SAI FEITICEIRO (BEN)EMÉRITO E EN­TRA KIMBANDA GE­NE­RAL

Folha 8 - - POLITICA - TEX­TO DE ORLANDO CAS­TRO

OP­re­si­den­te do MPLA, José Edu­ar­do dos San­tos, clas­si­fi­cou o seu úl­ti­mo man­da­to pre­si­den­ci­al co­mo es­tá­vel “po­lí­ti­ca e so­ci­al­men­te”, ape­sar da cri­se eco­nó­mi­ca, fa­lan­do de uma opor­tu­ni­da­de boa pa­ra o país se li­ber­tar da de­pen­dên­cia ex­ces­si­va do pe­tró­leo. José Edu­ar­do dos San­tos, Pre­si­den­te de An­go­la du­ran­te 38 anos, nun­ca no­mi­nal­men­te elei­to, e lí­der do MPLA, par­ti­do no po­der há qua­se 43 anos (des­de a in­de­pen­dên­cia), fez es­tas de­cla­ra­ções na úl­ti­ma reu- nião do seu do­mes­ti­ca­do, ser­vil e ba­ju­la­dor Con­se­lho de Mi­nis­tros. O en­tão che­fe de Es­ta­do lem­brou que “em tem­po opor­tu­no” foi ac­ci­o­na­da uma es­tra­té­gia pa­ra fa­zer fa­ce à cri­se, com vis­ta a se ini­ci­ar “um novo ci­clo eco­nó­mi­co de es­ta­bi­li­da­de, não de­pen­den­te do pe­tró­leo, co­mo prin­ci­pal fon­te de re­cei­ta fis­cal e de ex­por­ta­ções do país”. Prin­ci­pal e qua­se úni­ca, di­ga-se. Se­gun­do José Edu­ar­do dos San­tos, o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca tem co­mo fo­co, o au­men­to da pro­du­ção in­ter­na, a re­du­ção das im­por­ta­ções, o for­ne­ci­men­to do te­ci­do em­pre­sa­ri­al na­ci­o­nal, a pro­mo­ção e cri­a­ção de

em­pre­go, bem co­mo a di­ver­si­fi­ca­ção das fon­tes de re­cei­tas fis­cais e de di­vi­sas. Pa­ra além de di­zer o que es­tá es­cri­to em qual­quer ma­nu­al de eco­no­mia, esqueceu-se de re­fe­rir que há de­ze­nas de anos ou, pe­lo me­nos, des­de 2002 (com o fim da guer­ra ci­vil) de­ve­ria ter apos­ta­do nes­sa di­ver­si­fi­ca­ção que ago­ra ain­da es­tá (se­ja­mos op­ti­mis­tas) na fa­se em­bri­o­ná­ria. A ca­pa­ci­da­de de ra­pi­da­men­te se en­con­trar so­lu­ções pa­ra ul­tra­pas­sar os pro­ble­mas mais pre­men­tes e da adap­ta­ção às con­tin­gên­ci­as ob­jec­ti­vas dos con­tex­tos in­ter­nos e ex­ter­nos foi um dos tra­ços fun­da­men­tais, que ca­rac­te­ri­za­ram o man­da­to do seu Go­ver­no, con­si­de­rou José Edu­ar­do dos San­tos num (mais um) ma­ni­fes­to aten­ta­do à in­te­li­gên­cia dos an­go­la­nos, não tan­to à dos seus acó­li­tos que con­si­de­ram (até João Lou­ren­ço che­gar ao trono) tu­do o que diz co­mo um ac­to di­vi­no e que, além dis­so, só pen­sam o que o che­fe pen­sa. O apoio “ines­ti­má­vel” dos mem­bros do exe­cu­ti­vo (in­cluin­do o de João Lou­ren­ço), foi re­al­ça­do por Edu­ar­do dos San­tos, na su­pe­ra­ção e vi­tó­ria dos múl­ti­plos obs­tá­cu­los que sur­gi­ram nos úl­ti­mos anos. O que José Edu­ar­do dos San­tos cha­ma de apoio “ines­ti­má­vel” não pas­sa de ma­ni­fes­ta­ções ca­ni­nas de um exa­cer­ba­do cul­to ao che­fe, tal co­mo acon­te­ce nou­tras re­le­van­tes de­mo­cra­ci­as do mun­do, ca­sos da Co­reia do Nor­te e da Gui­né Equa­to­ri­al. Fi­de­li­da­de ca­ni­na que mu­da, es­te fim-de-se­ma­na, pa­ra João Lou­ren­ço. “Foi por­que vo­cês sou­be­ram co­lo­car à dis­po­si­ção do país as vos­sas ca­pa­ci­da­des, ap­ti­dões, co­nhe­ci­men­tos e von­ta­de de triun­far, as­su­min­do com res­pon­sa­bi­li­da­de e sen­ti­do de Es­ta­do, os de­ve­res de que es­tão in­cum­bi­dos pe­la lei e pe­la Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca”, dis­se o ex-Pre­si­den­te. Se An­go­la não fos­se – por exem­plo – um dos paí­ses mais cor­rup­tos do mun­do, não fos­se o país com o mai­or ín­di­ce de mor­ta­li­da­de in­fan­til e não ti­ves­se 20 mi­lhões de po­bres (pa­ra além da mu­lher mais ri­ca de Áfri­ca, por si­nal sua fi­lha), até da­ria pa­ra rir com es­ta ane­do­ta con­ta­da por Edu­ar­do dos San­tos. Pa­ra José Edu­ar­do dos San­tos, o pro­ces­so elei­to­ral de 23 de Agos­to cons­ti­tuiu a pro­va de que “as se­men­tes lan­ça­das à ter­ra es­tão a ger­mi­nar e de que o po­vo an­go­la­no vai, de cer­te­za, co­lher bons fru­tos, a mé­dio pra­zo”. O MPLA es­tá no po­der des­de 1975 e por lá vai fi­car. Com o po­der ab­so­lu­to que ti­nha nas mãos, José Edu­ar­do dos San­tos foi um dos di­ta­do­res ou, na me­lhor das hi­pó­te­ses, um pre­si­den­te au­to­crá­ti­co, que mais tem­po es­te­ve em exer­cí­cio. Na­da, mes­mo na­da, abo­na do pon­to de vis­ta de­mo­crá­ti­co, hu­ma­no e ci­vi­li­za­ci­o­nal a seu fa­vor. Sa­be to­do o mun­do, mas so­bre­tu­do e mais uma vez Áfri­ca, que se o po­der cor­rom­pe, o po­der ab­so­lu­to cor­rom­pe ab­so­lu­ta­men­te. É o ca­so em An­go­la. Só em ditadura, mes­mo que le­gi­ti­ma­da pe­los vo­tos com­pra­dos a um po­vo que qua­se sem­pre pen­sa com a bar­ri­ga (va­zia) e não com a ca­be­ça, é pos­sí­vel es­tar tan­tos anos no po­der. Em qual­quer Es­ta­do de Di­rei­to De­mo­crá­ti­co tal não se­ria pos­sí­vel. Aliás, e An­go­la não fo­ge in­fe­liz­men­te à re­gra, Áfri­ca con­ti­nua a ser um al­fo­bre cons­tan­te e ha­bi­tu­al de con­fli­tos ar­ma­dos por­que a fal­ta de de­mo­cra­ti­ci­da­de obri­ga a que a al­ter­nân­cia po­lí­ti­ca se­ja con­quis­ta­da pe­la lin­gua­gem das ar­mas. Há ob­vi­a­men­te ou­tras ra­zões, mas quan­do se jul­ga que elei­ções ma­ni­pu­la­das a frau­du­len­tas são só por si si­nó­ni­mo de de­mo­cra­cia es­tá-se a ca­mi­nhar pa­ra a ditadura. Com Edu­ar­do dos San­tos pas­sou-se exac­ta­men­te is­so. A guer­ra le­gi­ti­mou tu­do o que se con­se­gue ima­gi­nar de mau. Per­mi­tiu ao pre­si­den­te per­pe­tu­ar-se no po­der, tal co­mo co­mo per­mi­tiu que a UNITA dis­ses­se que es­sa era (e pe­lo que se vai ven­do até pa­re­ce que ti­nha ra­zão) a úni­ca via pa­ra mu­dar de do­no do país. Mas, ao fim de to­das es­tas dé­ca­das, a si­tu­a­ção é a mes­ma. O do­no do país con­ti­nua a ser o MPLA. É cla­ro que, é sem­pre as­sim nas di­ta­du­ras, o po­vo foi sem­pre e con­ti­nua a ser (as elei­ções não al­te­ra­ram a gé­ne­se da ditadura, ape­nas a ma­qui­lha­ram) car­ne pa­ra ca­nhão. Por ou­tro la­do, a tí­pi­ca hi­po­cri­sia das gran­des po­tên­ci­as oci­den­tais, no­me­a­da­men­te EUA e União Eu­ro­peia, aju­dou a do­tar José Edu­ar­do dos San­tos com o ró­tu­lo de gran­de es­ta­dis­ta. Ró­tu­lo que não cor­res­pon­de ao pro­du­to. Es­sa op­ção es­tra­té­gi­ca de nor­te-ame­ri­ca­nos e eu­ro­peus tem, re­co­nhe­ça-se, ra­zão de ser so­bre­tu­do no âm­bi­to eco­nó­mi­co. E as­sim vai con­ti­nu­ar. Afi­nal, só mu­dou o rei. Os es­cra­vos con­ti­nu­am a ser os mes­mos e o rei­no tam­bém. É mui­to mais fá­cil ne­go­ci­ar (a Chi­na que o di­ga) com um re­gi­me di­ta­to­ri­al do que com um que se­ja de­mo­crá­ti­co. É mui­to mais fá­cil ne­go­ci­ar com um par­ti­do que, à par­ti­da, se sa­be que irá es­tar na ca­dei­ra do po­der du­ran­te de­ze­nas de anos, do que com al­gum que po­de ao fim de um par de anos ser subs­ti­tuí­do pe­la li­vre es­co­lha po­pu­lar. É, co­mo acon­te­ce com a eli­te do MPLA, mui­to mais fá­cil ne­go­ci­ar com o lí­der de um clã par­ti­dá­rio que re­pre­sen­ta qua­se 100 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to, do que com um ou­tro que não se­ja do­no do país mas ape­nas, co­mo acon­te­ce nas de­mo­cra­ci­as, re­pre­sen­tan­te tem­po­rá­rio do po­vo so­be­ra­no. Re­co­nhe­ça-se, en­tre­tan­to e nes­ta ho­ra de des­pe­di­da, a es­ta­tu­ra po­lí­ti­ca de José Edu­ar­do dos San­tos, vi­sí­vel so­bre­tu­do a par­tir do mo­men­to em que dei­xou de po­der con­tar com Jo­nas Sa­vim­bi co­mo bo­de ex­pi­a­tó­rio pa­ra tu­do o que de mal se pas­sa­va em An­go­la. Des­de 2002, tem con­se­gui­do fin­gir que de­mo­cra­ti­za o país e, mais do que is­so, con­se­guiu (em­bo­ra não por mé­ri­to seu mas, is­so sim, por de­mé­ri­to da UNITA) do­mes­ti­car com­ple­ta- men­te to­dos aque­les que lhe po­de­ri­am fa­zer fren­te. To­dos sa­bem que Edu­ar­do dos San­tos, e ago­ra João Lou­ren­ço, não têm as mãos lim­pas de san­gue. Mas es­sa tam­bém não é uma pre­o­cu­pa­ção. Quan­do se tem mi­lhões, pou­co im­por­ta co­mo es­tão as mãos. Aliás, es­ses mi­lhões ser­vem tam­bém pa­ra bran­que­ar, pa­ra lim­par, pa­ra trans­plan­tar, pa­ra com­prar (qua­se) tu­do e (qua­se) to­dos. Tu­do is­to é pos­sí­vel com al­gu­ma fa­ci­li­da­de quan­do se é do­no de um país ri­co e, des­sa for­ma, se con­se­gue tu­do o que se quer. E quan­do apa­re­cem pes­so­as que não es­tão à ven­da mas in­co­mo­dam e ame­a­çam o trono, há sem­pre for­ma de as fa­zer cho­car com uma ba­la. Acres­ce, e nis­so os an­go­la­nos não são di­fe­ren­tes de qual­quer ou­tro po­vo, que con­ti­nua vá­li­da a te­se de que “se não con­se­gues ven­cê-los jun­ta-te a eles”. Não ad­mi­ra por is­so que José Edu­ar­do dos San­tos te­nha ti­do, en­quan­to de­ten­tor do po­der, mi­lhões de se­gui­do­res, se­jam mi­li­ta­res, po­lí­ti­cos, em­pre­sá­ri­os ou jor­na­lis­tas. Tam­bém não ad­mi­ra que to­dos eles es­te­jam ago­ra com João Lou­ren­ço. É cla­ro que, com um ou com o ou­tro, o Po­vo con­ti­nua a ser ge­ra­do com fo­me, a nas­cer com fo­me, e a mor­rer pou­co de­pois… com fo­me. E a fo­me, a mi­sé­ria, as do­en­ças, as as­si­me­tri­as so­ci­ais são cha­gas im­pu­tá­veis ao Po­der. Até um dia, co­mo é ób­vio. E es­se dia não é ama­nhã, nem de­pois de ama­nhã. Is­to por­que ago­ra vão ape­nas mu­dar al­gu­mas mos­cas. Es­se dia se­rá quan­do José Edu­ar­do dos San­tos e o MPLA fo­rem jul­ga­do pe­los cri­mes co­me­ti­dos e quan­do An­go­la for o que nun­ca con­se­guiu ser nes­tes 42 anos: uma de­mo­cra­cia e um Es­ta­do Di­rei­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.