… E A HIS­TÓ­RIA DA BI­CE­FA­LIA

Folha 8 - - DESTAQUE -

O Co­mi­té Cen­tral do MPLA apro­vou no dia 29 de Ju­nho, por acla­ma­ção, a can­di­da­tu­ra do ac­tu­al vi­ce-pre­si­den­te do par­ti­do (e che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, João Lou­ren­ço, ao car­go de pre­si­den­te do par­ti­do. A “no­vi­da­de” qua­se fa­zia pa­rar o país. Na de­mo­cra­cia “ma­de in MPLA” o par­ti­do es­co­lhe, apro­va e acla­ma a can­di­da­tu­ra e ai de quem se atre­va a dis­cor­dar. A in­for­ma­ção cons­ta do co­mu­ni­ca­do fi­nal da ter­cei­ra ses­são ex­tra­or­di­ná­ria do Co­mi­té Cen­tral, re­a­li­za­da em Lu­an­da sob ori­en­ta­ção do pre­si­den­te do par­ti­do, José Edu­ar­do dos San­tos. O do­cu­men­to su­bli­nha que o Co­mi­té Cen­tral rei­te­rou os gran­des ob­jec­ti­vos do 6.º con­gres­so ex­tra­or­di­ná­rio do par­ti­do, mar­ca­do pa­ra 8 de Se­tem­bro des­te ano, que vai de­cor­rer sob o le­ma: “MPLA com a Força do Pas­sa­do e do Pre­sen­te, Cons­tru­a­mos um Fu­tu­ro Me­lhor”. So­bre a tran­si­ção po­lí­ti­ca na li­de­ran­ça do par­ti­do, com a saí­da de José Edu­ar­do dos San­tos, o Co­mi­té Cen­tral con­si­de­rou que “de­ve con­ti­nu­ar a de­cor­rer num am­bi­en­te de per­fei­ta har­mo­nia, am­pla par­ti­ci­pa­ção e acei­ta­ção dos mi­li­tan­tes, na sal­va­guar­da dos prin­cí­pi­os e va­lo­res do MPLA, com vis­ta ao re­for­ço da uni­da­de e co­e­são no seio do par­ti­do”. “A re­a­li­za­ção do 6.º con­gres­so ex­tra­or­di­ná­rio do MPLA cons­ti­tui, pois, um mo­men­to su­bli­me de con­gre­ga­ção da fa­mí­lia MPLA, on­de os de­le­ga­dos par­ti­ci­pan­tes ao even­to em re­pre­sen­ta­ção de to­dos os mi­li­tan­tes, re­a­fir­ma­rão o de­se­jo em apoi­ar a no­va li­de­ran­ça do par­ti­do, vi­san­do os de­sa­fi­os do pre­sen­te e do fu­tu­ro”, re­fe­re o co­mu­ni­ca­do. O Co­mi­té Cen­tral ma­ni­fes­tou ain­da “pro­fun­do re­co­nhe­ci­men­to e gra­ti­dão ao ca­ma­ra­da pre­si­den­te José Edu­ar­do dos San­tos pe­la for­ma ím­par co­mo di­ri­giu os des­ti­nos do MPLA e do país du­ran­te os úl­ti­mos 39 anos, par­ti­cu­lar­men­te aos pro­ces­sos de paz e re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal e pe­la for­ma exem­plar co­mo tem es­ta­do a con­du­zir o pro­ces­so de tran­si­ção po­lí­ti­ca no país”. No dis­cur­so de aber­tu­ra des­sa reu­nião, o lí­der do par­ti­do dis­se que o con­gres­so “de­cor­re­rá sem dú­vi­da nu­ma at­mos­fe­ra de fra­ter­ni­da­de e ca­ma­ra­da­gem”. O Bu­re­au Po­lí­ti­co já ti­nha di­to o mes­mo. Por­tan­to, com mui­to par­to de 100 por cen­to dos “vo­tos”, no dia 8 de Se­tem­bro o MPLA te­rá “O novo es­co­lhi­do de Deus”. O Co­mi­té Cen­tral do MPLA já ti­nha apro­va­do no fi­nal de Maio a pro­pos­ta de can­di­da­tu­ra de João Lou­ren­ço ao car­go de pre­si­den­te do par­ti­do, que é li­de­ra­do des­de 1979 por José Edu­ar­do dos San­tos. Fa­la­mos, por is­so, de mais do mes­mo e até fi­ca­mos (pen­sam eles) com a sen­sa­ção de que o MPLA é um par­ti­do de­mo­crá­ti­co. Vão as­sim di­mi­nuir os co­men­tá­ri­os so­bre a exis­tên­cia de uma su­pos­ta bi­ce­fa­lia en­tre João Lou­ren­ço e o lí­der do par­ti­do, José Edu­ar­do dos San­tos, José Edu­ar­do dos San­tos, de 75 anos, anun­ci­ou em 2016 que de­ve­ria dei­xar a vi­da po­lí­ti­ca ac­ti­va es­te ano, ten­do con­fir­ma­do a sua saí­da, na úl­ti­ma ses­são ex­tra­or­di­ná­ria do Co­mi­té Cen­tral do MPLA, re­a­li­za­da a 25 de Maio, ar­gu­men­tan­do que “tu­do o que tem um co­me­ço tem um fim”. A li­de­ran­ça do MPLA foi as­su­mi­da por José Edu­ar­do dos San­tos a 21 de Se­tem­bro de 1979, na sequên­cia da mor­te do pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, António Agos­ti­nho Ne­to, a 10 de Se­tem­bro do mes­mo ano, em Mos­co­vo. Na al­tu­ra, com 37 anos, José Edu­ar­do dos San­tos ad­mi­tiu que não se­ria “uma subs­ti­tui­ção fá­cil nem pos­sí­vel”. Ao con­trá­rio da te­se im­pos­ta por João Lou­ren­ço e “li­vre­men­te” acei­te pe­los di­ri­gen­tes do par­ti­do, o MPLA, des­de que o seu Pre­si­den­te, José Edu­ar­do dos San­tos, dei­xou de ser Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca co­me­çou a mos­trar um di­na­mis­mo as­si­na­lá­vel e, re­co­nhe­ça-se, mui­to mais po­lí­ti­co e so­ci­al do que nos 38 anos em que o seu lí­der acu­mu­la­va as du­as fun­ções. Se­ja por cor­res­pon­der a uma ten­ta­ti­va pa­ra que o seu Pre­si­den­te não per- des­se po­der, se­ja por­que os lai­vos de uma de­mo­cra­cia in­ter­na, em­bo­ra ain­da em­bri­o­ná­ria, co­me­ça­vam a me­drar, foi vi­sí­vel que o MPLA da­va si­nais de que, afi­nal, não era in­com­pa­tí­vel (pe­lo con­trá­rio) o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ser um e o Pre­si­den­te do par­ti­do que o sus­ten­ta po­li­ti­ca­men­te ser ou­tro. Nas de­mo­cra­ci­as mais avan­ça­das do mun­do, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca – mes­mo nos ca­sos em que acu­mu­la o car­go com o po­der exe­cu­ti­vo – não é o lí­der do par­ti­do a que per­ten­ce. Aliás, até mes­mo por uma ques­tão de éti­ca e mo­ral, ao ser elei­to Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, João Lou­ren­ço pas­sou (ou de­ve­ria ter pas­sa­do) a ser o Pre­si­den­te de to­dos os an­go­la­nos e não ape­nas dos que são do MPLA. Do pon­to de vis­ta do fun­ci­o­na­men­to de­mo­crá­ti­co, cer­ta­men­te que os de­pu­ta­dos do MPLA te­ri­am mais li­ber­da­de de es­co­lha e de po­si­ci­o­na­men­to em re­la­ção às ques­tões que pre­o­cu­pam o país, se o Ti­tu­lar do Po­der Exe­cu­ti­vo não fos­se Pre­si­den­te (nem vi­ce-pre­si­den­te) do seu par­ti­do. Che­ga­ram a ser vi­sí­veis du­as cor­ren­tes de opinião, tan­to no seio do MPLA co­mo na pró­pria so­ci­e­da­de. A mai­o­ria a de­fen­der que o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de­ve ser tam­bém Pre­si­den­te do par­ti­do. Fo­ram 42 anos a fun­ci­o­nar nes­se sis­te­ma e, cris­ta­li­za­dos no te­mor de que pa­ra pi­or já bas­ta as­sim, os an­go­la­nos (so­bre­tu­do os do MPLA) con­ti­nu­am agar­ra­dos ao pas­sa­do. O “MPLA pós 2017”pa­re­ceu que­rer as­su­mir um pa­pel novo e mais ac­tu­an­te, no con­cer­to da tri­bo par­ti­do­cra­ta e da so­ci­e­da­de, com a re­a­li­za­ção de ac­tos nor­mais e re­gu­la­res de um par­ti­do po­lí­ti­co que há mui­to não se as­sis­tia. Re­gis­te-se, por exem­plo, que es­te ano o se­cre­ta­ri­a­do do bu­re­au po­lí­ti­co do MPLA já se reu­niu mais ve­zes (na sua se­de, sob li­de­ran­ça do pre­si­den­te), do que em cer­ca de 24 me­ses de ac­ti­vi­da­de em 2016 e 2017. A jus­ti­fi­ca­ção re­si­de no fac­to, di­zem, de pe­la pri­mei­ra vez em 42 anos ter um Pre­si­den­te ex­clu­si­va­men­te vi­ra­do pa­ra a sua or­ga­ni­za­ção in­ter­na e de­mi­ti­do das ta­re­fas do Es­ta­do. O MPLA co­lo­ca­va-se des­ta for­ma, pe­la pri­mei­ra vez, igual aos de­mais par­ti­dos, on­de o seu ac­tu­al Pre­si­den­te, te­ria ape­nas pa­pel du­plo, num úni­co ór­gão: Con­se­lho da Re­pú­bli­ca, on­de tem as­sen­to co­mo pre­si­den­te do MPLA e ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. O mo­de­lo po­de­ria re­pre­sen­tar um ga­nho pa­ra a ver­da­de de­mo­crá­ti­ca, não ten­do ele ca­pa­ci­da­de de fa­zer dos co­fres do Es­ta­do a ex­ten­são das ne­ces­si­da­des fi­nan­cei­ras do par­ti­do, pa­ra ma­nu­ten­ção do po­der e ali­men­ta­ção da má­qui­na da frau­de es­ta­tal. Mas não vai ser as­sim. João Lou­ren­ço ja­mais po­de­rá di­zer que é Pre­si­den­te de to­dos os an­go­la­nos. Pe­lo me­nos en­quan­to não con­se­guir, co­mo é seu de­se­jo, que to­dos os an­go­la­nos se­jam do MPLA.

EX-LÍ­DER DO MPLA, JOSÉ EDU­AR­DO DOS SAN­TOS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.