O QUE VA­MOS OU­VIR DO GO­VER­NO

Folha 8 - - DESTAQUE -

“A mi­nha prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção se­rá com a Eco­no­mia e com o su­pe­rar­mos es­ta si­tu­a­ção de cri­se que nos tem vin­do a afec­tar. Va­mos con­ti­nu­ar a apoi­ar as em­pre­sas, ten­do em vis­ta a su­pe­ra­ção das di­fi­cul­da­des em tem­po de cri­se”, di­rá o nos­so mi­nis­tro das Fi­nan­ças (pro­va­vel­men­te na qua­li­da­de de ad­jun­to de al­guém do FMI), Ar­cher Man­guei­ra. O mi­nis­tro das Fi­nan­ças de­fen­de­rá qua An­go­la es­tá nu­ma si­tu­a­ção “mais van­ta­jo­sa” pa­ra re­du­zir o en­di­vi­da­men­to de­pois da cri­se, con­si­de­ran­do que fal­ta ape­nas me­lho­rar a di­ver­si­fi­ca­ção e a com­pe­ti­ti­vi­da­de da eco­no­mia. “O au­men­to do en­di­vi­da­men­to é um pro­ble­ma que to­dos os paí­ses vão ter de en­fren­tar”, di­rá Ar­cher Man­guei­ra (ou até mes­mo João Lou­ren­ço), de­fen­den­do que “aca­ban­do a cri­se tor­na-se mui­to cla­ro a ne­ces­si­da­de de os paí­ses re­to­ma­rem o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel a es­tra­té­gia de con­so­li­da­ção or­ça­men­tal”. Ou se­ja, afi­nal os an­go­la­nos não têm na­da a te­mer. Se, por um la­do, há mui­ta gen­te que vi­ve pi­or (o que pa­re­ce, se­gun­do o Go­ver­no do MPLA, uma boa con­so­la­ção), por ou­tro, quan­do a cri­se pas­sar, uma só re­fei­ção já se­rá uma dá­di­va di­vi­na pa­ra os que não ti­nham nenhuma. Po­rém, “uma coi­sa é cer­ta: o fac­to de ter­mos es­tes ní­veis de dí­vi­da vai exi­gir uma po­lí­ti­ca que re­for­ce o po­ten­ci­al de crescimento da eco­no­mia”. Is­so im­pli­ca­rá, co­mo sa­bi­a­men­te vai ex­pli­car Ar­cher Man­guei­ra, uma po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca “que au­men­te a com­pe­ti­ti­vi­da­de e re­for­ce o sec­tor ex­por­ta­dor. An­te­ci­pan­do, co­mo lhe com­pe­te, os ce­ná­ri­os, o Go­ver­no di­rá que a re­ac­ção no pós-cri­se “co­lo­ca na agen­da um con­jun­to de po­lí­ti­cas de va­lo­ri­za­ção dos re­cur­sos hu­ma­nos, me­lho­ria de in­fra-es­tru­tu­ras e mais ci­ên­cia”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.