TO­DOS (MAIS OU ME­NOS) JUN­TOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

No âm­bi­to do Dia In­ter­na­ci­o­nal para a Eli­mi­na­ção da Vi­o­lên­cia Con­tra as Mulheres de 2017, uma mar­cha jun­tou na ca­pi­tal an­go­la­na homens e mulheres de di­fe­ren­tes ori­gens, des­de as tra­di­ci­o­nais zun­guei­ras a po­lí­ti­cos e ac­ti­vis­tas cí­vi­cos. “Mu­lher não é um sa­co de pan­ca­da”, “Ma­ter­ni­da­de não é um ma­ta­dou­ro”, ou “Qu­e­ro ser res­pei­ta­da” fo­ram al­gu­mas pa­la­vras de or­dem dos ma­ni­fes­tan­tes, que re­pu­di­a­ram a vi­o­lên­cia e a con­se­quen­te “de­sa­gre­ga­ção de fa­mí­li­as”. Sob o le­ma “Pa­rem de ma­tar as mulheres”, a mar­cha or­ga­ni­za­da pe­lo co­lec­ti­vo “Ond­jan­go Fe­mi­nis­ta”, con­tro­la­da de per­to pe­los efec­ti­vos da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, per­cor­reu al­gu­mas ru­as da ca­pi­tal e ter­mi­nou no Lar­go das He­roí­nas, no cen­tro de Lu­an­da, com dis­cur­sos e tes­te­mu­nhos de ca­sos de vi­o­lên­cia. A ac­ti­vis­ta Ce­sal­ti­na Cu­taia, uma das co­or­de­na­do­ras do “Ond­jan­go Fe­mi­nis­ta” (co­lec­ti­vo au­tó­no­mo de ac­ti­vis­mo e edu- ca­ção em prol dos di­rei­tos das mulheres an­go­la­nas), sa­li­en­tou os “ín­di­ces ele­va­dos de vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher” que o país re­gis­ta. “Ape­sar de nós não ter­mos es­ta­tís­ti­cas com­ple­tas e sis­te­má­ti­cas, os nú­me­ros que nos che­gam são mui­to gran­des. Só no ano pas­sa­do (2016) a mé­dia de ca­sos de vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher foi de 170 por dia e vá­ri­os ca­sos – às cen­te­nas – de vi­o­lên­cia se­xu­al, que fo­ram aten­di­dos no Hos­pi­tal Es­pe­ran­ça”, dis­se. Ce­sal­ti­na Cu­taia de­mons­trou pre­o­cu­pa­ção com a “cres­cen­te on­da de vi­o­lên­cia”, agra­va­da nos úl­ti­mos me­ses em Lu­an­da e não só, “so­bre­tu­do no âm­bi­to da cri­mi­na­li­da­de que é se­gui­da de rap­to, vi­o­la­ções e es­pan­ca­men­tos e que cul­mi­na em mor­te”. “Por­que a si­tu­a­ção é pre­o­cu­pan­te, é re­vol­tan­te e in­dig­no. E co­mo mulheres não nos sen­ti­mos se­gu­ras, daí que es­te­ja­mos aqui a mar­char para di­zer ‘che­ga’ a to­das as for­mas de vi­o­lên­cia que as mulheres so­frem”, sus­ten­tou. Tes­te­mu­nhos de mulheres ví­ti­mas de di­fe­ren­tes ti­pos de vi­o­lên­cia tam­bém fo­ram apre­sen­ta­dos, in­cluin­do os de zun­guei­ras. E vi­o­lên­cia por par­te de quem? A ven­de­do­ra am­bu­lan­te Ana Eli­sa­beth dis­se que es­te gru­po é al­vo de vi­o­lên­cia diá­ria pe­los agen- tes da fis­ca­li­za­ção, de­vi­do à sua ac­ti­vi­da­de. “Além dos fis­cais, os po­li­ci­ais têm ti­do um com­por­ta­men­to de­sa­jus­ta­do. Ba­tem nas se­nho­ras e fa­zem dis­pa­ros no ar, dão-nos cor­ri­da ao pon­to de as se­nho­ras, mui­tas de­las, se­rem atro­pe­la­das”, afir­mou. A ven­de­do­ra am­bu­lan­te re­cor­dou que es­tas zun­guei­ras bus­cam o sus­ten­to para a fa­mí­lia nas ru­as, ape­lan­do às au­to­ri­da­des para cri­a­rem “lo­cais apro­pri­a­dos para a ven­da dos res­pec­ti­vos ne­gó­ci­os”. Fe­li­ci­a­na Abel, de 20 anos, apro­vei­tou o pro­tes­to para de­nun­ci­ar ter si­do ví­ti­ma de es­pan­ca­men­to por des­co­nhe­ci­dos, que a dei­xa­ram em co­ma du­ran­te um mês. “Era um des­co­nhe­ci­do. Rap­tou-me, es­ta­va ar­ma­do e na­que­le mo­men­to eu pen­sei que a mi­nha vi­da ati­nha aca­ba­do. Co­me­çou a ras­gar a mi­nha rou­pa, a lu­tar co­mi­go, ba­teu-me tan­to que fi­quei um mês em co­ma, le­vei uma sur­ra tre­men­da e fi­quei com­ple­ta­men­te des­ca­rac­te­ri­za­da”, re­cor­dou. Jo­vem ar­tis­ta, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo “Me­du­za”, Fe­li­ci­a­na Abel ex­pli­cou que dei­xou de can­tar de­vi­do ao trau­ma que ain­da car­re­ga, pe­din­do jus­ti­ça para o seu ca­so, até por­que, re­fe­riu, o agres­sor con­ti­nua li­vre. “Eu sou mu­lher, qu­e­ro a mi­nha li­ber­da­de, qu­e­ro jus­ti­ça e qu­e­ro que a po­lí­cia en­con­tre o ho­mem que fez is­so co­mi­go. So­mos li­vres, so­mos mulheres, te­mos os nos­sos di­rei­tos”, exor­tou. A or­ga­ni­za­ção “Ond­jan­do Fe­mi­nis­ta” de­fen­de que o com­ba­te à vi­o­lên­cia con­tra as mulheres re­quer a adop­ção de ac­ções e es­tra­té­gi­as co­or­de­na­das por par­te do Es­ta­do e dos seus ór­gãos, in­cluin­do “leis que efec­ti­va­men­te pro­te­jam as mulheres em to­dos os es­pa­ços em que elas se en­con­tram”. Da­dos de 2015 da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das apon­tam para que 35% das mulheres em to­do o mun­do te­nham si­do al­vo de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca ou se­xu­al em al­gum mo­men­to das su­as vi­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.