TRIBUNAL (IN)CONSTITUCIONAL SO E UMA PARÓDIA DO MPLA

Folha 8 - - PRIMEIRA PÁGINA - WILLIAM TONET kui­bao@hot­mail.com

OT­ri­bu­nal Constitucional de An­go­la man­ten­do-se fi­el ao seu ADN partidocrata, ide­o­ló­gi­ca e um­bi­li­cal­men­te, li­ga­do ao MPLA, aca­ba de pro­ce­der à pu­bli­ca­ção, no dia 14.08, de mais um acór­dão ro­cam­bo­les­co, so­bre o diferendo en­tre par­ti­dos po­lí­ti­cos, in­te­gran­tes de uma co­li­ga­ção: CASA-CE. A des­trui­ção, a fra­gi­li­za­ção, a di­vi­são, a no­me­a­ção de di­rec­ções frá­geis e fan­to­ches, de par­ti­dos po­lí­ti­cos, sem ca­pa­ci­da­de de fa­ze­rem mos­sa ao par­ti­do no po­der, tem si­do a re­gra ju­di­ci­al do­mi­nan­te, quan­do de­ve­ria ser a ex­cep­ção. O tem­po não men­te e vem com­pro­me­ten­do os tri­bu­nais, quer se­jam in­fe­ri­o­res ou su­pe­ri­o­res, pe­la fal­ta de isen­ção, in­de­pen­dên­cia e com­por­ta­men­to ju­rí­di­co éti­co, quan­do em cau­sa es­tá quem te­nha po­ten­ci­al po­lí­ti­co e pro­jec­to de po­der. Em to­do ca­so, Abel Epa­lan­ga Chi­vu­ku­vu­ku ca­vou, com a sua in­ge­nui­da­de, a se­pul­tu­ra de um pro­jec­to, que ti­nha tu­do para dar cer­to, ao co­me­ter er­ros de pal­ma­tó­ria: a) ali­an­ça com lí­de­res po­lí­ti­cos de pe­que­nos par­ti­dos, com am­bi­ção me­dío­cre, mui­tos, dis­tan­tes da con­quis­ta do po­der, mas pró­xi­mos das mor­do­mi­as fi­nan­cei­ras, un­ta­das pe­lo re­gi­me; b) adi­a­men­to da trans­for­ma­ção em par­ti­do, que, se­gun­do os acor­dos, de­ve­ria ocor­rer em 2012; c) não cri­a­ção em 2013 da sua pró­pria for­ma­ção par­ti­dá­ria, quan­do foi um dos mai­o­res cre­do­res da Co­li­ga­ção; d) má ges­tão dos qua­dros, ori­gi­nan­do a saí­da de mui­tos; e) con­des­cen­dên­cia e pro- mo­ção, em mui­tos ca­sos, da in­com­pe­tên­cia, in­tri­ga, me­di­o­cri­da­de e ba­ju­la­ção; f) acre­di­tar na im­par­ci­a­li­da­de da jus­ti­ça; g) pres­cin­dir do tra­ba­lho, ri­gor e or­ga­ni­za­ção, para o al­can­ce da vi­tó­ria, acre­di­tan­do se­rem a be­le­za pes­so­al e a vai­da­de fer­ra­men­tas bas­tan­tes. Por seu tur­no, os an­ti­gos ali­a­dos, con­ver­ti­dos em no­vos ad­ver­sá­ri­os, não con­se­gui­ram dis­far­çar por mui­to tem­po o lo­bo, que se es­con­dia na pe­le de cor­dei­ro, cin­co anos de­pois de res­ga­ta­dos do po­ço la­ma­cen­to em que se en­con­tra­vam. Emer­gi­dos, ven­do o po­ten­ci­al de Abel Chi­vu­ku­vu­ku, acom­pa­nha­do por di­nhei­ro e ba­se elei­to­ral (ci­da­dãos que o se­gui­am), ne­go­ci­a­ram, e bem, com a úni­ca tá­bua de sal­va­ção: cer­ti­fi­ca­do de re­gis­to de par­ti­dos po­lí­ti­cos, jun­to do Tribunal Constitucional. Fo­ram as pri­mei­ras elei­ções (2012), sem mi­li­tan­tes, pa­tri­mó­nio mó­vel e imó­vel, con­tan­do com as ar­mas de Abel, que em qua­tro me­ses de cam­pa­nha, le­vou a CASA-CE, em tão pou­co tem­po de exis­tên­cia a con­quis­tar 8 lu­ga­res na As­sem­bleia Na­ci­o­nal. Foi a sur­pre­sa, para mui­tos e o te­mor para o re­gi­me, que apos­tou to­das as ar­mas, para im­pe­dir o cres­ci­men­to des­se no­vo en­te-par­ti­dá­rio. Uma das tác­ti­cas do re­gi­me, foi ex­plo­rar as fra­que­zas, quer de Chi­vu­ku­vu­ku, co­mo dos seus ali­a­dos. A um fo­ram-no con­ven­cen­do ser op­ção, tan­to do re­gi­me co­mo para a opo­si­ção, por ser bem pa­re­ci­do e não ter um dis­cur­so mus­cu­la­do, aos ou­tros que ga­nha­ri­am mais de­bi­li­tan­do o pro­jec­to de co­li­ga­ção, con­tan­do, em to­dos os ca­sos, com a pre­ci­o­sa co­la­bo­ra­ção dos tri­bu­nais. A fi­de­li­da­de ao jo­go dos pu­nhais, em cos­tas des­guar­ne­ci­das, amor­te­ci­das e re­ga­das, mui­tas ve­zes, com cham­pa­nhe, foi agi­gan­tan­do e dan­do vi­si­bi­li­da­de, a quem nun­ca te­ve, mas pas­sou a gos­tar da vi­da boé­mia, con­fe­ri­da não só pe­la ali­an­ça com Chi­vu­ku­vu­ku, mas tam­bém, se­gun­do fon­te in­de­pen­den­te, com os ser­vi­ços se­cre­tos do re­gi­me. Os vi­sa­dos des­men­tem. Mas a re­a­li­da­de per­mi­te, re­me­mo­rar, co­mo o re­gi­me po­lí­ti­co, vem, ao lon­go de 43 anos ar­re­dan­do, as­sas­si­nan­do ou fra­gi­li­zan­do po­ten­ci­ais par­ti­dos e lí­de­res da opo­si­ção, con­tan­do com a pres­ti­mo­sa e ide­o­ló­gi­ca con­tri­bui­ção ju­rí­di­ca dos Tri­bu­nais; Po­pu­lar Re­vo­lu­ci­o­ná­rio, Su­pre­mo e Constitucional, que sem res­pei­to pe­la nor­ma ju­rí­di­ca e as leis, des­ti­tu­em e no­mei­am di­rec­ções ou lí­de­res fan­to­ches, no cum­pri­men- to das in­qui­si­to­ri­ais or­dens su­pe­ri­o­res. Os bár­ba­ros as­sas­si­na­tos do na­ci­o­na­lis­ta, Sot­to Mayor (MPLA), no Cam­po da Re­vo­lu­ção (1975), dos co­man­dan­tes Ni­to Al­ves, Jo­sé Van-dú­nem e ou­tros, em 1977 (MPLA), Adão da Sil­va (UNITA), em 1995, Mfu­lum­pin­ga Lan­du Vic­tor, (PDP-ANA), em 2004, Al­ves Ka­mu­lin­gue e Isaías Cas­su­le, ac­ti­vis­tas pe­la de­mo­cra­cia ple­na, 2012, Wil­bert Gan­ga, em 2013 (CASA-CE), têm, to­dos, o mes­mo se­lo de au­ten­ti­ci­da­de. Na mai­o­ria dos ca­sos, os as­sas­si­nos iden­ti­fi­ca­dos, tra­fe­gam, im­pu­ne­men­te, com o mai­or à-von­ta­de, pe­las ru­as das ci­da­des, go­zan­do com a ca­ra dos fa­mi­li­a­res das ví­ti­mas ou os pro­ces­sos re­pou­sam fe­cha­dos, nas ga­ve­tas dos juí­zes, nu­ma gri­tan­te, es­can­da­lo­sa e cúm­pli­ce omis­são. No do­mí­nio da vi­da in­ter­na dos par­ti­dos da opo­si­ção o ca­mi­nho não tem si­do dis­tin­to, qual sub­ti­le­za de sub­ter­râ­nea in­ci­dên­cia dos juí­zes trans­for­ma­dos em “xe­ri­fes-jus­ti­cei­ros”, ao “as­sas­si­na­rem” a so­be­ra­nia elei­to­ral dos mi­li­tan­tes dos par­ti­dos. Não pa­re­ce exis­tir li­mi­tes ao li­vre ar­bí­trio ju­di­ci­al, quan­do a he­ge­mo­nia do par­ti­do mai­o­ri­tá­rio é pos­ta em cau­sa, com al­guns juí­zes a con­ver­te­rem-se em se­nho­res da in­qui­si­ção, in­ter­fe­rin­do na vi­da in­ter­na dos par­ti­dos, subs­ti­tuin­do as di­rec­ções elei­tas, por li­de­ran­ças frá­geis, co­mer­ci­ais, mas po­li­ti­ca­men­te fan­to­ches, co­mo fo­ram os ca­sos do PRD (Par­ti­do Re­for­ma­dor De­mo­crá­ti­co – 1992, in­te­gra­va qua­dros e in­te­lec­tu­ais in­de­pen­den­tes, co­mo Jo­a­quim Pin­to de An­dra­de e ain­da ex-pre­sos do 27 de Maio), a jus­ti­ça di­vi­diu o par­ti­do e a li­de­ran­ça, fa­zen­do Luís dos Pas­sos su­cum­bir, ale­ga­da­men­te, com 10 mi­lhões de dó­la­res, no co­lo do re­gi­me, após des­truir o pro­jec­to; AD-Co­li­ga­ção, in­te­gra­da por in­te­lec­tu­ais, co­mo Fi­lo­me­no Vi­ei­ra Lo­pes, Bo­na­ve­na, Luís do Nas­ci­men­to, Cláu­dio Sil­va e mem­bros da so­ci­e­da­de ci­vil (1993), fo­ram traí­dos, com apoio ju­di­ci­al, que ins­ti­gou um dos mem­bros da co­li­ga­ção, até a sua com­ple­ta dis­so­lu­ção. A UNITA foi e é o par­ti­do, mais ata­ca­do, pe­lo re­gi­me e ju­di­ciá­rio, sem qual­quer pu­dor, vi­san­do a sua ca­pi­tu­la­ção, des­trui­ção ou di­vi­são, des­de os tem­po de Jo­nas Savimbi, co­mo o de­mons­tram a le­ga­li­za­ção, em tem­po re­cor­de, das se­guin­tes ten­dên­ci­as: FDA, Fó­rum De­mo­crá­ti­co An­go­la­no, li­de­ra­do por Jor­ge Chi­co­te, As­sis Ma­la­qui­as e Di­nho Chin­gun­ji; TDR (Ten­dên­cia de Re­fle­xão De­mo­crá­ti­ca), ca­pi­ta­ne­a­da por Tony da Cos­ta Fer­nan­des, Pau­lo Chi­pi­li­ca e Mi­guel Zau Pu­na, to­dos fei­tos ma­ri­o­ne­tes do re­gi­me no po­der; UNITA Re­no­va­da, li­de­ra­da por Eu­gé­nio Ma­nu­va­ko­la, Jor­ge Va­len­tim e ou­tros, mi­mo­se­a­dos com mor­do­mi­as, para o tra­ba­lho su­jo. De­pois sur­ge a FNLA, com uma for­te cam­pa­nha con­tra o seu ex-lí­der his­tó­ri­co, Hol­den Ro­ber­to, vo­ta­do ao os­tra­cis­mo, com o cor­te de di­rei­tos, can­ce­la­men­to da con­ta ban­cá­ria, co­lo­can­do-o à fo­me, por fal­ta de re­cur­sos, tu­do para ca­pi­tu­lar. Re­sis­tin­do, viu ser cri­a­do uma fac­ção, le­gi­ti­ma­da pe­lo po­der ju­di­ciá­rio partidocrata, co­man­da­da por Lu­cas Ngon­da, no­me­a­do co­vei­ro do his­tó­ri­co par­ti­do, ho­je trans­for­ma­do em man­ta de re­ta­lhos. O PRS e o PDP-ANA, tam­bém al­vos de in­fil­tra­ção, são ape­nas um cor­po pre­sen­te, com pra­zo de va­li­da­de, pe­se es­te úl­ti­mo ter in­te­gra­do a co­li­ga­ção de Chi­vu­ku­vu­ku.

PRESIDENTE DO TC, MANUEL ARAGÃO CUMPRIMENTANDO O JLO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.