ÁFRI­CA SE­RÁ… NOS­SA ACRE­DI­TA PUTIN

Folha 8 - - POLITICA -

Ore­gres­so da pre­sen­ça rus­sa a Áfri­ca es­tá mar­ca­do pe­lo in­ves­ti­men­to, ou se­ja, ven­da de ar­mas e en­vio de “con­se­lhei­ros” ou mer­ce­ná­ri­os, com Mos­co­vo a com­pe­tir com a Eu­ro­pa e a China para o pa­pel de prin­ci­pal par­cei­ro do con­ti­nen­te afri­ca­no. De acor­do com um ar­ti­go da agên­cia Fran­ce-pres­se, o des­ta­que da cres­cen­te pre­sen­ça da Rússia em Áfri­ca sur­giu no dia 30 de Ju­lho, com o as­sas­si­na­to de três jor­na­lis­tas rus­sos na Re­pú­bli­ca Cen­tro-afri­ca­na, que in­ves­ti­ga­vam a pre­sen­ça do gru­po mi­li­tar Wag­ner no país. Se­gun­do o ar­ti­go, des­de o iní­cio do ano, a Rússia te­rá en­vi­a­do cin­co ofi­ci­ais mi­li­ta­res e 170 ins­tru­to­res ci­vis – que al­guns es­pe­ci­a­lis­tas acre­di­tam ser mer­ce­ná­ri­os do gru­po Wag­ner -, en­tre­ga­do ar­mas ao exér­ci­to na­ci­o­nal após uma isen­ção ao em­bar­go da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) e as­se­gu­ra­do a se­gu­ran­ça do Presidente cen­tro-afri­ca­no, Faus­tin-Ar­chan­ge Tou­a­dé­ra, cu­jo con­se­lhei­ro de se­gu­ran­ça é (cla­ro!) de na­ci­o­na­li­da­de rus­sa. A en­tre­ga de ar­mas aos Ca­ma­rões para a lu­ta con­tra o gru­po ‘jiha­dis­ta’ Bo­ko Ha­ram, as par­ce­ri­as mi­li­ta­res com a Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDCON­go), Bur­ki­na Fa­so, Ugan­da e An­go­la, as co­o­pe­ra­ções num pro­gra­ma de ener­gia nu­cle­ar ci­vil com o Su­dão, na in­dús­tria mi­nei­ra no Zim­ba­bué ou no alu­mí­nio da Gui­né, re­pre­sen­tam al­gu­mas das ini­ci­a­ti­vas de Mos­co­vo nos úl­ti­mos três anos. Se­gun­do a AFP, esta é uma ten­dên­cia que tem cres­ci- do nos úl­ti­mos me­ses. A Rússia tem tam­bém di­ver­si­fi­ca­do as su­as par­ce­ri­as afri­ca­nas, ex­pan­din­do as re­la­ções para além das na­ções com quem tem li­ga­ções his­tó­ri­cas – co­mo Ar­gé­lia, Mar­ro­cos, Egip­to e Áfri­ca do Sul – e pro­cu­rou ali­a­dos na Áfri­ca sub­sa­a­ri­a­na, on­de es­ta­va “vir­tu­al­men­te au­sen­te”, lê-se no ar­ti­go. “Áfri­ca con­ti­nua a ser uma das úl­ti­mas pri­o­ri­da­des na po­lí­ti­ca ex­ter­na da Rússia, mas a sua im­por­tân­cia tem vin­do a cres­cer”, de acor­do com o his­to­ri­a­dor Dmi­try Bon­da­ren­ko, mem­bro da Aca­de­mia Rus­sa de Ci­ên­ci­as. A URSS (União das Re­pú­bli­cas So­ci­a­lis­tas So­vié­ti­cas) man­te­ve, du­ran­te dé­ca­das, uma pre­sen­ça ac­ti­va no con­ti­nen­te. Ago­ra, com ou­tro no­me, man­têm-se os ob­jec­ti­vos: sa­car o má­xi­mo e per­der o mí­ni­mo. Um bom ne­gó­cio, des­de lo­go por­que a car­na para ca­nhão é ne­gra e as ri­que­zas afri­ca­nas são ines­go­tá­veis. A me­di­da re­pre­sen­ta­va uma das ar­mas na guerra ide­o­ló­gi­ca con­tra o Oci­den­te, apoi­an­do os mo­vi­men­tos de li­ber­ta­ção afri­ca­nos e, após a des­co­lo­ni­za­ção, en­vi­a­va mi­lha­res de con­se­lhei­ros até es­ses ter­ri­tó­ri­os. Com a de­sin­te­gra­ção da URSS, as di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas e as lu­tas in­ter­nas na Rússia du­ran­te os anos 1990, Mos­co­vo aban­do­nou as su­as po­si­ções em Áfri­ca. Fa­ce à fal­ta de fun­dos, au­men­tou o nú­me­ro de em­bai­xa­das e con­su­la­dos a en­cer­rar, di­mi­nuí­ram o nú­me­ro de pro­gra­mas e as re­la­ções ate­nu­a­ram. Foi ape­nas no no­vo mi­lé­nio que o Krem­lin co­me­çou a re­a­vi­var as su­as an­ti­gas re­des e re­gres­sou gra­du­al­men­te a Áfri­ca, pro­cu­ran­do no­vos par­cei­ros à me­di­da que a ide­o­lo­gia era subs­ti­tuí­da por con­tra­tos e pe­la ven­da de ar­mas. E, tam­bém, à me­di­da em que os “ve­lhos” co­mu­nis­tas se ren­di­am às be­nes­ses do ca­pi­ta­lis­mo, sel­va­gem ou não. Em 2006, o Presidente rus­so, Vla­di­mir Putin, vi­a­jou até à Ar­gé­lia, Áfri­ca do Sul e Mar­ro­cos para as­si­nar con­tra­tos, al­go que o seu su­ces­sor, Dmi­tri Med­ve­dev, es­ten­deu a ou­tros paí­ses – Egip­to, An­go­la, Na­mí­bia e Ni­gé­ria -, três anos mais tar­de. Em Mar­ço des­te ano, o che­fe da di­plo­ma­cia rus­sa, Ser­guei La­vrov, vi­si­tou cin­co paí­ses afri­ca­nos, en­quan­to re­pre­sen­tan­tes de vá­ri­as na­ções do con­ti­nen­te es­ti­ve­ram pre­sen­tes no Fó­rum Eco­nó­mi­co de São Pe­ters­bur­go, em Maio. Se a Rússia en­con­trar in­te­res­se eco­nó­mi­co, per­mi­te aos paí­ses afri­ca­nos “ter mais um par­cei­ro, o que sig­ni­fi­ca ou­tro ca­nal de in­ves­ti­men­tos e de­sen­vol­vi­men­to, e o apoio de um país po­de­ro­so no ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal”, de­cla­rou o ana­lis­ta rus­so e an­ti­go embaixador em vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos, Ev­ge­ni Ko­ren­di­as­sov, ci­ta­do pe­la AFP. A Rússia, que não tem um pas­sa­do co­lo­ni­al em Áfri­ca, es­pe­ra apre­sen­tar-se co­mo uma al­ter­na­ti­va para os paí­ses afri­ca­nos fa­ce aos eu­ro­peus e à China. A AFP con­si­de­ra a Re­pú­bli­ca Cen­tro-afri­ca­na um “ex­ce­len­te exem­plo”, da­do que es­te país nun­ca es­te­ve per­to da URSS du­ran­te a Guerra Fria e ago­ra vol­ta-se para a Rússia para for­ta­le­cer as su­as for­ças mi­li­ta­res, com di­fi­cul­da­des em en­fren­tar os gru­pos ar­ma­dos. “Des­de 2014 e da ane­xa­ção da Cri­meia, a Rússia tem con­fron­ta­do o Oci­den­te e de­cla­ra­do aber­ta­men­te a sua von­ta­de de se tor­nar no­va­men­te uma potência mun­di­al. Não po­de, por­tan­to, ig­no­rar uma re­gião”, apon­tou Bon­da­ren­ko. Se­gun­do ele, Mos­co­vo es­tá in­te­res­sa­do em Áfri­ca não por ra­zões eco­nó­mi­cas, mas para “um avan­ço po­lí­ti­co”. “An­te­ri­or­men­te, os paí­ses com quem o Oci­den­te não que­ria co­o­pe­rar, co­mo o Su­dão ou o Zim­ba­bué, só po­di­am re­cor­rer à China. A Rússia pas­sou a ser uma al­ter­na­ti­va tan­gí­vel”, acen­tu­ou, an­tes de con­cluir que “es­te não era o ca­so an­tes, e is­so po­de mu­dar sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a or­dem ge­o­po­lí­ti­ca do con­ti­nen­te”. Nos en­con­tros anu­ais do Ban­co Afri­ca­no de Ex­por­ta­ções e Im­por­ta­ções (Afre­xim­bank), re­a­li­za­dos em Ju­lho des­te ano, foi de­ci­di­do que a pró­xi­ma as­sem­bleia-ge­ral se­rá na Rússia. Se­rá a se­gun­da vez que o Afre­xim­bank se reu­ni­rá fo­ra de Áfri­ca, após a reu­nião na China, em 2012.

PRESIDENTE DA RÚSSIA, VLADMIR PUTIN

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.