BRANQUEAR A NO­VA COR­RUP­ÇÃO ATACANDO JES

Folha 8 - - DESTAQUE -

João Lou­ren­ço tam­bém no­me­ou pes­so­as pro­e­mi­nen­tes man­cha­das por ale­ga­ções de cor­rup­ção e de má ges­tão pa­ra im­por­tan­tes car­gos go­ver­na­men­tais. As acu­sa­ções con­tra o an­ti­go vi­ce-pre­si­den­te, Ma­nu­el Vi­cen­te, que con­tro­la ago­ra o Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la e a So­nan­gol, po­dem ser re­to­ma­das as­sim que – por exem­plo – um no­vo go­ver­no to­mar pos­se em Por­tu­gal ou que o sen­ti­men­to po­lí­ti­co nos EUA as­su­ma uma di­rec­ção di­fe­ren­te. Por ou­tro la­do, é pro­vá­vel que os re­cen­tes can­ce­la­men­tos de con­tra­tos pa­ra im­por­tan­tes pro­jec­tos de in­fra-es­tru­tu­ras, ofi­ci­al­men­te acla­ma­dos co­mo par­te de uma via de trans­pa­rên­cia, se­jam mo­ti­va­dos por um de­se­jo de pro­cu­rar no­vas re­cei­tas dos in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros que par­ti­ci­pam nes­tes pro­jec­tos. Pro­jec­tos de “ele­fan­te bran­co”, co­mo o no­vo ae­ro­por­to de Lu­an­da, es­tão a afec­tar a ima­gem de João Lou­ren­ço co­mo pre­si­den­te re­for­mis­ta e trans­pa­ren­te. Nem mes­mo as visitas a im­por­tan­tes areó­pa­gos po­lí­ti­cos da Eu­ro­pa, ou a po­si­ção de for­ça na re­gião da Áfri­ca Aus­tral, pa­re­ce al­te­rar a cres­cen­te ideia de que o Pre­si­den­te é um gi­gan­te com pés de bar­ro. Em­bo­ra as pers­pec­ti­vas eco­nó­mi­cas se­jam mais aus­pi­ci­o­sas do que há um ano, o no­vo go­ver­no ten­ta ob­ter mi­lha­res de mi­lhões so­bre­tu­do em fi­nan­ci­a­men­to dos ban­cos chi­ne­ses pa­ra ex­pan­dir in­fra-es­tru­tu­ras e man­ter o de­sas­tro­so es­ta­do das fi­nan­ças es­ta­tais a flu­tu­ar. Mas a ver­da­de é que o “bar­co” es­tá a me­ter água por to­dos os la­dos. Exac­ta­men­te quan­do os re­cei­os quan­to à sus­ten­ta­bi­li­da­de da dí­vi­da an­go­la­na es­ta­vam a acal­mar, o go­ver­no con­traiu mais uma im­por­tan­te dí­vi­da com a Chi­na. Es­te é um pres­sá­gio ame­a­ça­dor pa­ra o pa­ga­men­to de dí­vi­das aos em­prei­tei­ros es­tran­gei­ros e até pa­ra a ca­pa­ci­da­de de An­go­la de pa­gar as su­as mais re­cen­tes “eu­ro­bonds”. O au­men­to dos pre­ços da ali­men­ta­ção, gre­ves fre­quen­tes e cor­tes no sec­tor pú­bli­co es­tão a de­sen­ca­de­ar pro­tes­tos e au­men­tar o ris­co de mo­tim nas ci­da­des an­go­la­nas. A im­plo­são so­ci­al ga­nha for­ça e te­me-se que, co­mo por di­ver­sas ve­zes o Fo­lha 8 já aler­tou, o ras­ti­lho não tar­de a pro­vo­car ex­plo­sões. Is­to se, en­tre­tan­to, o go­ver­no de João Lou­ren­ço não se com­pro­me­ter de for­ma prag­má­ti­ca e exem­plar com uma am­pla re­for­ma do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro e com uma ges­tão or­ça­men­tal pru­den­te. Is­to por­que as pers­pec­ti­vas de in­ves­ti­men­to pa­ra An­go­la de­ve­rão de­te­ri­o­rar-se acen­tu­a­da­men­te com os in­ves­ti­do­res a per­de­rem fé na ad­mi­nis­tra­ção eco­nó­mi­ca, po­lí­ti­ca e so­ci­al de João Lou­ren­ço.

EX-VI­CE-PRE­SI­DEN­TE DA RE­PÚ­BLI­CA, MA­NU­EL VI­CEN­TE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.