JUS­TI­ÇA DA TRETA OU TRETA DE JUS­TI­ÇA?

Folha 8 - - NACIONAL -

Ajus­ti­ça an­go­la­na con­de­nou no dia 14.08 qua­tro mi­li­ta­res pe­la mor­te a ti­ro de um me­nor, Rufino An­tó­nio, que pro­tes­ta­va con­tra a de­mo­li­ção da casa (is­to é co­mo quem diz) dos pais, em 2016, em Lu­an­da. Na al­tu­ra, o ge­ne­ral An­tó­nio dos San­tos Ne­to “Pa­tó­nio” dis­se que os mi­li­ta­res agi­ram “em le­gí­ti­ma de­fe­sa”. O res­pon­sá­vel hi­e­rár­qui­co pe­los mi­li­ta­res e pe­la ac­ção sai ile­so. Tu­do nor­mal, por­tan­to. O mi­li­tar que fez o dis­pa­ro mor­tal, o pri­mei­ro-sar­gen­to Jo­sé Ta­di, 36 anos, foi con­de­na­do a 18 anos de pri­são e a pa­gar uma in­dem­ni­za­ção de um mi­lhão de ku­an­zas (3.344 eu­ros) aos fa­mi­li­a­res do me­nor Rufino An­tó­nio. Os ou­tros três réus no pro­ces­so fo­ram con­de­na­dos a um ano de pri­são e pa­ga­men­to das ta­xas de jus­ti­ça, pe­lo cri­me de uso e ame­a­ça de ar­ma de fo­go. Os qua­tro réus são to­dos mi­li­ta­res das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas afec­tos à Re­gião Mi­li­tar Lu­an­da e cum­pri­am, em Ju­lho de 2016, a mis­são de de­mo­lir re­si­dên­ci­as e ca­se­bres, na zo­na do Zan­go III, na re­ser­va fun­diá­ria da Zo­na Eco­nó­mi­ca Es­pe­ci­al (ZEE) Lu­an­da/ben­go. A 6 de Agos­to, o me­nor, jun­ta­men­te com de­ze­nas de mo­ra­do­res jun­ta­ram-se para con­tes­tar as de­mo­li­ções, que pro­vo­ca­ram o de­sa­lo­ja­men­to de mui­tas fa­mí­li­as. Em res­pos­ta à ma­ni­fes­ta­ção, os mi­li­ta­res te­rão dis­pa­ra­do ti­ros com ar­mas de guerra, do ti­po AKM, con­tra a mul­ti­dão, ma­tan­do o me­nor. O jul­ga­men­to dos mi­li­ta­res te­ve iní­cio em Ju­lho e, se­gun­do o acór­dão, os réus es­ta­vam au­to­ri­za­dos pe­lo te­nen­te-ge­ne­ral Si­mão Car­li­tos Wa­la, à épo­ca co­man­dan­te da Re­gião Mi­li­tar Lu­an­da, sob anuên­cia do en­tão Che­fe de Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas, Ge­ral­do Sa­chi­pen­go Nun­da. De acor­do com o juiz, Lourenço Pe­rei­ra, a mis­são en­con­trou al­gu­ma re­sis­tên­cia por par­te dos po­pu­la­res, que se opon­do às de­mo­li­ções mu­ni­ram-se de paus e pe­dras, in­ves­tin­do con­tra os réus e os ope­ra­do­res das má­qui­nas, cri­an­do pâ­ni­co. E quan­do os mi­li­ta­res, bem ar­ma­dos, en­tram em pâ­ni­co quan­do os po­pu­la­res os en­fren­tam com tão des­tru­ti­vo ma­te­ri­al bé­li­co, paus e pe­dras, es­tá tu­do di­to… Du­ran­te a lei­tu­ra do acór­dão, o juiz su­bli­nhou que aos réus fo­ram aler­ta­dos pe­lo seu co­man­dan­te de que exis­ti­ri­am pos­si­bi­li­da­de de en­con­trar si­tu­a­ções “ad­ver­sas no ter­re­no” e que “na qua­li­da­de de mi­li­ta­res sa­be­ri­am co­mo as ul­tra­pas­sar”, mas que “não fi­zes­sem re­cur­so à ar­ma de fo­go, que em­pu­nha­vam con­tra a po­pu­la­ção”. No lo­cal, se­gun­do o juiz, os réus, ven­do-se con­fron­ta­dos pe­los po­pu­la­res, “co­me­ça­ram a dis­pa­rar in­dis­cri­mi­na­da­men­te e im­pi­e­do­sa­men­te con­tra a po­pu­la­ção, co­mo se es­ti­ves­sem num cam­po de ba­ta­lha e que os po­pu­la­res fos­sem ver­da­dei­ros ini­mi­gos”. O juiz re­fe­riu ain­da que Jo­sé Ta­di mos­trou-se o me­nos pre­pa­ra­do do gru­po, “en­trou em pâ­ni­co e com as su­as mãos tré­mu- las, pre­miu o ga­ti­lho, de cu­ja ar­ma saiu o pro­jéc­til que atin­giu o me­nor” na ca­be­ça. Po­e­sia fi­ca sempre bem na bo­ca de um juiz: mãos tré­mu­las, pre­miu o ga­ti­lho e da ar­ma saiu o pro­jéc­til… Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, Jo­sé Ta­di ma­ni­fes­tou-se in­con­for­ma­do com a sen­ten­ça, con­si­de­ran­do-se in­jus­ti­ça­do, ale­gan­do que ti­ro que ma­tou Rufino An­tó­nio, de 14 anos, não foi dis­pa­ra­do por si. “Fui con­de­na­do in­jus­ta­men­te, por­que eu não me en­con­tra­va na­que­le lo­cal, es­tou a ser in­jus­ti­ça­do, so­mos qua­tro que fi­ze­mos os dis­pa­ros, são qua­tro ar­mas”, dis­se Jo­sé Ta­di, em con­ver­gên­cia com a sua de­fe­sa, que lem­brou, em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, que “não há ne­nhu­ma cor­res­pon­dên­cia en­tre o pro­jéc­til e ar­ma dos réus”.

O MENINO RUFINO AN­TÓ­NIO, ASSASSINADO POR MI­LI­TA­RES DAS FAA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.