ME­GA­LO­MA­NIA É SI­NÓ­NI­MO DE MPLA

Folha 8 - - DESTAQUE -

Es­ta mal­ta gos­ta mes­mo de go­zar com a nos­sa chi­pa­la. É ver­da­de. Em Abril de 2017 o en­tão Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo (no qual pon­ti­fi­ca­va o mi­nis­tro João Lou­ren­ço) au­to­ri­zou a emis­são de 379 mi­lhões de dó­la­res em dí­vi­da pú­bli­ca, a re­em­bol­sar em se­te anos, pa­ra pa­gar o res­ga­te or­de­na­do pe­lo Go­ver­no, do pro­jec­to de re­qua­li­fi­ca­ção e re­or­de­na­men­to da marginal da baía de Lu­an­da. Se­gun­do au­to­ri­za­ção de Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, es­sa emis­são, equi­va­len­te a 348,5 mi­lhões de eu­ros, se­ria fei­ta em mo­e­da es­tran­gei­ra (dó­la­res), pa­ra pa­gar à so­ci­e­da­de Baía de Lu­an­da a “re­ver­são ao Es­ta­do da com­po­nen­te pú­bli­ca” da­que­le pro­jec­to de re­qua­li­fi­ca­ção. O de­cre­to pre­si­den­ci­al es­ti­pu­la­va que o pra­zo pa­ra o re­em­bol­so des­ta emis­são de dí­vi­da pú­bli­ca se­rá de se­te anos e que os ju­ros, de 5% ao ano, se­rão pa­gos se­mes­tral­men­te na mo­e­da de emis­são. O en­tão Go­ver­no da Pro- vín­cia de Lu­an­da as­su­miu a 28 de Mar­ço a ges­tão da re­qua­li­fi­ca­ção e re­or­de­na­men­to da marginal da baía, no âm­bi­to do res­ga­te or­de­na­do pe­lo exe­cu­ti­vo pa­ra sal­var o pro­jec­to. Re­cor­de-se que no dia 24 de Fe­ve­rei­ro de 2017 foi no­ti­ci­a­do que o Es­ta­do an­go­la­no iria pa­gar cer­ca de 350 mi­lhões de eu­ros pe­lo res­ga­te da So­ci­e­da­de Baía de Lu­an­da, res­pon­sá­vel pe­la re­a­bi­li­ta­ção e ges­tão da marginal da ca­pi­tal, de­vi­do à fal­ta de vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra do pro­jec­to. A de­ci­são cons­ta de um de­cre­to pre­si­den­ci­al em que é or­de­na­da a re­ver­são pa­ra o Es­ta­do, com “efei­tos ime­di­a­tos”, da com­po­nen­te pú­bli­ca do pro­jec­to de re­qua­li­fi­ca­ção da marginal baía de Lu­an­da, res­ga­tan­do no­me­a­da­men­te a to­ta­li­da­de dos di­rei­tos de con­ces­são de 13 par­ques de es­ta­ci­o­na­men­to, num to­tal de 2.740 lu­ga­res. Em cau­sa es­ta­vam es­pa­ços na marginal da ca­pi­tal an­go­la­na “con­tra­tu­al­men­te atri­buí­dos à Lu­an­da Wa­ter­front Cor­po­ra­ti­on”, nu­ma con­ces­são fei­ta por 30 anos atra­vés da So­ci­e­da­de Baía de Lu­an­da. O pro­jec­to de re­qua­li­fi­ca­ção da­que­la área, pre­ven­do na al­tu­ra um in­ves­ti­men­to glo­bal à vol­ta de dois mil mi­lhões de eu­ros, foi uma ini­ci­a­ti­va lan­ça­da em 2003 pe­lo con­sór­cio Lu­an­da Wa­ter­front Cor­po­ra­ti­on, do em­pre­sá­rio por­tu­guês Jo­sé Ré­cio, há mui­tos anos ra­di­ca­do em An­go­la. O de­cre­to pre­si­den­ci­al con­fir­ma­va que o pro­jec­to – inau­gu­ra­do em 2012, pe­lo

Go­ver­no, pou­co an­tes das elei­ções ge­rais – foi “to­tal­men­te fi­nan­ci­a­do” pe­la Lu­an­da Wa­ter­front Cor­po­ra­ti­on, so­ci­e­da­de co­mer­ci­al com se­de nas Ilhas Cai­mão. O res­ga­te pa­ra o Es­ta­do des­te pro­jec­to é jus­ti­fi­ca­do no mes­mo do­cu­men­to em fa­ce do “pre­sen­te mo­men­to de cri­se eco­nó­mi­ca”, que “con­du­ziu a uma al­te­ra­ção das cir­cuns­tân­ci­as”: “O mo­de­lo eco­nó­mi­co en­tão apro­va­do não se apre­sen­ta com vi­a­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra ade­qua­da à con­ti­nu­a­ção do pro­jec­to nos mol­des ini­ci­as”. “Pa­ra com­pen­sa­ção pe­lo res­ga­te e dos fu­tu­ros di­rei­tos de cons­tru­ção” em du­as par­ce­las da baía, o Es­ta­do atri­bui ao in­ves­ti­dor, atra­vés da So­ci­e­da­de Baía de Lu­an­da, “o mon­tan­te que é fi­xa­do no va­lor úni­co de 379 mi­lhões de dó­la­res”. “Ha­ven­do ne­ces­si­da­de de as­se­gu­rar a re­qua­li­fi­ca­ção da marginal de Lu­an­da na mo­bi­li­da­de urbana e no cum­pri­men­to da po­lí­ti­ca ha­bi­ta­ci­o­nal, o Es­ta­do e a Lu­an­da Wa­ter­front Cor­po­ra­ti­on acor­da­ram na re­vi­são do pro­jec­to de in­ves­ti­men­to pa­ra a re­qua­li­fi­ca­ção e re­or­de­na­men­to da marginal da Lu­an­da”, lê-se ain­da no de­cre­to, que re­sul­ta de uma de­ci­são do Con­se­lho de Mi­nis­tros (no qual con­ti­nu­a­va a pon­ti­fi­car João Lou­ren­ço), de 9 de Fe­ve­rei­ro de 2017. Des­ta for­ma, a So­ci­e­da­de Baía de Lu­an­da “ab­di­ca in­te­gral­men­te dos di­rei­tos de ex­plo­ra­ção, cons­tru­ção e de­sen­vol­vi­men­to” da par­ce­la B, de­fi­ni­da no pro­jec­to da re­a­bi­li­ta­ção da marginal, com um to­tal de 10.000 me­tros qua­dra­dos de área co­mer­ci­al ven­dá­vel, “re­ver­ten­do to­dos os di­rei­tos so­bre a mes­ma par­ce­la pa­ra o Es­ta­do an­go­la­no, sem qual­quer com­pen­sa­ção adi­ci­o­nal”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.