A POSIÇÃO DA UNESCO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Eis a men­sa­gem de Au­drey Azou­lay, di­rec­to­ra-ge­ral da UNESCO, por oca­sião do Dia In­ter­na­ci­o­nal para a Eli­mi­na­ção da Vi­o­lên­cia Con­tra as Mulheres: “Não dei­xar nin­guém para trás: aca­bar com a vi­o­lên­cia con­tra mulheres e me­ni­nas. Em 25 de No­vem­bro de 1960, três ir­mãs da fa­mí­lia Mi­ra­bel fo­ram bru­tal­men­te as­sas­si­na­das na Re­pú­bli­ca Do­mi­ni­ca­na por ra­zão do seu ac­ti­vis­mo con­tra a di­ta­du­ra. Es­se foi o dia es­co­lhi­do pe­las Na­ções Uni­das para o mun­do se opor à vi­o­lên­cia con­tra as mulheres. O mun­do mu­dou des­de 1960, mas es­sa vi­o­la­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos e da dig­ni­da­de con­ti­nua, ain­da ho­je, a as­so­lar as vi­das de me­ni­nas e mulheres ao re­dor do mun­do. Ne­nhum país es­tá isen­to, ne­nhu­ma so­ci­e­da­de es­tá imu­ne. De acor­do com a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de, uma em ca­da três mulheres so­fre­ram vi­o­lên­cia fí­si­ca ou se­xu­al du­ran­te su­as vi­das, ge­ral­men­te dos seus par­cei­ros homens. Is­so ge­ra pro­fun­das fe­ri­das fí­si­cas e psi­co­ló­gi­cas. Vi­o­la a saú­de, a dig­ni­da­de, a se­gu­ran­ça e a au­to­no­mia de su­as ví­ti­mas, além de en­fra­que­cer a es­tru­tu­ra da so­ci­e­da­de, lan­çan­do uma som­bra so­bre o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel e in­clu­si­vo. E, pi­or, me­ni­nas e mulheres são dei­xa­das sem re­cur­so ou sem jus­ti­ça, for­ca­das a con­ti­nu­a­rem as su­as vi­das sob ame­a­ça, ge­ral­men­te, la­do a la­do com seus al­go­zes, en­quan­to es­tes des­fru­tam da im­pu­ni­da­de. Is­so não po­de con­ti­nu­ar. Ne­nhu­ma pes­soa, co­mu­ni­da­de ou so­ci­e­da­de, ho­je, de­ve acei­tar tal vi­o­lên­cia. Pre­ci­sa­mos rom­per o si­lên­cio e de­nun­ci­ar. De­ve­mos pa­rar de ver as mulheres co­mo ví­ti­mas, para em­po­de­rá-las co­mo for­ças de mu­dan­ça em su­as vi­das e co­mu­ni­da­des. De­ve­mos co­me­çar o quan­to an­tes, com as me­ni­nas, ain­da nas car­tei­ras das es­co­las. É as­sim que a UNESCO vem ac­tu­an­do. A UNESCO tem fei­to da edu­ca­ção das ra­pa­ri­gas uma pri­o­ri­da­de em to­do o mun­do. Jun­ta­men­te com a UN Wo­men and the Glo­bal Wor­king Group to End Scho­ol-re­la­ted Gen­der-ba­sed Vi­o­len­ce (ONU Mulheres e o Gru­po de Tra­ba­lho Glo­bal para Aca­bar com a Vi­o­lên­cia Ba­se­a­da em Gé­ne­ro na Es­co­la), a UNESCO co­mis­si­o­nou a Glo­bal Gui­dan­ce (Ori­en­ta­ção Glo­bal) para aju­dar os mi­nis­tros e agen­tes li­ga­dos à edu­ca­ção a me­lhor en­ten­de­rem o de­sa­fio des­sa vi­o­lên­cia e iden­ti­fi­car ma­nei­ras de pre­ve­nir e res­pon­der efec­ti­va­men­te a is­so. A UNESCO es­tá a tra­ba­lhar para apoi­ar me­ni­nos e homens com ha­bi­li­da­des e opor­tu­ni­da­des para par­ti­ci­pa­rem na lu­ta con­tra a vi­o­lên­cia ba­se­a­da no gé­ne­ro e dis­cri­mi­na­ção. Para en­fren­tar os es­te­reó­ti­pos, a ini­ci­a­ti­va da UNESCO Wo­men Ma­ke the News (As Mulheres Fa­zem No­tí­cia) es­tá a pro­mo­ver a igual­da­de de gé­ne­ro. A nos­sa posição é cla­ra. Vi­o­lên­cia não ape­nas fe­re as mulheres, mas en­fra­que­ce a so­ci­e­da­de co­mo um to­do. Num tem­po em que to­dos os paí­ses es­tão bus­can­do no­vos re­cur­sos de cri­a­ti­vi­da­de e di­na­mis­mo, nin­guém po­de ser dei­xa­do para trás, ne­nhu­ma so­ci­e­da­de po­de per­mi­tir a dis­cri­mi­na­ção con­tra me­ta­de de sua po­pu­la­ção, me­ta­de de sua ima­gi­na­ção, me­ta­de de sua en­ge­nho­si­da­de. Os di­rei­tos e a dig­ni­da­de de me­ni­nas e mulheres são fun­da­men­tos para um fu­tu­ro me­lhor para to­dos. É por is­so que de­ve­mos eli­mi­nar to­da a vi­o­lên­cia con­tra as mulheres.”

DI­REC­TO­RA-GE­RAL DA UNESCO , AU­DREY AZOU­LAY,

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.