A TRANSIGÊNCIA CO­MO CARACTERÍSTICA PO­LÍ­TI­CA

Folha 8 - - CRONICA - Co­mo to­dos os po­vos, o an­go­la­no tem tam­bém as su­as ca­rac­te­rís­ti­cas que o fa­zem dis­tin­guir-se pe­ran­te os ou­tros, mol­da­das ao lon­go do tem­po por di­ver­sos fac­to­res. As ca­rac­te­rís­ti­cas po­dem ser po­si­ti­vas ou ne­ga­ti­vas, e em mui­tos ca­sos a ava­li­a­ção qua­li­ta­tiv

Den­tre as ca­rac­te­rís­ti­cas po­si­ti­vas do an­go­la­no, al­gu­mas são re­fe­ri­das até em ter­mos jo­co­sos, co­mo ser cha­ma­do de “um po­vo es­pe­ci­al” pe­lo ou­tro­ra presidente da Re­pú­bli­ca pe­ran­te a sua ca­pa­ci­da­de de su­por­tar to­do o mal fei­to por um go­ver­no ao lon­go de dé­ca­das. Sen­do trans­ver­sais, as ca­rac­te­rís­ti­cas ne­ga­ti­vas apli­cam-se a to­dos, mas re­al­çam-se quan­do são exi­bi­das por per­so­na­li­da­des pú­bli­cas, co­mo os po­lí­ti­cos, aos quais é co­bra­da uma re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de po­si­ti­va. En­tre­tan­to te­mos os nos­sos po­lí­ti­cos com os mes­mos nos­sos há­bi­tos ne­ga­ti­vos, do po­vo, e não te­ria co­mo ser di­fe­ren­te pois eles são fei­tos do mes­mo te­ci­do so­ci­al an­go­la­no. É des­ta for­ma que te­mos po­lí­ti­cos sem com­pro­mis­so, de­so­bri­ga­dos com a de­fe­sa in­tran­si­gen­te do bem co­mum. Tal co­mo di­fi­cil­men­te ci­da­dãos fa­zem cam­pa­nha per­ma­nen­te con­tra ou a fa­vor de de­ter­mi­na­da ques­tão – por água, for­ne­ci­men­to de ener­gia, de­mis­são de maus ad­mi­nis­tra­do­res ou pe­la ma­nu­ten­ção de uma es­co­la -, po­lí­ti­cos tam­bém ra­ra­men­te o fa­zem. Se não o fa­zem por ques­tões co­lec­ti­vas, co­mo as aci­ma men­ci­o­na­das ou por um pro­ces­so de re­pa­tri­a­men­to de ca­pi­tais que não se­ja bran­que­a­men­to do di­nhei­ro rou­ba­do, pe­lo me­nos que o fi­zes­sem em as­sun­tos di­rec­ta­men­te li­ga­dos às su­as or­ga­ni­za­ções par­ti­dá­ri­as. Ve­ja­mos a si­tu­a­ção do fa­le­ci­do mi­li­tan­te pe­la CASA-CE Hil­bert de Car­va­lho Gan­ga, mor­to por mi­li­tar da Uni­da­de de Gu­ar­da Pre­si­den­ci­al, em 2013, quan­do fa­zia tra­ba­lho em no­me da co­li­ga­ção, ou se­ja, de ban­dei­ra ao pei­to. À se­ma­na fin­da, Ar­le­te de Car­va­lho Gan­ga, ir­mã do ma­lo­gra­do, en­vi­ou uma carta ao presidente da Re­pú­bli­ca, pos­te­ri­or­men­te tor­na­da pú­bli­ca, on­de de­nun­cia uma “cla­ra in­tro­mis­são da em­pre­sa [ban­co BPC, on­de tra­ba­lha há 12 anos] na mi­nha vi­da pri­va­da”, is­to por se “em­pe­nhar ac­ti­va­men­te no exer­cí­cio da ci­da­da­nia, par­ti­ci­pan­do em pro­tes­tos, vi­gí­li­as e ou­tras ac­ti­vi­da­des do mes­mo gé­ne­ro”, e prin­ci­pal­men­te por con­ti­nu­ar a exi­gir jus­ti­ça pe­lo as­sas­si­na­to do ir­mão. Ar­le­te Gan­ga já vá­ri­as ve­zes re­pu­di­ou a ma­nei­ra co­mo a CASA-CE en­ca­rou e en­ca­ra a mor­te de Hil­bert, e cla­ra­men­te tem ra­zão pe­lo se­guin­te: é pre­ci­so ir­re­du­ti­bi­li­da­de pe­ran­te ac­tos ma­ca­bros des­ta na­tu­re­za em bus­ca de res­pon­sa­bi­li­za­ção, a to­do o ins­tan­te, com cam­pa­nhas per­ma­nen­tes e sem mei­as pa­la­vras. É is­so que fal­tou à co­li­ga­ção, não be­lis­can­do o po­der po­lí­ti­co – a mor­te foi por agen­te ao ser­vi­ço da pre­si­dên­cia. Fi­na­li­za­do o jul­ga­men­to, com o au­tor ino­cen­ta­do, a CASA-CE ar­re­ou as man­gas que nun­ca es­ti­ve­ram to­tal­men­te le­van­ta­das e bai­xou os bra­ços que não es­ta­vam com­ple­ta­men­te ao al­to. En­co­lheu-se! Não sen­do mi­li­tan­te activo da CASA-CE, a re­cen­te ví­ti­ma mor­tal li­ga­da di­rec­ta­men­te ao seu presidente cons­ti­tui ou­tro de­sa­fio para Abel Chi­vu­ku­vu­ku, de­pois de pu­bli­ca­men­te ter di­to que o seu so­bri­nho Lu­cas foi assassinado por ter es­ta­do en­vol­vi­do, en­quan­to fun­ci­o­ná­rio da PGR, em pro­ces­sos de in­ves­ti­ga­ção con­tra cor­rup­ção. Ago­ra ca­be-lhe ir até ao fim para que fi­que pro­va­da a sua afir­ma­ção, com pu­ni­ção aos as­sas­si­nos. O mes­mo se po­de di­zer da UNITA quan­to aos vá­ri­os ca­sos em que seus mi­li­tan­tes são ví­ti­mas di­rec­tas por in­to­le­rân­cia po­lí­ti­ca, des­de Ca­cu­a­co ao Bo­coio, de­pu­ta­dos pos­tos a cor­rer por mi­li­ta­res ar­ma­dos e in­clu­si­ve presidente fe­ri­do pu­bli­ca­men­te. Não há cam­pa­nha por res­pon­sa­bi­li­za­ção. Nem con­vém ci­tar os ou­tros par­ti­dos po­lí­ti­cos na opo­si­ção. In­te­res­sa, sim, ci­tar o PRS, cu­ja ba­se de apoio são as Lun­das Nor­te e Sul, zo­nas on­de de­ze­nas de ci­da­dãs e ci­da­dãos são as­sas­si­na­das e as­sas­si­na­dos por for­ças de se­gu­ran­ça pri­va­da ao ser­vi­ço de ge­ne­rais so­be­ja­men­te co­nhe­ci­dos e de­nun­ci­a­dos pe­la cri­mi­no­sa ex­trac­ção de di­a­man­tes. Mas es­te par­ti­do não de­sen­vol­ve uma cam­pa­nha du­ra­dou­ra e agres­si­va para res­pon­sa­bi­li­za­ção e tér­mi­no des­se mas­sa­cre. Ao con­trá­rio, o par­ti­do pro­mo­tor de ile­ga­li­da­des faz cam­pa­nha per­ma­nen­te para im­pin­gir a sua vi­são, ain­da que ca­da vez com me­nos su­ces­so. O MPLA é dis­ci­pli­na­do na mal­da­de, por is­so sa­be o im­pac­to que uma cam­pa­nha tem so­bre o cur­so da nar­ra­ti­va e des­fe­cho de ques­tões frac­tu­ran­tes, co­mo es­tá a fa­zer com as au­tar­qui­as nes­te mo­men­to – fa­la­re­mos dis­so nou­tro ar­ti­go. Po­rém, dois seg­men­tos da so­ci­e­da­de tam­bém têm usa­do o po­der das ac­ções per­ma­nen­tes para ob­ter re­sul­ta­dos so­bre de­ter­mi­na­dos ca­sos – os jor­na­lis­tas e os ac­ti­vis­tas. Al­guns ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al pas­sa­ram a tra­zer em su­as man­che­tes – so­bre­tu­do os jor­nais –, de for­ma re­cor­ren­te, os ca­sos de im­pu­ni­da­de e ago­ra tam­bém as au­tar­qui­as na pers­pec­ti­va da sua im­ple­men­ta­ção em to­do ter­ri­tó­rio e não a gra­du­al. Con­ci­li­an­do o jor­na­lis­mo com o ac­ti­vis­mo, Rafael Mar­ques de Mo­rais é a per­so­na­li­da­de que se des­ta­ca em cam­pa­nhas e de­ve ser­vir de exem­plo aos po­lí­ti­cos na opo­si­ção para co­lo­car fim à característica transigência. Mas há ou­tros, pou­cos, ac­ti­vis­tas e jor­na­lis­tas que pas­sa­ram a agir co­or­de­na­da­men­te.

SEDRICK DE CAR­VA­LHO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.