MOR­REU KOFI ANNAN

RECORDANDO KOFI ANNAN

Folha 8 - - ACTUALIDADE -

“É com gran­de tris­te­za que a fa­mí­lia Annan e a Fun­da­ção Kofi Annan anun­ci­am que o ex-se­cre­tá­rio-ge­ral das Na­ções Uni­das e ven­ce­dor do pré­mio No­bel da Paz mor­reu pa­ci­fi­ca­men­te no sá­ba­do, 18 de Agos­to, após uma cur­ta do­en­ça”, pu­bli­cou a fun­da­ção do ex-di­plo­ma­ta ga­nês num co­mu­ni­ca­do, di­vul­ga­do pe­la agên­cia de no­tí­ci­as AFP. Kofi Annan, que fez a sua car­rei­ra pro­fis­si­o­nal nas Na­ções Uni­das, cum­priu dois man­da­tos co­mo se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU, en­tre 1 de Ja­nei­ro de 1997 a 31 de De­zem­bro de 2006. No dia 19 de Abril de 2016, Kofi Annan ape­lou aos lí­de­res afri­ca­nos para que aban­do­nas­sem os car­gos no fi­nal dos man­da­tos e para que evi­tem ex­cluir a opo­si­ção nas elei­ções, con­tri­buin­do para di­mi­nuir os con­fli­tos no con­ti­nen­te. O di­plo­ma­ta ga­nês de­fen­deu que, ape­sar de se te­rem re­du­zi­do al­te­ra­ções in­cons­ti­tu­ci­o­nais na go­ver­na­ção no con­ti­nen­te afri­ca­no, po­lí­ti­cas ex­clu­si­vis­tas ame­a­ça­vam re­ver­ter os avan­ços re­gis­ta­dos. “Eu pen­so que Áfri­ca se tem saí­do bem, de uma for­ma ge­ral os gol­pes aca­ba­ram, os ge­ne­rais têm-se man­ti­do nas su­as ca­ser­nas, mas es­ta­mos a cri­ar si­tu­a­ções que po­dem tra­zê-los de vol­ta”, aler­tou o No­bel da Paz de 2001, nu­ma en­tre­vis­ta a pro­pó­si­to do quin­to Fó­rum de Al­to Ní­vel de Ta­na, de­di­ca­do ao te­ma da se­gu­ran­ça em Áfri­ca, que de­cor­reu em Bahir Dar, po­lo tu­rís­ti­co na Etió­pia. “Se um lí­der não quer aban­do­nar o car­go, se per­ma­ne­cer por de­ma­si­a­do tem­po, e se as elei­ções são vis­tas co­mo vi­ci­a­das para fa­vo­re­ce­rem um lí­der e ele se man­ti­ver man­da­to após man­da­to após man­da­to, é pos­sí­vel que a úni­ca for­ma de o re­ti­rar se­ja atra­vés de um gol­pe ou o po­vo sain­do à rua”, con­si­de­rou, em de­cla­ra­ções di­vul­ga­das pe­la Or­ga­ni­za­ção da Im­pren­sa Afri­ca­na. “Ne­nhu­ma abor­da­gem de­ve ser vis­ta co­mo uma al­ter­na­ti­va à de­mo­cra­cia, às elei­ções ou às re­gras par­la­men­ta­res. As cons­ti­tui­ções e as re­gras do jo­go de­vem ser res­pei­ta­das”, avi­sou Kofi Annan, mes­mo sa­ben­do que na­da dis­so é pra­ti­ca­do em mui­tos paí­ses, des­de lo­go e na al­tu­ra pe­lo seu ami­go Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. O an­ti­go se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU dis­se que abor­da­gens to­ta­li­tá­ri­as às elei­ções no con­ti­nen­te re­sul­ta­vam na ex­clu­são de ci­da­dãos opo­si­to­res ao re­gi­me, au­men­tan­do ten­sões em re­dor dos ac­tos elei­to­rais. Kofi Annan re­cor­dou ter si­do o pri­mei­ro a de­fen­der, jun­to da União Afri­ca­na, que não acei­tas­se, no seu seio, lí­de­res que es­ti­ves­sem no po­der gra­ças a gol­pes. O di­plo­ma­ta tam­bém sus­ten­tou que as so­lu­ções para os pro­ble­mas do con­ti­nen­te têm de vir do seu in­te­ri­or. No en­tan­to, o con­ti­nen­te de­ve tra­ba­lhar a sua ca­pa­ci­da­de para tal, in­cluin­do o fi­nan­ci­a­men­to às su­as ins­ti­tui­ções. “Não po­de­mos es­tar sempre de mão estendida e in­sis­tir que que­re­mos ser so­be­ra­nos e in­de­pen­den­tes. De­ve­mos li­de­rar e con-

se­guir o apoio dos ou­tros — es­se apoio apa­re­ce­rá mui­to mais quan­do vi­rem quão sé­ri­os e em­pe­nha­dos nós es­ta­mos”, sa­li­en­tou. Re­cor­dam-se, por exem­plo, do re­la­tó­rio Africa Pro­gress Re­port 2013, ela­bo­ra­do por um gru­po de per­so­na­li­da­des co­or­de­na­da por Kofi Annan e do qual fez par­te Gra­ça Ma­chel? Ne­le se di­zia: “En­quan­to a eli­te an­go­la­na usa o ren­di­men­to do pe­tró­leo para com­prar ac­ti­vos no es­tran­gei­ro, em An­go­la as cri­an­ças pas­sam fo­me”. Há al­guns anos, o en­tão se­cre­tá­rio-ge­ral da ONU de­fen­deu uma te­se que se tor­nou sui­ci­da no ca­so an­go­la­no. Kofi Annan dis­se que os jor­na­lis­tas “de­ve­ri­am ser agen­tes da mu­dan­ça”. Nós ten­ta­mos, nós con­ti­nu­a­mos a ten­tar, o que aliás sempre fi­ze­mos, mu­dar a so­ci­e­da­de para me­lhor. Acon­te­ce que o seu con­cei­to de so­ci­e­da­de me­lhor não é igual ao dos do­nos do rei­no, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos on­tem, João Lourenço ho­je. E a res­pos­ta não se faz es­pe­rar: Jor­na­lis­ta bom é jor­na­lis­ta no de­sem­pre­ga­do ou am­pu­ta­do da co­lu­na ver­te­bral e, por is­so, ta­pe­te do Po­der. An­go­la é o país afri­ca­no de lín­gua por­tu­gue­sa com pi­or clas­si­fi­ca­ção no ín­di­ce de li­ber­da­de de im­pren­sa da Fre­e­dom Hou­se, en­quan­to Ca­bo Ver­de é lí­der na Áfri­ca Sub­sa­ri­a­na, se­gui­do de São To­mé e Prín­ci­pe. O re­la­tó­rio “Li­ber­da­de de Im­pren­sa 2017”, da­que­la or­ga­ni­za­ção com se­de em Washing­ton, nos EUA, mos­tra que en­tre os 50 paí­ses e ter­ri­tó­ri­os in­ves­ti­ga­dos no con­ti­nen­te, An­go­la fi­cou na 37ª posição, com 73 pon­tos nu­ma es­ca­la de 0 (me­lhor) a 100 (pi­or), e no gru­po dos paí­ses não-li­vres em ma­té­ria de li­ber­da­de de ex­pres­são e de im­pren­sa. A ní­vel mun­di­al, An­go­la fi­cou na 159ª posição, num uni­ver­so de 199 paí­ses e ter­ri­tó­ri­os ana­li­sa­dos. Por seu tur­no, Mo­çam­bi­que e Gui­né-bis­sau es­tão no gru­po dos paí­ses par­ci­al­men­te li­vres. O país do Ín­di­co ocu­pa a 13ª posição no con­ti­nen­te e a 96ª a ní­vel mun­di­al, com 48 pon­tos na es­ca­la de 0 (me­lhor) a 100 (pi­or). A Gui­né-Bis­sau sur­ge mais abai­xo no ín­di­ce, no lu­gar 28 em Áfri­ca e 128 a ní­vel glo­bal, com uma pon­tu­a­ção de 59. Ca­bo Ver­de e São To­mé e Prín­ci­pe sur­gem nos dois pri­mei­ros lu­ga­res do ín­di­ce de Áfri­ca, res­pec­ti­va­men­te, e am­bos in­te­gram o gru­po de paí­ses li­vres, tan­to a ní­vel da li­ber­da­de de ex­pres­são co­mo de im­pren­sa. Com 27 pon­tos na mes­ma es­ca­la, Ca­bo Ver­de ocu­pa a 48ª posição a ní­vel mun­di­al. São To­mé e Prín­ci­pe, que é se­gun­do em Áfri­ca, si­tua-se no 53º lu­gar a ní­vel glo­bal, e com 28 pon­tos. A se­guir aos dois ar­qui­pé­la­gos lu­só­fo­nos, nos pri­mei­ros cin­co lu­ga­res do con­ti­nen­te afri­ca­no sur­gem as ilhas Mau­rí­ci­as, Na­mí­bia e Ga­na. No fim da lis­ta, es­tão Gâm­bia, Gui­né-Equa­to­ri­al e Eri­treia. A Fre­e­dom Hou­se re­ve­la que nos 50 paí­ses e ter­ri­tó­ri­os da Áfri­ca Sub­sa­ri­a­na, num to­tal de mil mi­lhão de pessoas, ape­nas seis por cen­to vi­vem em paí­ses con­si­de­ra­dos li­vres, tan­to quan­to à li­ber­da­de de ex­pres­são co­mo de im­pren- sa. Mais de me­ta­de, 54 por cen­to, vi­ve em paí­ses par­ci­al­men­te li­vres e 40 por cen­to em Es­ta­dos ou ter­ri­tó­ri­os não-li­vres. Os in­ves­ti­ga­do­res exem­pli­fi­cam que em ca­da 100 afri­ca­nos ao sul do Saha­ra, ape­nas um des­fru­ta da li­ber­da­de de im­pren­sa. Com o tí­tu­lo “Li­ber­da­de de im­pren­sa so­fre com lí­de­res que se agar­ram ao po­der”, o re­la­tó­rio da Fre­e­dom Hou­se con­si­de­ra que a mai­o­ria dos paí­ses da re­gião re­gis­tou um de­clí­nio da li­ber­da­de de im­pren­sa em 2017, de­vi­do à agi­ta­ção po­lí­ti­ca, su­pres­são ou adi­a­men­to de elei­ções e uma mai­or re­pres­são por par­te dos lí­de­res po­lí­ti­cos. Em ter­mos ge­rais, “so­men­te 13 por cen­to da po­pu­la­ção mun­di­al go­za de uma im­pren­sa li­vre, ou se­ja de um am­bi­en­te em que a im­pren­sa faz uma for­te co­ber­tu­ra dos fac­tos, a se­gu­ran­ça é ga­ran­ti­da, a in­fluên­cia do Es­ta­do no sec­tor é mí­ni­ma e os mei­os de co­mu­ni­ca­ção não es­tão su­jei­tos a one­ro­sas pres­sões ju­rí­di­cas e eco­nó­mi­cas”. Ain­da de acor­do com o re­la­tó­rio da­que­la or­ga­ni­za­ção, 42 por cen­to da po­pu­la­ção mun­di­al tem uma im­pren­sa par­ci­al­men­te li­vre, en­quan­to 45 por cen­to vi­ve em paí­ses on­de a im­pren­sa não é li­vre.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.