O QUE CON­TA É O RÓTULO

Folha 8 - - DESTAQUE -

OP­re­si­den­te de An­go­la, João Lourenço, cri­ou, por de­cre­to, um gru­po de tra­ba­lho para cri­ar um pla­no para me­lho­rar a ima­gem ins­ti­tu­ci­o­nal do Go­ver­no. Os de­cre­tos Pre­si­den­ci­ais n.º 89/12 e nº 90/12 de 18 de Maio de 2012 ti­nham cri­a­do o GRECIMA (Ga­bi­ne­te de Re­vi­ta­li­za­ção e Exe­cu­ção da Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal e Marketing da Ad­mi­nis­tra­ção). Quan­do não se con­se­gue, ou não se quer, mu­dar os ex­cre­men­tos, a por­ca­ria, a su­ji­da­de (vul­go “mer­da”), o me­lhor mes­mo é mu­dar as mos­cas. É tu­do uma ques­tão es­tra­té­gi­ca de quem, por dé­ca­das de ha­bi­tu­a­ção, já não sa­be a diferença en­tre dor­mir com a Ma­ria Jo­sé ou com o Jo­sé Ma­ria. O Ga­bi­ne­te cri­a­do por Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, en­tão con­si­de­ra­do – mes­mo por João Lourenço – o “es­co­lhi­do de Deus”, ti­nha por mis­são di­na­mi­zar o apoio téc­ni­co ao Presidente da Re­pú­bli­ca na co­or­de­na­ção e im­ple­men­ta­ção das li­nhas po­lí­ti­co-es­tra­té­gi­cas re­la­ti­vas à co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e marketing da Re­pú­bli­ca de An­go­la e do Exe­cu­ti­vo, a ní­vel in­ter­no e ex­ter­no. Foi-lhe da­da au­to­no­mia ad­mi­nis­tra­ti­va, fi­nan­cei­ra e pa­tri­mo­ni­al e de­pen­dia do Presidente da Re­pú­bli­ca.o GRECIMA, no de­sem­pe­nho das fun­ções que lhe fo­ram atri­buí­das, de­sen­vol­via vá­ri­as ini­ci­a­ti­vas e pro­gra­mas des­ti­na­dos a sa­li­en­tar e di­fun­dir a nova An­go­la (do MPLA, mais pro­pri­a­men­te di­to) em paz e em de­sen­vol­vi­men­to, que dei­xa­va no pas­sa­do dé­ca­das de con­fli­to e avan­ça, con­fi­an­te para um fu­tu­ro de pros­pe­ri­da­de par­ti­lha­da e de­sen­vol­vi­men­to par­ti­ci­pa­do. Ac­ti­vi­da­des de for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção eram – di­zi­am – pla­ne­a­das para en­vol­ve­rem a so­ci­e­da­de ci­vil e en­ga­ja­rem os an­go­la­nos. Es­te pro­gra­ma, ci­ta­mos o si­te do or­ga­nis­mo, vi­sa­va pro­mo­ver a edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca, pe­la va­lo­ri­za­ção dos Sím­bo­los Na­ci­o­nais e pe­la pro­mo­ção das fi­gu­ras his­tó­ri­cas da lu­ta de re­sis­tên­cia an­ti­co­lo­ni­al e de li­ber­ta­ção na­ci­o­nal, bem co­mo, do pro­ces­so de de­mo­cra­ti­za­ção e con­so­li­da­ção do Es­ta­do de­mo­crá­ti­co de di­rei­to. Pro­mo­via, ain­da, a co­e­são so­ci­al le­van­do jun­to das po­pu­la­ções in­for­ma­ção e mei­os edu­ca­ti­vos nas áre­as da saú­de, jus­ti­ça, edu­ca­ção cí­vi­ca e pa­trió­ti­ca, edu­ca­ção ro­do­viá­ria, em­pre­go, li­te­ra­tu­ra, mi­cro­cré­di­to, in­te­gra­ção so­ci­al, ha­bi­ta­ção, in­fra-es­tru­tu­ras, sa- ne­a­men­to bá­si­co, re­des de águas e ou­tros pro­jec­tos so­ci­ais. Ou­tro ob­jec­ti­vo con­sis­tia em im­pul­si­o­nar, na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal­men­te, o or­gu­lho pe­la na­ci­o­na­li­da­de An­go­la­na. Pro­mo­ver os sec­to­res da cul­tu­ra, as ar­tes, a gas­tro­no­mia, li­te­ra­tu­ra, des­por­to, ar­tes, mú­si­ca, mo­da, fo­to­gra­fia, ge­o­gra­fia, ino­va­ção. Pro­mo­ver a pro­du­ção, o con­su­mo e o em­pre­en­di­men­to na­ci­o­nal. Pro­mo­ver no ex­te­ri­or o or­gu­lho na­ci­o­nal jun­to das co­mu­ni­da­des e jun­to dos prin­ci­pais fó­runs de opi­nião do mun­do. Fi­nal­men­te, “Amo An­go­la” pre­ten­de pro­mo­ver a com­pi­la­ção, edi­ção e di­vul­ga­ção de ma­te­ri­ais me­diá­ti­cos so­bre o que de me­lhor se tem e se cria no País. Esta ini­ci­a­ti­va de­sen­vol­via-se em três fren­tes, vi­san­do di­vul­gar, no país e no mun­do, a li­te­ra­tu­ra, gas­tro­no­mia e ar­te­sa­na­to an­go­la­nos. A in­ter­ven­ção da ini­ci­a­ti­va “An­go­la Cria” na área da li­te­ra­tu­ra ti­nha co­mo ob­jec­ti­vo ce­le­brar e pro­mo­ver os es­cri­to­res na­ci­o­nais, a lín­gua por­tu­gue­sa e a li­te­ra­tu­ra An­go­la­na, no in­te­ri­or e no ex­te­ri­or do País. In­cen­ti­vo à par­ti­ci­pa­ção de to­dos os An­go­la­nos no le­van­ta­men­to da sua cul­tu­ra im­buí­da de sa­bo­res úni­cos, que as­sim te­rão opor­tu­ni­da­de de a mos­trar ao mun­do, pro­mo­ven­do-a aos olhos da na­ção e do ex­te­ri­or. Pre­ten­dia tam­bém, di­zia-se, con­tri­buir para o es­tí­mu­lo da cri­a­ti­vi­da­de dos ar­te­sãos na­ci­o­nais e para o seu de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e pro­jec­ção in­ter­na­ci­o­nal. Ti­nha ain­da co­mo ob­jec­ti­vo aju­dar a pre­ser­var uma das he­ran­ças cul­tu­rais com mai­or pre­sen­ça tan­to no in­te­ri­or co­mo no ex­te­ri­or do País. Os pro­gra­mas te­le­vi­si­vos de qua­li­da­de eram ou­tra for­ma de in­ter­ven­ção jun­to da so­ci­e­da­de an­go­la­na, mo­bi­li­zan­do-a para par­ti­ci­par na cons­tru­ção do seu fu­tu­ro e or­gu­lhar-se do seu país. “An­go­la Ma­ga­zi­ne”, era di­fun­di­do às se­gun­das-fei­ras, após Te­le­jor­nal na TPA 1. Des­ta­ca­va, atra­vés de uma abor­da­gem mais pro­fun­da do que o per­mi­ti­do pe­los no­ti­ciá­ri­os diá­ri­os, acon­te­ci­men­tos re­cen­tes de im­por­tân­cia po­lí­ti­ca, eco­nó­mi­ca, so­ci­al e cul­tu­ral. “Gen­te da Ban­da”, no ar à ter­ça-fei­ra, após o Te­le­jor­nal na TPA 1, tra­ria à ban­da os an­go­la­nos que vi­vem e hon­ram o seu país… nou­tros paí­ses. Eram cró­ni­cas de vi­das an­go­la­nas na Eu­ro­pa, Amé­ri­ca do Nor­te e do Sul e nou­tros paí­ses afri­ca­nos. “Ven­ce­do­res”, tra­ria à an­te­na da TPA 1, quin­ta-fei­ra de­pois do Te­le­jor­nal, a his­tó­ria de um an­go­la­no ou an­go­la­na de su­ces­so que, con­tra tu­do e con­tra to­dos se afir­mou no mun­do em­pre­sa­ri­al atra­vés do tra­ba­lho ár­duo, dig­no e in­can­sá­vel. “Amar An­go­la”, trans­mi­ti­do à sex­ta-fei­ra, de­pois do te­le­jor­nal da TPA 1, re­ve­la­ria a his­tó­ria de um es­tran­gei­ro que ama tan­to An­go­la que… nun­ca mais se foi em­bo­ra. Fos­se uma ca­be­lei­rei­ra por­tu­gue­sa, um di­plo­ma­ta cu­ba­no ou um en­ge­nhei­ro sul-afri­ca­no, to­dos têm em co­mum um amor por esta ter­ra a que de­ci­di­ram cha­mar o seu no­vo lar. O GRECIMA pro­mo­via, tam­bém, ac­ções de for­ma­ção des­ti­na­das a con­tri­buir para uma mai­or efi­cá­cia na co­mu­ni­ca­ção com a opi­nião pú­bli­ca in­ter­na e ex­ter­na.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.