O PERITO MANUEL RA­BE­LAIS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Em Ou­tu­bro de 2008, o en­tão mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Manuel Ra­be­lais, rei­te­rou na ci­da­de do Uí­ge o ape­lo aos pro­fis­si­o­nais an­go­la­nos para pra­ti­ca­rem um jor­na­lis­mo ob­jec­ti­vo, sé­rio, isen­to, res­pon­sá­vel e pa­trió­ti­co que res­pei­tas­se as dis­po­si­ções le­gais e os prin­cí­pi­os de­on­to­ló­gi­cos. O me­lhor era pôr um dos mui­tos ge­ne­rais das For­ças Ar­ma­das a dar “Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca” aos jor­na- lis­tas que res­ta­vam (não se in­clu­em nes­ta clas­se pro­fis­si­o­nal os pro­fis­si­o­nais do re­gi­me a tra­ba­lhar nos ór­gãos pú­bli­cos). (Não, não é brin­ca­dei­ra. An­go­la, 43 anos de­pois da in­de­pen­dên­cia, tem uma es­tru­tu­ra mi­li­tar, tal co­mo em qual­quer di­ta­du­ra mar­xis­ta ao es­ti­lo dos Kh­mer Ver­me­lhos de Pol Pot, para a “Edu­ca­ção Pa­trió­ti­ca”) “Es­te con­jun­to de di­plo­mas le­gais e ou­tros ain­da por ela­bo­rar irão con­for­mar as ba­li­zas den­tro das quais o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de jor­na­lís­ti­ca de­ve­rá efec­tu­ar-se de for­ma le­gal, res­pei­tan­do as ou­tras li­ber­da­des e os di­rei­tos de ca­da um”, re­cor­dou en­tão o mi­nis­tro. Is­so em 2008. E re­cor­dou bem. É que al­guns jor­na­lis­tas an­go­la­nos tei­ma­vam e tei­mam em jul­gar que exer­cem a pro­fis­são num Es­ta­do de Di­rei­to De­mo­crá­ti­co. Ora is­so não é ver­da­de. E é pre­ci­so re­cor­dar-lhes o de­ver pa­trió­ti­co que têm em re­la­ção aos do­nos do po­der, o MPLA des­de 1975, e não em re­la­ção ao Po­vo. “Os ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e os jor­na­lis­tas de­vem, no cum­pri­men­to da sua mis­são so­ci­al, con­for­mar a sua ac­ção não só aos prin­cí­pi­os éti­co-de­on­to­ló­gi­cos, co­mo tam­bém ao prin­cí­pio da res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al e pa­trió­ti­co”, fri­sou o en­tão mi­nis­tro. Exac­ta­men­te Manuel Ra­be­lais, de­pois se­cre­tá­rio do Presidente da Re­pú­bli­ca para os as­sun­tos da co­mu­ni­ca­ção ins­ti­tu­ci­o­nal e im­pren­sa. Por­tan­to, ca­ros com­pa­nhei­ros, es­sa coi­sa dos prin­cí­pi­os éti­co-de­on­to­ló­gi­cos é mui­to bo­ni­ta mas es­tá su­bor­di­na­da ao “prin­cí­pio da res­pon­sa­bi­li­da­de so­ci­al e pa­trió­ti­co” o que, tra­du­zin­do, sig­ni­fi­ca res­pei­ti­nho pe­los ma­nu­ais do MPLA.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.