BALANCETE DA CA­SA-CE

Folha 8 - - DESTAQUE -

O vi­ce-pre­si­den­te da CA­SA-CE, se­gun­da força po­lí­ti­ca da opo­si­ção que o MPLA per­mi­te que exis­ta, re­co­nhe­ce o con­tri­bu­to de José Edu­ar­do dos San­tos pa­ra a paz em An­go­la, mas, pe­sa­dos os fei­tos, a ba­lan­ça pen­de pa­ra o que “fez de ruim”. Lin­do Ber­nar­do Ti­to co­men­ta­va os 39 anos de li­de­ran­ça po­lí­ti­ca de José Edu­ar­do dos San­tos, di­zen­do que es­ta mu­dan­ça não cons­ti­tui uma “tran­si­ção”, mas sim uma “su­ces­são”, ten­do em con­ta que as “tran­si­ções são fei­tas as­sen­tes em ba­ses de prin­cí­pi­os de­mo­crá­ti­cos”. Se­gun­do Lin­do Ber­nar­do Ti­to é pre­ci­so, con­tu­do, re­co­nhe­cer que José Edu­ar­do dos San­tos “con­tri­buiu po­si­ti­va­men­te” pa­ra An­go­la. “As­su­miu as fun­ções aos 37 anos. Vai sair da vi­da po­lí­ti­ca com mui­to mais de 70 anos [tem 76]. E fez mui­to. Es­sen­ci­al­men­te foi aque­le que tra­ba­lhou pa­ra as­se­gu­rar a es­ta­bi­li­da­de po­lí­ti­ca, a paz e co­me­çou a tra­ba­lhar pa­ra a re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal, que é uma obra não ter­mi­na­da”, re­fe­riu. Ape­sar de te­rem si­do es­sas “as gran­des ques­tões” que José Edu­ar­do dos San­tos con­tri­buiu pa­ra o país, “há que re­co­nhe­cer que, nu­ma ba­lan­ça en­tre o que fez de bom e o ruim que ele fez, a ba­lan­ça pen­de pa­ra aqui­lo que ele fez de ruim”. Pa­ra o di­ri­gen­te da CA­SA-CE, José Edu­ar­do dos San­tos dei­xa “um país nu­ma si­tu­a­ção ex­tre­ma- men­te di­fí­cil”. “Ho­je, to­dos nós es­ta­mos con­vic­tos de que a pro­pa­gan­da que di­zia que o país ti­nha ru­mo, afi­nal, não ti­nha. Es­tá­va­mos com­ple­ta­men­te num po­ço. Bas­tou o pe­tró­leo bai­xar e tu­do veio ao de ci­ma. Daí que vai dei­xar o país nu­ma si­tu­a­ção ex­tre­ma­men­te di­fí­cil”, sa­li­en­tou. “Vai dei­xar An­go­la com ní­veis al­tos de po­bre­za, de­sem­pre­go, a fal­ta de ser­vi­ços es­sen­ci­ais, num país não de­sen­vol­vi­do, ape­sar de ter ge­ri­do mui­tos re­cur­sos pú­bli­cos. Sa­be­mos to­dos nós que ge­riu o país num mo­men­to em que o pe­tró­leo es­ta­va com um pre­ço al­tís­si­mo. En­fim, não foi um bom ges­tor”, acres­cen­tou. Re­la­ti­va­men­te à no­va li­de­ran­ça do MPLA, o po­lí­ti­co con­si­de­ra que é pre­ci­so ter-se pre­sen­te que João Lou­ren­ço “es­te­ve na mes­ma má­qui­na e nun­ca es­te­ve dis­tan­te”, des­de di­ri­gen­te do par­ti­do a mi­nis­tro. “João Lou­ren­ço ocu­pou fun­ções de des­ta­que nes­te país e es­te­ve no cen­tro das gran­des de­ci­sões que fo­ram to­ma­das nes­te país pe­lo Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA. Lo­go, co­nhe­ce a si­tu­a­ção e par­ti­ci­pou na si­tu­a­ção em que vi­ve­mos”, lem­brou. De acor­do com Lin­do Ber­nar­do Ti­to, o su­ces­sor de José Edu­ar­do dos San­tos “par­ti­ci­pou e tem uma quo­ta-par­te tam­bém” na si­tu­a­ção que os an­go­la­nos vi­vem ho­je.

VI­CE-PRE­SI­DEN­TE DA CA­SA-CE, LIN­DO BER­NAR­DO TI­TO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.