MIOPIA, VAIDADES, AR­MAS FO­ME E SI­LÊN­CIO DA OPO­SI­ÇÃO

Folha 8 - - AQUI ESCREVO EU! - WIL­LI­AM TONET kui­bao@hot­mail.com

Oce­ná­rio da tri­bo po­lí­ti­ca do­mi­nan­te, pe­se a tran­si­ção, na li­de­ran­ça, não dá si­nais de ter um pla­no co­e­ren­te de re­for­ma da an­go­la­ni­da­de e do po­der do Es­ta­do, pa­ra saí­da da po­dri­dão par­ti­do­cra­ta, que des­de 1975, ato­lou o país. À épo­ca (1975), aque­les que con­si­de­ra­mos na­ci­o­na­lis­tas, pa­tri­o­tas e re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os so­ci­a­lis­tas, ex­cluí­ram, com­ple­ta­men­te, a ci­da­da­nia so­ci­al, subs­ti­tuin­do-a, pe­la ci­da­da­nia par­ti­do­cra­ta do MPLA, apre­sen­ta­da co­mo a me­lhor, por ser de ca­riz so­ci­a­lis­ta. Com cha­vões de es­quer­da, pro­le­ta­ri­za­ram as men­tes da mai­o­ria dos ci­da­dãos, nu­ma pre­ten­sa igual­da­de, in­du­zin­do-os a odi­ar a de­mo­cra­cia par­ti­ci­pa­ti­va, elei­ções (pre­vis­tas nos Acor­dos do Al­vor) e li­ber­da­des: de Im­pren­sa, Ex­pres­são e de Ma­ni­fes­ta­ção. Com o pas­sar de ca­da ano, mui­tos do on­tem (guer­ri­lhei­ros li­ber­tá­ri­os/pro­le­tá­ri­os), re­cau­chu­ta­dos no des­nor­te, des­fi­lam no hoje, or­gu­lho­sa­men­te, co­mo pro­pri­e­tá­ri­os, subs­ti­tu­tos vo­ra­zes de um ca­pi­ta­lis­mo sem sen­si­bi­li­da­de so­ci­al. E co­mo de­fen­so­res da al­dra­bi­ce re­vo­lu­ci­o­ná­ria, ca­mi­nha­ram nos tri­lhos da in­to­le­rân­cia, man­dan­do pa­ra a sar­je­ta to­dos quan­to, na di­fe­ren­ça de pen­sa­men­to, os ques­ti­o­nas­sem. Subs­ti­tuí­ram, en­tão, o ver­bo pe­las ar­mas, su­pe­ran­do o ar­se­nal do co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês, pa­ra fa­zer do una­ni­mis­mo ab­so­lu­to a po­lí­ti­ca de Es­ta­do da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar de An­go­la, sem pa­drões de vei­os de água, so­ci­ais e eco­nó­mi­cos sus­ten­ta­dos. Es­ta op­ção foi a cha­ve mes­tra pa­ra mui­tos de­les, à luz e olhos do ci­da­dão, por te­rem atra­ves­sa­do a pon­te de guer­ri­lhei­ros-re­vo­lu­ci­o­ná­ri­os a la­drões e cor­rup­tos in­ver­te­bra­dos, as­sas­si­nos da dig­ni­da­de, da li­ber­da­de e da co­mi­da de 20 mi­lhões de po­bres. Pa­ra des­gra­ça co­lec­ti­va, em 2018, pe­se a tran­si­ção, no par­ti­do do po­der e Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca, o re­ga­bo­fe con­ti­nua. E, con­ti­nua por o MPLA não ter cres­ci­do, in­te­lec­tu­al­men­te, ao pon­to de se con­si­de­rar ór­fão se não for li­de­ra­do por quem de­te­nha a Pre­si- dên­cia do país. Is­to tem um no­me: con­ti­nui­da­de do ab­so­lu­tis­mo e ido­la­tria num ho­mem, que no con­tro­lo dos ou­tros po­de­res: le­gis­la­ti­vo e ju­di­ci­al, par­ti­do­cra­ta­men­te, as­su­mi­dos, os ma­ni­e­ta(rá) em no­me de um ego par­ci­al e dis­cri­mi­na­tó­rio. As con­sequên­ci­as vi­rão de­pois, quan­do e em que di­men­são, pou­cos são ca­pa­zes de va­ti­ci­nar, mas que a ca­le­ma ou tsu­na­mi, não vai “des­truir” só o MPLA (pe­la sua de­pen­dên­cia), já é uma cer­te­za. Se­rão ar­ras­ta­dos to­dos, po­lí­ti­cos e in­te­lec­tu­ais, que po­den­do in­ter­vir de for­ma di­fe­ren­te, ago­ra, des­fi­lam a omis­são, nu­ma aco­mo­da­da co­var­dia. Co­mo é pos­sí­vel as­sis­tir-se im­pá­vi­da e se­re­na­men­te, nu­ma al­tu­ra de pro­fun­da cri­se eco­nó­mi­ca e so­ci­al, com 20 mi­lhões de po­bres, ca­ren­tes de um pra­to de co­mi­da e va­ci­nas pa­ra ven­cer as en­de­mi­as, o mais al­to man­da­tá­rio da Re­pú­bli­ca, ru­bri­car a com­pra de mais ar­ma­men­to mi­li­tar, na Ale­ma­nha, não pa­ra dar es­pe­ran­ça à al­ma dos au­tóc­to­nes an­go­la­nos, mas ca­paz de os mu­ti­lar, di­vi­dir e ma­tar? Oxa­lá a op­ção de subs­ti­tuir a co­mi­da, por ar­mas, dê cer­to. As exo­ne­ra­ções do MPLA, subs­ti­tuí­das por exo­ne­ra­ções do par­ti­do, pro­du­zam re­sul­ta­dos. A bar­ro­ca po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca, as­sen­te no pro­tec­ci­o­nis­mo aos ban­cos co­mer­ci­ais e nas te­ses do ca­pi­ta­lis­mo sel­va­gem, pa­ra pri­va­ti­za­ção do Es­ta­do, tem si­do ape­nas, pro­mo­tor do de­sem­pre­go, da in­fla­ção, da des­co­ne­xão da mo­e­da e se­rá in­ca­paz de ge­rir as do­lo­ro­sas e in­sen­sí­veis re­cei­tas do FMI (Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal). Acre­di­to nas bo­as in­ten­ções pre­si­den­ci­ais. Mas... As­sim, a mai­o­ria dos au­tóc­to­nes que, in­ge­nu­a­men­te, acre­di­ta­ram ter vo­ta­do na promessa dos 500 mil em­pre­gos, es­tão a pro­var o sa­bor amar­go de uma fo­me, sem pre­ce­den­tes, da al­ta po­bre­za e in­di­gên­cia ge­ne­ra­li­za­da, que su­pe­ram, em 80%, as úl­ti­mas dé­ca­das do co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês. Sau­do­sis­mo? Não! Re­a­lis­mo. Não es­que­ço a ge­lei­ra a pe­tró­leo. No to­do, não sou im­po­ten­te. Não sou co­var­de. As­su­mi­da­men­te, re­vo­lu­ci­o­ná­rio da in­dig­na­ção e re­vol­ta, hoje mi­no­ri­tá­ria, que não se ca­la, nem se ven­de, por trin­ta di­nhei­ros, man­te­rei sem­pre has­te­a­da es­sa ban­dei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.