xi­mo dos seus no­vos par­cei­ros. Se­gun­do o pro­cu­ra­dor Jo­sé Co­e­lho, sem es­pe­ci­fi­car o dia e mês em que tal en­con­tro ocor­reu, “o ar­gui­do Million Hai­le co­nhe­ceu os tai­lan­de­ses no bar do ho­tel Epic Sa­na, ten­do si­do abor­da­do pe­lo ar­gui­do Ma­nin Wa­nit­cha­non” o que lhe va­leu, em su­ple­men­to, ter ago­ra de res­pon­der pe­lo cri­me de exer­cí­cio ile­gal de fun­ções pú­bli­cas ou pro­fis­são ti­tu­la­da, por­que, “en­quan­to es­pe­ra­va pe­la gran­de opor­tu­ni­da­de que sur­giu com os tai­lan­de­ses, pres­ta­va ser­vi­ço de con­ta­bi­li­da­de para al­gu­mas em­pre­sas de con­ter­râ­ne­os seus re­si­den­tes no país sem es­tar ins­cri­to na Or­dem dos Con­ta­bi­lis­tas (de An­go­la)” As in­for­ma­ções pre­li­mi­na­res pres­ta­das pe­lo SIC e di­vul­ga­das pe­la im­pren­sa, aquan­do da de­ten­ção do gru­po, apon­ta­vam Million Hai­le co­mo uma das ví­ti­mas. Te­ria si­do ali­ci­a­do com 5 por cen­to das ac­ções da so­ci­e­da­de comercial Cen­ten­ni­al Energy-co­mér­cio e Pres­ta­ção de Ser­vi­ços, que es­ta­va em vi­as de le­ga­li­za­ção em An­go­la. Se­gun­do Pau­lo Sér­gio, jor­na­lis­ta do jor­nal “O País”, es­sa “em­pre­sa” “es­ta­ria en­car­re­gue pe­la apli­ca­ção de 50 mil mi­lhões de dó­la­res pa­gos por via de um che­que do Ban­co Cen­tral das Fi­li­pi­nas com o nú­me­ro 4518164, de 24 de No­vem­bro úl­ti­mo, is­to sem es­que­cer que ou­tro mis­te­ri­o­so che­que de 99 bi­liões de dó­la­res foi apre­en­di­do no ho­tel. Em tro­ca dos 5 por cen­to, Million te­ria de in­ves­tir, ao to­do, 50 mi­lhões de Kwan­zas, uma vez que, ale­ga­vam os seus só­ci­os tai­lan­de­ses, ti­nham mo­bi­li­za­do mon­tan­tes de vul­to num car­re­ga­men­to de ar­roz pro­ve­ni­en­te da Ásia. Em­bo­ra não lhe te­nha si­do apre­sen­ta­da do­cu­men­ta­ção re­la­ci­o­na­da com es­sa ope­ra­ção, Million acei­tou, en­tre­gan­do os re­fe­ri­dos ini­ci­ais: 23 mi­lhões de Kwan­zas”. O en­tão che­fe do De­par­ta­men­to Cen­tral do SIC, su­pe­rin­ten­den­te- che­fe To­más Agos­ti­nho, re­ve­lou à im­pren­sa, aquan­do da apre­sen­ta­ção pú­bli­ca dos ar­gui­dos, que “o di­nhei­ro foi en­tre­gue a eles. Há do­cu­men­tos que ates­tam a sua re­cep­ção e há con­tra­tos for­ma­li­za­dos en­tre as par­tes. Por­tan­to, só a par­tir des­sa amos­tra po­de­mos ti­rar ila­ções so­bre o que pro­va­vel­men­te ocor­re­ria, ten­do em con­ta a quan­ti­da­de de pro­pos­tas em pos­se de­les”. Por ou­tro la­do, con­tra­ri­a­men­te a Million Hai­le, que per­deu di­nhei­ro, Christian Al­ba­no de Le­mos, sub-che­fe da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, 49 anos, “ami­go” do eri­treu e com­pa­nhei­ro de pro­ces­so, es­se sim, te­rá con­se­gui­do ame­a­lhar uma boa quan­tia fi­nan­cei­ra com o es­que­ma. Ti­nha si­do “con­tra­ta­do pe­la em­pre­sá­ria Ce­les­te de Bri­to para tra­ba­lhar sim­ples­men­te co­mo tra­du­tor e se­gu­ran­ça dos dez ci­da­dãos es­tran­gei­ros en­vol­vi­dos no ca­so - que ti­nham che­ga­do ao país no dia 27 de No­vem­bro úl­ti­mo - e aca­bou por se tor­nar num dos prin­ci­pais pro­mo­to­res, re­mu­ne­ra­do, de en­con­tros des­tes com al­tos fun­ci­o­ná­ri­os do Es­ta­do”. Com o afas­ta­men­to de Ce­les­te de Bri­to da re­la­ção, de­pois de es­sa em­pre­sá­ria ter me­ti­do a bo­ca no trom­bo­ne e re­ve­la­do a bur­la jun­to do por­ta-voz do MPLA, Nor­ber­to de Cas­tro, Christian pas­sou, ale­ga­da­men­te, a tra­ba­lhar para al­tas pa­ten­tes das FAA, com o ge­ne­ral Jo­sé Ar­sé­nio Manuel, presidente da co­o­pe­ra­ti­va de mi­li­ta­res Njan­go Ye­tu, um dos três ar­gui­dos que res­pon­dem em li­ber­da­de pro­vi­só­ria, que, en­tre ou­tras ale­ga­das mor­do­mi­as,

“pa­gou o va­lor de 700 mil kwan­zas da casa em que Christian vi­via, bem co­mo, du­ran­te es­se pe­río­do, pa­gou a ren­da, e pas­sou a en­tre­gar-lhe ou­tros va­lo­res mo­ne­tá­ri­os que não fo­ram con­ta­bi­li­za­dos. O ar­gui­do Christian, ale­ga­da­men­te, tam­bém re­ce­bia di­nhei­ro do ar­gui­do Ra­ve­e­roj Ri­cht­cho­ne­a­nan, que ser­vi­ria para fa­ci­li­tar os en­con­tros des­te com as au­to­ri­da­des an­go­la­nas”, des­cre­ve o pro­cu­ra­dor jun­to à Câ­ma­ra Cri­mi­nal do Tribunal Su­pre­mo. Além dis­so, en­quan­to tra­ba­lhou para a em­pre­sá­ria Ce­les­te de Bri­to, Christian par­ti­ci­pou em to­das as ac­ti­vi­da­des re­a­li­za­das en­tre ela e os re­fe­ri­dos ci­da­dãos es­tran­gei­ros. Apro­vei­tou-se dos contactos que pos­suía e in­ter­pe­lou o di­rec­tor do Ser­vi­ço de Mi­gra­ção e Es­tran­gei­ro, co­mis­sá­rio-che­fe Gil Fa­mo­so da Sil­va, a fim de ob­ter vis­tos de tra­ba­lho para os ar­gui­dos, mes­mo não reu­nin­do os re­qui­si­tos ne­ces­sá­ri­os, ten­do-os pos­te­ri­or­men­te le­va­do a uma au­di­ên­cia nes­sa ins­ti­tui­ção. So­bre es­te mes­mo as­sun­to, se­gun­do a acu­sa­ção, con­tac­tou o en­tão presidente do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da ex­tin­ta Agên­cia para a Pro­mo­ção de In­ves­ti­men­to de Ex­por­ta­ções de An­go­la (APIEX), Be­lar­mi­no Van-Dú­nem, que anuiu ao seu pe­di­do e tam­bém os re­ce­beu em au­di­ên­cia. “Foi igual­men­te por in­ter­mé­dio do ar­gui­do Christian de Le­mos que o en­tão co­man­dan­te-ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, Al­fre­do Min­gas “Pan­da”, to­mou co­nhe­ci­men­to da exis­tên­cia dos tai­lan­de­ses no dia 11 De­zem­bro”, diz a acu­sa­ção. Ou­tro ofi­ci­al da Po­lí­cia que tam­bém man­te­ve con­tac­to com os tai­lan­de­ses por in­ter­mé­dio do sub-che­fe Christian foi o co­mis­sá­rio-che­fe Jo­sé Al­fre­do Chin­gan­go, que, à se­me­lhan­ça de Pan­da, foi ar­ro­la­do ao pro­ces­so co­mo de­cla­ran­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.