LU­AN­DA. A CA­PI­TAL DO… MPLA

Folha 8 - - DESTAQUE -

A pro­vín­cia de Lu­an­da de­ve­rá du­pli­car a po­pu­la­ção pa­ra 12,9 mi­lhões de ha­bi­tan­tes até 2030, o que obri­ga­rá – por exem­plo – à cons­tru­ção, no­me­a­da­men­te, de 13 no­vos hos­pi­tais, 1.500 es­co­las e de 1,4 mi­lhões de ca­sas. A in­for­ma­ção cons­ta­va, em 2016, do Pla­no Di­rec­tor Ge­ral Me­tro­po­li­ta­no de Lu­an­da, pre­pa­ra­do pe­lo Go­ver­no pa­ra a pro­vín­cia da ca­pi­tal e que se­ria ge­ri­do – co­mo tam­bém não po­de­ria dei­xar de ser… nes­sa al­tu­ra – por Isa­bel dos San­tos, pre­ven­do que só o mu­ni­cí­pio de Vi­a­na – o mais in­dus­tri­a­li­za­do do país – atin­ja den­tro de 15 anos os 3,1 mi­lhões de ha­bi­tan­tes. O do­cu­men­to faz tam­bém o di­ag­nós­ti­co da si­tu­a­ção ac­tu­al na pro­vín­cia, es­ti­man­do que 80% da po­pu­la­ção – de 6,5 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, um quar­to de to­do o país – vi­ve em mus­se­ques. E a in­de­pen­dên­cia foi há qua­se 43 anos, a paz che­gou há 16 anos e Edu­ar­do dos San­tos foi pre­si­den­te de 1979 a 2017. Nes­ta área, o pla­no, de­sig­na­do de “Lu­an­da 2030 – Ci­da­de ino­va­do­ra”, pre­vê (ou pre­via) re­a­lo­ja­men­to e re­ge­ne­ra­ção de vá­ri­as zo­nas da ca­pi­tal, no­me­a­da­men­te nas clas­si­fi­ca­das de “pri­o­ri­da­de mui­to al­ta”, por ris­cos de vi­da emi­nen­te ou inun­da­ção, en­tre ou­tros pro­ble­mas. Com o crescimento da po­pu­la­ção es­ti­ma­do pa­ra 12,9 mi­lhões de pes­so­as, e fa­ce às di­fi­cul­da­des de mo­bi­li­da­de que se re­gis­tam di­a­ri­a­men­te na ca­pi­tal, com fi­las in­ter­mi­ná­veis de trân­si­to e re­du­zi­das ofer­tas de trans­por­tes pú­bli­cos co­mo al­ter­na­ti­va, es­te pla­no de in­ter­ven­ção pre­vê obras em 446 qui­ló­me­tros de es­tra­das pri­má­ri­as e 676 qui­ló­me­tros de vi­as se­cun­dá­ri­as. Igual­men­te um sis­te­ma de com­boio su­bur­ba­no com 210 qui­ló­me­tros e 142 qui­ló­me­tros de cor­re­dor pa­ra trân­si­to ex­clu­si­vo de trans­por­tes pú­bli­cos. “As pou­pan­ças de tem­po pro­jec­ta­das nas vi­a­gens de car­ro po­dem re­pre­sen­tar o equi­va­len­te a 2% do PIB (Pro­du­to In­ter­no Bru­to) de Lu­an­da em 2030 , lê‐se no re­la­tó­rio. O consumo de água, pa­ra uso do­més­ti­co, co­mer­ci­al e in­dus­tri­al, mais do que de­ve­rá du­pli­car em 15 anos. O exe­cu­ti­vo tam­bém pre­via a cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras de sa­ne­a­men­to bá­si­co, com dois no­vos sis­te­mas, a nor­te e a sul da ca­pi­tal, a re­mo­ção da Es­ta­ção de Tra­ta­men­tos de Águas Re­si­du­ais (ETAR) re­mo­vi- da da marginal de Lu­an­da e a “reu­ti­li­za­ção de eflu­en­tes tra­ta­dos pa­ra agri­cul­tu­ra e fins in­dus­tri­ais”. As ne­ces­si­da­des de for­ne­ci­men­to de elec­tri­ci­da­de eram – di­zia o re­gi­me – ou­tra pri­o­ri­da­de do pla­no de de­sen­vol­vi­men­to pa­ra Lu­an­da, que de­fi­ne a ne­ces­si­da­de de ga­ran­tir uma po­tên­cia de 5.600 Me­gawatts (MW), con­tra os dis­po­ní­veis 1.700 MW. Es­se acrés­ci­mo se­ria ga­ran­ti­do atra­vés de no­vas cen­trais hi­dro­e­léc­tri­cas e tér­mi­cas em cons­tru­ção e ain­da com qua­tro li­nhas e 15 no­vas su­bes­ta­ções de trans­por­te. O pla­no ad­mi­te tam­bém, pa­ra jus­ti­fi­car o in­ves­ti­men­to a re­a­li­zar – não quan­ti­fi­ca­do -, que a re­cei­ta anu­al de consumo re­si­den­ci­al de ener­gia em Lu­an­da po­de­rá atin­gir, em 2030, os 23 mil mi­lhões de kwan­zas (165 mi­lhões de eu­ros) e com a água até 31 mil mi­lhões de kwan­zas (222 mi­lhões de eu­ros). Um ga­bi­ne­te ho­lan­dês foi es­co­lhi­do pe­las em­pre­sas res­pon­sá­veis pe­la re­a­bi­li­ta­ção da Marginal da Co­rim­ba, em Lu­an­da, pa­ra ela­bo­rar um pro­jec­to que até 2019 pre­via con­quis­tar ao mar uma área de 400 hec­ta­res pa­ra cons­tru­ção de uma au­to-es­tra­da e ma­ri- nas. Os po­bres con­ti­nu­am a ser 20 mi­lhões. Mas po­de­rão ser mais. Mui­tos mais. Se­gun­do in­for­ma­ção dis­po­ni­bi­li­za­da pe­lo Royal Has­ko­ningdhv, es­te ga­bi­ne­te foi se­lec­ci­o­na­do pe­lo con­sór­cio for­ma­do pe­las em­pre­sas Ur­bein­ves­te Pro­jec­tos Imo­bi­liá­ri­os, da em­pre­sá­ria Isa­bel dos San­tos (quem mais po­de­ria ser?), e Van Oord Dred­ging and Ma­ri­ne Con­tra­tors, pa­ra de­se­nhar o pro­jec­to téc­ni­co de uma obra ava­li­a­da em mais de mil mi­lhões de eu­ros. A no­va área vai (ou ia) nas­cer num li­to­ral de 10 qui­ló­me­tros, a sul de Lu­an­da, e ser­vi­rá pa­ra a cons­tru­ção da au­to-es­tra­da da Marginal da Co­rim­ba, além de um por­to de pes­ca, ma­ri­na e imo­bi­liá­rio. “O ob­jec­ti­vo prin­ci­pal des­te pro­jec­to é me­lho­rar a vi­da em Lu­an­da, uma ci­da­de que en­fren­ta enor­mes de­sa­fi­os de in­fra-es­tru­tu­ras cau­sa­dos pe­lo seu rá­pi­do crescimento po­pu­la­ci­o­nal. A no­va au­to-es­tra­da re­du­zi­rá o con­ges­ti­o­na­men­to do trá­fe­go e o no­vo por­to de pes­ca pro­por­ci­o­na­rá uma ba­se me­lho­ra­da e se­gu­ra pa­ra os pes­ca­do­res lo­cais, um co­mér­cio vi­tal em An­go­la”, ex­pli­cou o di­rec­tor da Royal Has­ko­ningDHV, Gert­jan Scha­ap.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.