CHINA, CHINA, CHINA

Ao fim de 35 anos, Cui Ai­min afir­ma que as re­la­ções si­no-an­go­la­nas es­tão “no me­lhor ní­vel na his­tó­ria”, sen­do “um exem­plo da co­o­pe­ra­ção de be­ne­fí­ci­os mú­tu­os e de­sen­vol­vi­men­to co­mum en­tre a China e os paí­ses afri­ca­nos”.

Folha 8 - - DESTAQUE -

Num ar­ti­go de opi­nião pu­bli­ca­do no dia 10 de Ja­nei­ro des­te ano no Jor­nal de An­go­la, in­ti­tu­la­do “Ini­ci­ar Nova Jor­na­da na Par­ce­ria Es­tra­té­gi­ca en­tre a China e An­go­la”, o embaixador chi­nês em Lu­an­da, Cui Ai­min, re­cor­da­va os 35 anos das re­la­ções en­tre os dois paí­ses, que dis­pa­ra­ram, em ter­mos eco­nó­mi­cos, após o fim da guerra ci­vil, em 2002. Os em­prés­ti­mos chi­ne­ses, ex­pli­ca­va o di­plo­ma­ta, des­ti­na­ram-se “à cons­tru­ção de inú­me­ras obras de in­fra-es­tru­tu­ra co­mo cen­trais de ener­gia, es­tra­das, pon­tes, hos­pi­tais e ca­sas, in­cen­ti­van­do o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e a me­lho­ria da vi­da do po­vo de An­go­la”. “Os re­sul­ta­dos da co­o­pe­ra­ção prag­má­ti­ca en­tre a China e An­go­la são fru­tí­fe­ros. Ac­tu­al­men­te, a China é o mai­or par­cei­ro comercial de An­go­la, en­quan­to An­go­la é o se­gun­do mai­or par­cei­ro comercial, o mai­or for­ne­ce­dor dos pe­tró­le­os da China em Áfri­ca, um dos mai­o­res mer­ca­dos ul­tra­ma­ri­nos de obras em­prei­ta­das”, as­su­me o embaixador chi­nês. No mes­mo ar­ti­go de opi­nião, o embaixador chi­nês re­cor­da que no fi­nal de 2016 foi re­a­li­za­do em Lu­an­da o Fó­rum de In­ves­ti­men­to China-An­go­la, que re­sul­tou na ce­le­bra­ção de 48 acor­dos de in­ten­ção de in­ves­ti­men­to, no va­lor to­tal de 1.200 mi­lhões de dó­la­res (1.000 mi­lhões de eu­ros). “Têm-se aper­fei­ço­a­do tam­bém os me­ca­nis­mos de co­o­pe­ra­ção, in­clu­si­ve, a Co­mis­são Ori­en­ta­do­ra da Co­o­pe­ra­ção Eco­nó­mi­ca e Comercial en­tre a China e An­go­la. Com a fi­na­li­da­de de apoi­ar a ca­pa­ci­ta­ção de qua­dros an­go­la­nos, a par­te chi­ne­sa for­ne­ceu a for­ma­ção a mais de 2.500 fun­ci­o­ná­ri­os an­go­la­nos em di­ver­sas áre­as, as­sim co­mo 300 bol­sas de es­tu­do”, en­fa­ti­za o di­plo­ma­ta. A China en­vi­ou ain­da, des­de 2009, qua­tro equi­pas mé­di­cas, com­pos­tas por mais de 60 mé­di­cos, que fi­ze­ram 200 mil con­sul­tas grá­tis para ci­da­dãos an­go­la­nos no Hos­pi­tal Ge­ral de Lu­an­da. Es­te hos­pi­tal, acres­cen­tou, foi “do­a­do pe­lo Go­ver­no chi­nês e ain­da é a me­lhor uni­da­de sa­ni­tá­ria in­te­gra­da em An­go­la até ao mo­men­to”. Ao fim de 35 anos, Cui Ai­min afir­ma que as re­la­ções si­no-an­go­la­nas es­tão “no me­lhor ní­vel na his­tó­ria”, sen­do “um exem­plo da co­o­pe­ra­ção de be­ne­fí­ci­os mú­tu­os e de­sen­vol­vi­men­to co­mum en­tre a China e os paí­ses afri­ca­nos”. “As re­la­ções po­lí­ti­cas en­tre a China e An­go­la vêm-se in­ten­si­fi­can­do. As du­as par­tes sempre man­ti­ve­ram, de vi­são es­tra­té­gi­ca e de lon­go pra­zo, o ru­mo cer­to no de­sen­vol­vi­men­to das re­la­ções si­no-an­go­la­nas, re­for­çan­do a con­fi­an­ça po­lí­ti­ca mú­tua, apoi­an­do-se uma à ou­tra na es­co­lha do ca­mi­nho de de­sen­vol­vi­men­to, de for- ma au­to-de­ter­mi­nan­te, e que cor­res­pon­de às pró­pri­as re­a­li­da­des, com­pre­en­den­do e apoi­an­do-se re­ci­pro­ca­men­te nas ques­tões dos res­pec­ti­vos in­te­res­ses nu­cle­a­res e gran­des pre­o­cu­pa­ções”, en­fa­ti­zou. En­tre as na­ções afri­ca­nas mais be­ne­fi­ci­a­das pe­los em­prés­ti­mos chi­ne­ses sur­gem ain­da o Su­dão, Ga­na e Etió­pia. A mai­o­ria dos prin­ci­pais re­cep­to­res são paí­ses ri­cos em re­cur­sos na­tu­rais – in­cluin­do pe­tró­leo, di­a­man­tes e ou­ro – e mui­ta da aju­da chi­ne­sa ser­ve para tor­nar es­sa ri­que­za aces­sí­vel para ex­por­tarPaís mais po­pu­lo­so do mun­do, com cer­ca de 1.379 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, a China re­gis­tou nas úl­ti­mas três dé­ca­das

um rit­mo mé­dio de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co de 10% ao ano, trans­for­man­do-se no mai­or con­su­mi­dor de qua­se to­do o ti­po de ma­té­ri­as-pri­mas. A China Aid re­ve­la ain­da que mui­to do di­nhei­ro chi­nês é in­ves­ti­do nas ci­da­des de ori­gem dos che­fes de Es­ta­do dos res­pec­ti­vos paí­ses, ou em re­giões ha­bi­ta­das pe­lo gru­po ét­ni­co do lí­der po­lí­ti­co. Ain­da as­sim, re­jei­ta que Pe­quim te­nha uma estratégia fo­ca­da em ti­rar par­ti­do do cli­en­te­lis­mo po­lí­ti­co no con­ti­nen­te, atri­buin­do aque­la ten­dên­cia à com­pe­ti­ção por in­fluên­cia en­tre di­fe­ren­tes agen­tes do Go­ver­no chi­nês. Cri­a­da em 1912, o Ban­co da China fun­ci­o­nou até 1949 co­mo ban­co cen­tral chi­nês. Após vá­ri­as trans­for­ma­ções, ain­da nas mãos do Es­ta­do mas já co­mo ban­co comercial, tem vin­do a con­cen­trar aten­ções no apoio às em­pre­sas e co­mu­ni­da­des chi­ne­sas fo­ra do país, com des­ta­que para as eco­no­mi­as emer­gen­tes. Re­cor­de-se que a Eco­no­mist In­tel­li­gen­ce Unit (EIU) con­si­de­ra que o apro­fun­da­men­to das re­la­ções eco­nó­mi­cas en­tre An­go­la e China é mu­tu­a­men­te po­si­ti­va, mas é di­fi­cul­ta­da pe­los al­tos cus­tos de fa­zer ne­gó­ci­os e pe­lo abran­da­men­to chi­nês. “Am­bos os paí­ses gos­tam de fa­lar mui­to da sua re­la­ção mu­tu­a­men­te van­ta­jo­sa, e am­bos cer­ta­men­te têm al­go a ga­nhar se avan­ça­rem para além do tra­di­ci­o­nal mo­de­lo de crédito es­ta­tal, mas es­tas bo­as in­ten­ções de­vem pri­mei­ro su­pe­rar as di­fi­cul­da­des e os al­tos cus­tos de fa­zer ne­gó­ci­os em An­go­la, e po­dem ser abran­da­das pe­lo pró­prio abran­da­men­to eco­nó­mi­co da China”, es­cre­ve a EIU. “An­go­la es­tá a apro­fun­dar a sua re­la­ção eco­nó­mi­ca com a China, es­pe­ran­do ir além do tra­di­ci­o­nal mo­de­lo es­ta­tal de li­nhas de crédito pa­gas em pe­tró­leo, para uma abor­da­gem mais di­ver­si­fi­ca­da e li­de­ra­da pe­lo sec­tor pri­va­do”, es­cre­vem os ana­lis­tas da EIU nu­ma no­ta en­vi­a­da aos in­ves­ti­do­res. “O in­ves­ti­men­to pri­va­do es­tran­gei­ro é ur­gen­te­men­te ne­ces­sá­rio em An­go­la, a lu­tar con­tra os pre­ços bai­xos do pe­tró­leo, a sua mai­or ex­por­ta­ção e fon­te de re­cei­tas”, es­cre­ve a EIU, acres­cen­tan­do que “as em­pre­sas chi­ne­sas têm a ca­pa­ci­da­de de for­ne­cer di­nhei­ro e ‘know-how’ para aju­dar o país a de­sen­vol­ver sec­to­res não pe­tro­lí­fe­ros, co­mo a agri­cul­tu­ra e a ma­nu­fac­tu­ra­ção, e cri­ar os tão ne­ces­sá­ri­os em­pre­gos”. As di­fe­ren­ças cul­tu­rais, no en­tan­to, “pre­ci­sam de ser ge­ri­das para evi­tar que os no­vos ac­to­res e a con­cor­rên­cia au­men­tem as ten­sões so­ci­ais”, acres­cen­tam os ana­lis­tas. Ape­sar de o sis­te­ma de pa­gar em pe­tró­leo os em­prés­ti­mos chi­ne­ses que são usa­dos na re­cons­tru­ção do país ter re­sul­ta­do bem para An­go­la, o mo­de­lo es­tá a tor­nar-se mais di­fí­cil para o país. “Com os pre­ços do pe­tró­leo for­te­men­te pres­si­o­na­dos, o vo­lu­me de cru­de que An­go­la tem de en­vi­ar para a China para cum­prir as obri­ga­ções fi­nan­cei­ras cres­ceu con­si­de­ra­vel­men­te”, es­cre­ve a EIU, con­cluin­do que “is­to sig­ni­fi­ca que An­go­la tem me­nos cru­de para ven­der nou­tros lo­cais, au­men­tan­do as di­fi­cul­da­des de re­cei­ta do Go­ver­no e pro­vo­can­do crí­ti­cas re­no­va­das da opo­si­ção so­bre os con­tor­nos das li­nhas de crédito chi­ne­sas”.

O EMBAIXADOR CHI­NÊS EM LU­AN­DA, CUI AI­MIN

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.