CO­MU­NI­CA­DO MEN­TI­RO­SO E VERGONHOSO DO SIC-MO­XI­CO

O Ser­vi­ço de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal do Mo­xi­co emi­tiu um co­mu­ni­ca­do em re­ac­ção às de­nún­ci­as que te­mos vin­do a fa­zer so­bre a mor­te vi­o­len­ta do agen­te Er­mi­ro Jam­ba Ca­li­ma, que em vi­da foi agen­te da Po­lí­cia Na­ci­o­nal afec­to à 10.ª uni­da­de da Po­lí­cia de Guar­da F

Folha 8 - - CRONICA -

Oco­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do on­tem, 21, é tão vergonhoso por du­as ra­zões: pri­mei­ro por ofen­der a hon­ra e me­mó­ria de um ci­da­dão que pres­ta­va ser­vi­ços ao mi­nis­té­rio do In­te­ri­or, lo­go, co­le­ga dos que emi­tem o do­cu­men­to, e, se­gun­do, por es­tar cla­ro que uma ins­ti­tui­ção de in­ves­ti­ga­ção é tão má in­clu­si­ve a in­ven­tar men­ti­ras. Ve­ja­mos o que nos diz o SIC. O co­mu­ni­ca­do apon­ta, no seu se­gun­do pa­rá­gra­fo, que “o ma­lo­gra­do foi acu­sa­do de ter co­me­ti­do o cri­me de Ame­a­ças a um ci­da­dão, no pas­sa­do dia 6 do mês em cur­so, na lo­ca­li­da­de do Lum­ba­la Nguim­bo, que re­sul­tou na sua de­ten­ção e a ela­bo­ra­ção do com­pe­ten­te pro­ces­so-cri­me”. O SIC não diz o dia da de­ten­ção, ape­nas da acu­sa­ção, e não fa­la se­quer quem acu­sa – sa­be­mos que foi o de­pu­ta­do pe­lo MPLA Má­rio Sa­lo­mão por via te­le­fó­ni­ca ao co­man­dan­te pro­vin­ci­al. Os fa­mi­li­a­res sou­be­ram, ape­nas no dia 9, que Er­mi­ro es­te­ve de­ti­do des­de o dia 7 no Sic-lu­e­na. An­tes es­te­ve de­ti­do na es­qua­dra do Lum­ba­lo-nguim­bo, que o SIC ad­mi­te não ter con­di­ções. Mas a fa­mí­lia tem a cer­te­za que foi no dia 5 que Er­mi­ro des­lo­cou-se à quin­ta do de­pu­ta­do. Mas co­mo o lo­cal on­de es­te­ve de­ti­do o agen­te era des­co­nhe­ci­do pe­la fa­mí­lia, en­tão ques­ti­o­na-se quan­do Er­mi­ro foi mor­to – no dia 7 ou 8? Fon­tes do hos­pi­tal ge­ral do Mo­xi­co con­fir­mam que o ma­lo­gra­do foi ali dei­xa­do pe­lo SIC sem vi­da no dia 8. Im­por­ta abor­dar ra­pi­da­men­te a de­ten­ção pe­ran­te uma acu­sa­ção. Há pro­ce­di­men­tos pa­ra se efec­tu­ar uma de­ten­ção, e a pri­mei­ra é em ca­so de fla­gran­te de­li­to, nos ter­mos do ar­ti­go 5.º da Lei das Me­di­das Cau­te­la­res em Pro­ces­so Pe­nal - Lei n.º 25/15 (a lei 15+2 da pri­são do­mi­ci­li­ar). Pe­lo que mos­tra o co­mu­ni­ca­do, não hou­ve fla­gran­te de­li­to, ou se­ja, Er­mi­ro não foi de­ti­do quan­do pra­ti­ca­va uma ac­ção cri­mi­no­sa, mui­to me­nos em fu­ga da ce­na do cri­me. Em se­gui­da a lei pre­vê a de­ten­ção fo­ra do fla­gran­te de­li­to, mas es­ta só ocor­re me­di­an­te or­dem do ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, o que cla­ra­men­te não se ve­ri­fi­cou nes­se ca­so, co­mo es­tá evi­den­te no co­mu­ni­ca­do quan­do diz, no ter­cei­ro pa­rá­gra­fo, “en­quan­to o ma­lo­gra­do aguar­da­va nas ce­las pe­la de­ci­são do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co”. Hou­ve uma vi­o­la­ção da Lei n.º 25/15, uma de­ten­ção ile­gal. A mes­ma lei re­fe­re os prin­cí­pi­os e pres­su­pos­tos que de­vem con­for­mar a apli­ca­ção das me­di­das de co­ac­ção. O ar­ti­go 19.º dis­põe, co­mo pres­su­pos­tos, a fu­ga ou pe­ri­go de fu­ga, pe­ri­go de per­tur­ba­ção da ins­tru­ção do pro­ces­so, no­me­a­da­men­te, à pro­du­ção, con­ser­va­ção e in­te­gri­da­de da pro­va, pe­ri­go da con­ti- nu­a­ção da ac­ti­vi­da­de cri­mi­no­sa ou de per­tur­ba­ção gra­ve da or­dem e tran­qui­li­da­de pú­bli­ca, em fun­ção da na­tu­re­za, das cir­cuns­tân­ci­as do cri­me e da per­so­na­li­da­de do ar­gui­do. Vá­ri­os des­tes pres­su­pos­tos são lo­go des­car­ta­dos, e os que se po­dem evo­car pa­ra a de­ten­ção são in­te­gral­men­te apli­cá­veis aos ver­da­dei­ros cri­mi­no­sos que an­dam à sol­ta, co­mo Fi­lo­me­no dos San­tos e Je­an-clau­de Bas­tos de Mo­rais, ou a di­ver­sos fun­ci­o­ná­ri­os se­ni­o­res do go­ver­no do Mo­xi­co. Pas­se­mos à men­ti­ra gros­sei­ra e ver­go­nho­sa. “En­quan­to o ma­lo­gra­do aguar­da­va nas ce­las pe­la de­ci­são do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, por ra­zões des­co­nhe­ci­das pen­du­rou-se no gra­de­a­men­to de uma das ja­ne­las de on­de caiu, aca­ban­do por em­ba­ter in­ten­sa­men­te com o crâ­nio no chão, con­for­me tes­te­mu­nho dos de­mais detidos e pe­ri­ta­gem fei­ta no lo­cal”, lê-se no ter­cei­ro pa­rá­gra­fo. Não pre­ci­sa mui­ta aten­ção pa­ra per­ce­ber­mos as men­ti­ras nes­se pa­rá­gra­fo. O SIC, sem ver­go­nha, es­tá mes­mo a ad­mi­tir pu­bli­ca­men­te que o ma­lo­gra­do ten­tou en­for­car-se à pre­sen­ça de vá­ri­os detidos e que des­tes ne­nhum ten­tou im­pe­di-lo, ou cha­mar um agen­te que es­tão sem­pre por per­to pron­tos pa­ra dar uns pon­ta­pés aos detidos ou ne­go­ci­ar a sol­tu­ra? Ana­li­se­mos as ima­gens do ma­lo­gra­do pa­ra re­ba­ter a in­ven­ção de que caiu e em­ba­teu fa­tal­men­te no chão. Os si­nais que o cor­po apre­sen­ta não pa­re­cem ser de uma sim­ples que­da. Há he­ma­to­mas no pei­to, nos om­bros, nas cos­tas e barriga, até no ros­to. Ora, se foi uma que­da na sequên­cia de uma ten­ta­ti­va de sui­cí­dio, en­tão o ma­lo­gra­do es­ta­ria sus­pen­so há mui­tos me­tros de al­tu­ra do lo­cal do em­ba­te, e o tec­to das ce­las do SIC no Mo­xi­co não es­tá mais de qua­tro me­tros do so­lo, se­gun­do quem lá es­te­ve de­ti­do. E te­ria de exis­tir na ce­la di­ver­sos ob­jec­tos con­tun­den­tes, mó­veis ou imó­veis, o que não há nas ce­las. O SIC con­ti­nua di­zen­do que “hou­ve a pron­ta in­ter­ven­ção do cor­po de ser­vi­ço de guar­da”, de­pois da “ma­ni­fes­ta­ção de ou­tros detidos”. Es­tá a in­si­nu­ar que hou­ve “ou­tros detidos” fa­zen­do “ma­ni­fes­ta­ção” pa­ra sal­va­ção do agen­te Er­mi­ro e ou­tros tor­cen­do pe­la mor­te? Mui­to mal! Se re­al­men­te es­ti­ves­se nu­ma ce­la, pen­du­ra­do, os com­pa­nhei­ros de ce­la não lhe iri­am per­mi­tir ta­ma­nha bar­ba­ri­da­de, se­quer pen­du­rar-se. E quem es­te­ve pre­so sa­be dis­so. O pe­núl­ti­mo pa­rá­gra­fo é tam­bém uma confissão da de­le­ga­ção pro­vin­ci­al do mi­nis­té­rio do In­te­ri­or. Ad­mi­te que a au­tóp­sia foi fei­ta por so­li­ci­ta­ção da fa­mí­lia en­lu­ta­da, no dia 19, e não por obe­di­ên­cia aos pro­ce­di­men­tos le­gais. An­tes, o co­man­do pro­vin­ci­al da PN e o SIC co­a­gi­ram a fa­mí­lia a en­ter­rar o agen­te sem a au­tóp­sia, e in­clu­si­ve de­ram ba­nho ao ca­dá­ver, o trans­fe­ri­ram da mor­gue do hos­pi­tal ge­ral pa­ra a do hos­pi­tal mu­ni­ci­pal on­de não há ener­gia eléc­tri­ca, tu­do is­to pa­ra pres­si­o­nar a fa­mí­lia a re­a­li­zar o funeral sem ala­ri­do. Re­sul­ta­do da au­tóp­sia: trau­ma­tis­mo crâ­nio en­ce­fá­li­co. E o SIC es­cre­veu es­sas pa­la­vras em le­tras gar­ra­fais co­mo se fos­se uma gran­de des­co­ber­ta do CSI Mi­a­mi. A cau­sa da mor­te, pe­las ima­gens hor­ri­pi­lan­tes, ob­vi­a­men­te se­ria trau­ma­tis­mo crâ­nio en­ce­fá­li­co, o gol­pe à ca­be­ça é pro­fun­do, mas pro­vo­ca­do por uma tor­tu­ra de­su­ma­na, e não por uma que­da, co­mo mos­tra os de­mais si­nais. O co­mu­ni­ca­do do SIC pa­re­ce ter si­do es­cri­to no mes­mo la­bo­ra­tó­rio on­de foi pro­du­zi­do o re­fe­ren­te a mor­te de Lu­cas Chi­vu­ku­vu­ku. Am­bos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos – PN e PGR – sub­me­ti­dos a mé­to­dos de tor­tu­ra fí­si­ca, de­nun­ci­a­dos ve­zes sem con­ta, que le­van­ta o se­guin­te ques­ti­o­na­men­to: se agen­te da po­lí­cia e fun­ci­o­ná­rio da PGR são mor­tos des­ta for­ma por co­le­gas, co­mo se­ria se não fos­sem? Tal­vez fos­sem ati­ra­dos aos ja­ca­rés. Nou­tro ar­ti­go fa­la­re­mos so­bre o de­pu­ta­do Má­rio Sa­lo­mão, a re­la­ção com Ti­na, o guar­da da quin­ta e o co­man­dan­te e de­le­ga­do pro­vin­ci­al Di­as do Nas­ci­men­to, es­te que en­ten­de so­bre­tu­do de ja­ca­rés e afins.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.