DIALOGAR EM MONÓLOGO

Folha 8 - - DESTAQUE -

Em Abril de 2016 o país fi­cou fe­liz. Fi­cou a sa­ber-se que o Go­ver­no de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos iria pas­sar a re­a­li­zar ‘bri­e­fings’ se­ma­nais com os jor­na­lis­tas, em Lu­an­da, in­ten­ção anun­ci­a­da no dia 6, e que vi­sa­va ul­tra­pas­sar o “dé­fi­ce” de in­for­ma­ção do exe­cu­ti­vo. Ape­sar de ser um uma ini­ci­a­ti­va do Go­ver­no, o anún­cio foi fei­to pe­lo se­cre­tá­rio do Presidente da Re­pú­bli­ca (pois, são uma e a mes­ma coi­sa) para os as­sun­tos da co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e im­pren­sa, Manuel Ra­be­lais, num en­con­tro de tra­ba­lho com os jor­na­lis­tas, em Lu­an­da, pers­pec­ti­van­do o iní­cio des­tes en­con­tros, que evol­ve­ri­am mi­nis­tros e ou­tros mem­bros do Go­ver­no. Os ‘bri­e­fings’ se­ma­nais com a co­mu­ni­ca­ção so­ci­al ti­nham co­mo ob­jec­ti­vo, ex­pli­cou o tam­bém di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Re­vi­ta­li­za­ção e Exe­cu­ção da Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal e Marketing da Ad­mi­nis­tra­ção (GRECIMA), pas­sar por uma re­la­ção “mais pro­fis­si­o­nal” com os jor­na­lis­tas, que ha­bi­tu­al­men­te se quei­xam das li­mi­ta­ções no aces­so às fon­tes e da­dos do exe­cu­ti­vo. “Pre­ten­de­mos ul­tra­pas­sar o gran­de dé­fi­ce de in­for­ma­ção do Go­ver­no”, ad­mi­tiu Manuel Ra­be­lais, du­ran­te es­te en­con­tro com os jor­na­lis­tas acre­di­ta­dos em Lu­an­da. Em Ja­nei­ro fi­ca­ra-se a sa­ber que, afi­nal, a co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e de im­pren­sa de to­dos os mi­nis­té­ri­os e go­ver­nos pro­vin­ci­ais de An­go­la iria pas­sar a ser co­or­de­na­da pe­lo Ga­bi­ne­te de Co­mu­ni­ca­ção Ins­ti­tu­ci­o­nal e Im­pren­sa (GCII), único, cri­a­do por de­cre­to pre­si­den­ci­al de 29 de De­zem­bro de 2015. Se­gun­do o documento, que sur­giu na sequên­cia da estratégia de co­mu­ni­ca­ção do Exe­cu­ti­vo, além de con­cen­trar a ac­ti­vi­da­de, es­te ga­bi­ne­te iria in­cor­po­rar os pro­fis­si­o­nais ao ser­vi­ço dos ga­bi­ne­tes de im­pren­sa dos vá­ri­os ór­gãos e de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais, im­pe­din­do o de­sem­pe­nho da ac­ti­vi­da­de de as­ses­so­ria por jor­na­lis­tas, uma prá­ti­ca ha­bi­tu­al em An­go­la. “Aos qua­dros que in­te­gram o GCII é ve­da­do em ab­so­lu­to o exer­cí­cio da pro­fis­são de jor­na­lis­ta, bem co­mo ac­ti­vi­da­de de free lan­cer, ana­lis­ta de pro­gra­mas, emis­sor par­ti­cu­lar de opi­niões, co­la­bo­ra­ção ou par­ti­ci­pa­ção co­mo efec­ti­vo de qual­quer de­ba­te e tra­ta­men­to de ma­té­ri­as jor­na­lís­ti­cas (…)”, lia-se no mes­mo de­cre­to, as­si­na­do pe­lo Presidente Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. A cri­a­ção do GCII, in­cor­po­ran­do to­dos os ga­bi­ne­tes de im­pren­sa dos ór­gãos pú­bli­cos, sur­giu pe­la “ne­ces­si­da­de de se re­for­çar a di­vul­ga­ção das ac­ções dos ór­gãos e ser­vi­ços da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca do Es­ta­do, atra­vés de in­for­ma­ção es­pe­ci­a­li­za­da”. “Ha­ven­do ne­ces­si­da­de de se cri­ar um ser­vi­ço de es­pe­ci­a­li­da­de em co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e im­pren­sa nos de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais, go­ver­nos pro­vin­ci­ais e de­mais ser­vi­ços da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca”, re- fe­ria ain­da o documento. O no­vo ga­bi­ne­te te­ria co­mo fun­ções apoi­ar os de­par­ta­men­tos mi­nis­te­ri­ais e go­ver­nos pro­vin­ci­ais nas áre­as de co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e im­pren­sa e na ela­bo­ra­ção dos pla­nos de co­mu­ni­ca­ção “em con­so­nân­cia com as di­rec­ti­vas es­tra­té­gi­cas ema­na­das pe­lo Mi­nis­té­rio da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al e o GRECIMA”. Apre­sen­tar “pla­nos de ges­tão de cri­se”, ela­bo­rar dis­cur­sos e men­sa­gens para os ti­tu­la­res dos res­pec­ti­vos ór­gãos, or­ga­ni­zar even­tos ins­ti­tu­ci­o­nais ou de­sen­vol­ver cam­pa­nhas de pu­bli­ci­da­de são, en­tre ou­tras, res­pon­sa­bi­li­da­de do no­vo GCII, tu­te­la­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al e su­per­vi­si­o­na­do pe­lo GRECIMA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.