“DE­POIS DE MIM VIRÁ QUEM DE MIM BOM FA­RÁ”, PEN­SA DOS SAN­TOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

João Lou­ren­ço as­cen­deu no 08.09 a pre­si­den­te do MPLA, par­ti­do no po­der em An­go­la des­de 1975, aca­ban­do com pra­ti­ca­men­te um ano de fal­sa “bi­ce­fa­lia” na li­de­ran­ça do país, re­for­çan­do a mar­gem pa­ra apro­fun­dar re­for­mas eco­nó­mi­cas e po­lí­ti­cas, ago­ra, sim, bi­ce­fa­li­ca­men­te. Mui­tos acre­di­tam que irá, ago­ra, fa­zer o que ain­da não fez: go­ver­nar o país. Pe­lo me­nos fi­ca sem es­sa des­cul­pa cha­ma­da José Edu­ar­do dos San­tos. Ac­tu­al che­fe de Es­ta­do, ven­ce­dor das elei­ções frau­du­len­tas e opa­cas de Agos­to de 2017 que de­ram a vi­tó­ria ao MPLA e ao seu ca­be­ça-de-lis­ta, João Lou­ren­ço es­te­ve de “ju­ris” co­mo vi­ce-pre­si­den­te do par­ti­do até 08.09, dia do VI Con­gres­so Ex­tra­or­di­ná­rio do par­ti­do, que cer­ti­fi­ca­rá o fim da era José Edu­ar­do dos San­tos, lí­der do par­ti­do des­de 1979. Men­tor de mui­tas e ines­pe­ra­das mu­dan­ças po­lí­ti­cas e eco­nó­mi­cas em 11 me­ses, com exo­ne­ra­ções em ca­ta­du­pa e cri­a­ção de co­mis­sões pa­ra tu­do e mais al­gu­ma coi­sa, João Lou­ren­ço ain­da não fa­lou so­bre o que se­rá o fu­tu­ro, mas al­guns ob­ser­va­do­res an­go­la­nos (dos que subs­cre­vem a pas­sa­gem de Edu­ar­do dos San­tos de bes­ti­al a bes­ta) ad­mi­tem que ao as­su­mir os dois car­gos – lí­der do par­ti­do e che­fe de Es­ta­do -, as re­for­mas em An­go­la irão mais lon­ge. A dois di­as do con­gres­so, des­co­nhe­ce-se, ain­da, quem irá as­su­mir o seu lu­gar de vi­ce-lí­der do par­ti­do e de se­cre­tá­rio-ge­ral, ac­tu­al­men­te ocu­pa­do por Pau­lo Kas­so­ma. Te­o­ri­ca­men­te re­for­ma­dor, João Lou­ren­ço tem ten­ta­do de vá­ri­as for­mas (até mes­mo se­lec­ci­o­nan­do al­vos fa­mi­li­a­res e ba­ju­la­do­res do an­te­ri­or Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, dos quais fez par­te) mos­trar-se di­fe­ren­te de José Edu­ar­do dos San­tos – Pre­si­den­te de An­go­la en­tre 1979 e 2017 – e tem re­cor­ri­do a al­te­ra­ções na no­men­cla­tu­ra do Es­ta­do sem a apa­ren­te con­sul­ta ao ain­da lí­der do MPLA (com quem, aliás, ti­nha as­su­mi­do es­se com­pro­mis­so), es­pe­ran­do-se, ago­ra, mu­dan­ças pro­fun­das no apa­re­lho de um par­ti­do que es­te­ve sem­pre no po- der des­de a in­de­pen­dên­cia do país, em 1975. Em­pos­sa­do a 26 de Se­tem­bro de 2017 co­mo ter­cei­ro Pre­si­den­te de An­go­la (Agos­ti­nho Ne­to foi o pri­mei­ro, en­tre 1975 e 1979, e José Edu­ar­do dos San­tos o se­gun­do), João Lou­ren­ço se­gue os mes­mos pas­sos que os seus an­te­ces­so­res tam­bém no MPLA, tor­nan­do-se o ter­cei­ro lí­der, qua­se nas mes­mas da­tas e igual­men­te es­tri­ba­do na re­gra de ou­ro que “o MPLA é An­go­la e An­go­la é o MPLA”. João Lou­ren­ço tem vin­do a de­sa­fi­ar a li­de­ran­ça no par­ti­do do ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, ao re­ti­rar vá- ri­os ne­gó­ci­os e car­gos aos fi­lhos da­que­le, no­me­a­da­men­te Isa­bel do San­tos e José Fi­lo­me­no dos San­tos, mas tam­bém a ou­tras fi­gu­ras pró­xi­mas a José Edu­ar­do dos San­tos. Aliás, mui­tas das su­as exo­ne­ra­ções re­ve­lam um acer­to de con­tas pes­so­al, cri­mi­na­li­zan­do to­dos aque­les que te­nham li­ga­ções fa­mi­li­a­res di­rec­tas a Edu­ar­do dos San­tos. Pri­mei­ro Pre­si­den­te an­go­la­no a che­gar ao car­go sem ter com­ba­ti­do na guer­ra co­lo­ni­al, o ge­ne­ral e ex-mi­nis­tro da De­fe­sa, de 64 anos, nas­ceu a 5 de Mar­ço de 1954, aci­den­tal­men­te, no Lo­bi­to (pro­vín­cia de Ben­gue­la), fi­lho de pai Kim­bun­du (Malanje/ Ca­te­te). João Ma­nu­el Gon­çal­ves Lou­ren­ço, po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­do por “JLO”, cons­truiu, po­rém, uma par­te do seu per­cur­so no MPLA de car­ti­lha po­lí­ti­ca na mão, co­mo co­mis­sá­rio po­lí­ti­co das FAPLA e não de ar­ma na mão, nas fren­tes de guer­ra. Ape­sar de não ter che­ga­do a com­ba­ter di­rec­ta­men­te o re­gi­me por­tu­guês – aca­ba­ra de com­ple­tar 20 anos quan­do se dá a “Re­vo­lu­ção dos Cra­vos” em Por­tu­gal (25 de Abril de 1974) -, vi­veu a opo­si­ção ao co­lo­ni­a­lis­mo ain­da cri­an­ça, ao ver o pai de­ti­do na ca­deia São Pau­lo, em Lu­an­da, en­tre 1958 e 1960, acu­sa­do de ac­ti­vi­da­de po­lí­ti­ca clan­des­ti­na, en­quan­to en­fer­mei­ro do por­to do Lo­bi­to. Pou­co an­tes da pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia an­go­la­na, fei­ta em Lu­an­da, pe­lo MPLA, e no Hu­am­bo pe­la UNITA e FNLA, a 11 de No­vem­bro de 1975, João Lou­ren­ço ini­cia (em 1974) a car­rei­ra mi­li­tar na Re­pú­bli­ca do Con­go, ten­do feito a sua pri­mei­ra ins­tru­ção po­lí­ti­co-mi­li­tar no Cen­tro de Ins­tru­ção Re­vo­lu­ci­o­ná­ria de Ka­lunga. Ho­je ge­ne­ral na re­for­ma, e até Ju­lho de 2017 mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, João Lou­ren­ço in­te­grou o pri­mei­ro gru­po de com­ba­ten­tes do MPLA que en­tra­ram em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal via Mi­con­ge, em di­rec­ção à ci­da­de de Cabinda, após a que­da do re­gi­me di­ta­to­ri­al por­tu­guês. De­pois de par­ti­ci­par em vá­ri­os com­ba­tes na fron­tei­ra nor­te, no pe­río­do de guer­ra ci­vil que se se­guiu à pro­cla­ma­ção da in­de­pen­dên­cia, João Lou­ren­ço ain­da fez for­ma­ção em ar­ti­lha­ria pe­sa­da e exer­ceu fun­ções de co­mis­sá­rio po-

lí­ti­co em di­ver­sos es­ca­lões, an­tes de par­tir pa­ra a en­tão União So­vié­ti­ca. É nes­se pro­ces­so de qua­li­fi­ca­ção das For­ças Ar­ma­das Po­pu­la­res de Li­ber­ta­ção de An­go­la (FAPLA) que, en­tre 1978 e 1982, re­for­ça a sua for­ma­ção mi­li­tar, além de ob­ter o tí­tu­lo de mes­tre em Ci­ên­ci­as His­tó­ri­cas, pe­la Aca­de­mia Po­lí­ti­co-Mi­li­tar V.I. Le­ni­ne. De novo em An­go­la, as­su­me, en­tre 1982 e 1990, vá­ri­os car­gos mi­li­ta­res, en­vol­ven­do-se em di­ver­sos com­ba­tes con­tra as FA­LA (for­ças da UNITA), so­bre­tu­do no cen­tro do país, até as­cen­der a ge­ne­ral das FAPLA. Co­me­ça en­tão um per­cur­so po­lí­ti­co den­tro do MPLA que o le­va­ria até se­cre­tá­rio-ge­ral do par­ti­do, en­tre 1998 a 2003. Com José Edu­ar­do dos San­tos a anun­ci­ar a in­ten­ção de dei­xar o po­der com o fim do con­fli­to ar­ma­do (2002), João Lou­ren­ço po­si­ci­o­nou-se na cor­ri­da à su­ces­são, o que lhe va­leu uma lon­ga tra­ves­sia no de­ser­to, de­pois de o en­tão Pre­si­den­te de­ci­dir man­ter-se no po­der. Co­me­çou aí a ger­mi­nar um acer­to de con­tas, ora con­su­ma­do, di­zem al­guns mi­li­tan­tes do MPLA que não sal­ta­ram a bar­ri­ca­da com a saí­da de José Edu­ar­do dos San­tos. A re­a­bi­li­ta­ção po­lí­ti­ca acon­te­ceu em Abril de 2014, quan­do é no­me­a­do por José Edu­ar­do dos San­tos pa­ra mi­nis­tro da De­fe­sa Na­ci­o­nal, cul­mi­na­do com a elei­ção, em con­gres­so, em Agos­to de 2016, co­mo vi­ce-pre­si­den­te do MPLA, an­te­ce­den­do a sua en­tra­da, por pro­pos­ta pes­so­al de Dos San­tos, na cor­ri­da elei­to­ral pa­ra che­fe de Es­ta­do an­go­la­no. João Ma­nu­el Gon­çal­ves Lou­ren­ço é ca­sa­do e pai de seis fi­lhos, ten­do co­mo pas­sa­tem­po a lei­tu­ra, o xa­drez, e a equi­ta­ção e é apai­xo­na­do pe­las no­vas tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção.

PRE­SI­DEN­TE JOÃO MA­NU­EL GON­ÇAL­VES LOU­REN­ÇO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.