RE­SER­VA EM DI­VI­SAS? TU­DO NOR­MAL. IS­TO É, EM QUE­DA

Folha 8 - - ECONOMIA -

As Re­ser­vas In­ter­na­ci­o­nais Lí­qui­das (RIL) an­go­la­nas caí­ram qua­se 10% en­tre Ju­lho e Agos­to, pa­ra 12.662 mi­lhões de dó­la­res (10.900 mi­lhões de eu­ros), em mí­ni­mos des­de o úl­ti­mo pe­di­do de as­sis­tên­cia de An­go­la ao Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI), em 2009. A in­for­ma­ção re­sul­ta de da­dos pre­li­mi­na­res de Agos­to do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), com­pi­la­dos pe­la Lu­sa, so­bre as RIL, que no es­pa­ço de um mês caí­ram o equi­va­len­te a 1.340 mi­lhões de dó­la­res (1.150 mi­lhões de eu­ros). Es­tas re­ser­vas, de mo­e­da es­tran­gei­ra e que tam­bém ser­vem pa­ra pa­gar as im­por­ta­ções, ga­ran­tem as ne­ces­si­da­des de seis

me­ses de im­por­ta­ções por An­go­la e ti­nham atin­gi­do em Maio os 14.398 mi­lhões de dó­la­res (12.392 mi­lhões de eu­ros), que foi en­tão o

va­lor mais al­to des­de Ou­tu­bro de 2017. O Go­ver­no an­go­la­no anun­ci­ou en­tre­tan­to que o novo pla­no de as­sis­tên­cia

que es­tá a ser ne­go­ci­a­do com o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) te­rá uma com­po­nen­te fi­nan­cei­ra, a três anos, que po­de­rá

che­gar a 4.500 mi­lhões de dó­la­res (3.780 mi­lhões de eu­ros). Des­de as elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to do ano pas­sa-

do, que le­va­ram à che­ga­da ao po­der de João Lou­ren­ço, elei­to – co­mo ca­be­ça-de-lis­ta do par­ti­do mais vo­ta­do, o MPLA – ter­cei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, es­tas re­ser­vas – que es­tão em mí­ni­mos des­de 2010, após a in­ter­ven­ção, com apoio fi­nan­cei­ro, do FMI – já caí­ram mais de 2.500 mi­lhões de dó­la­res (2.150 mi­lhões de eu­ros). O BNA tem uti­li­za­do es­tas re­ser­vas pa­ra ven­der di­vi­sas aos ban­cos co­mer­ci­ais e ga­ran­tir a importação de ali­men­tos, má­qui­nas e ma­té­ria-pri­ma pa­ra a in­dús­tria, que por sua vez es­tão a me­nos de me­ta­de do va­lor con­ta­bi­li­za­do an­tes da cri­se da co­ta­ção do pe­tró­leo. No iní­cio de 2014, an­tes dos efei­tos da cri­se pro­vo­ca­da pe­la que­bra da co­ta­ção do pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, as re­ser­vas an­go­la­nas as­cen­di­am a 31.154 mi­lhões de dó­la­res (26.805 mi­lhões de eu­ros). An­go­la en­fren­ta di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, eco­nó­mi­cas e cam­bi­ais, ten­do o BNA au­men­ta­do a ven­da de di­vi­sas (eu­ros) à ban­ca co­mer­ci­al an­go­la­na, que es­tá sem aces­so a dó­la­res fa­ce à sus­pen­são das li­ga­ções com cor­res­pon­den­tes ban­cá­ri­os in­ter­na­ci­o­nais. No Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra 2018, o Go­ver­no re­cor­da que o vo­lu­me de re­ser­vas de­ve­ria ter si­do, na pre­vi­são an­te­ri­or, de 19.000 mi­lhões de dó­la­res (16.480 mi­lhões de eu­ros) no fi­nal de 2017. Con­tu­do, com a ma­nu­ten­ção da ta­xa de câm­bio ao lon­go de 2017 – sem qual­quer des­va­lo­ri­za­ção do kwan­za -, as RIL re­du­zi­ram-se até De­zem­bro a 14.480 mi­lhões de dó­la­res (12.300 mi­lhões de eu­ros). “O nú­me­ro de me­ses de importação co­ber­tos pe­las RIL si­tua-se ago­ra em 5,49, abai­xo dos seis re­co­men­da­dos pe­las me­tas de con­ver­gên­cia da SADC [Southern Afri­can De­ve­lop­ment Com­mu­nity]”, aler­ta o Go­ver­no, no OGE apro­va­do em Mar­ço. En­tre Agos­to de 2016 e Ju­lho de 2017, o ban­co cen­tral – que ac­tu­al­men­te é

o úni­co for­ne­ce­dor de di­vi­sas à ban­ca co­mer­ci­al – ain­da au­men­tou a in­jec­ção de mo­e­da es­tran­gei­ra no mer­ca­do cam­bi­al pri­má­rio, com ven­das di­rec­tas aos ban­cos. No en­tan­to, a par­tir das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to de 2017, es­sas ven­das por par­te do BNA caí­ram for­te­men­te. As re­ser­vas con­ta­bi­li­za­das pe­lo BNA são cons­ti­tuí­das com ba­se em dis­po­ni­bi­li­da­des e apli­ca­ções so­bre não re­si­den­tes, bem co­mo obri­ga­ções de cur­to pra­zo. Es­tas ven­das fei­tas pe­lo BNA fo­ram, en­tre­tan­to, subs­ti­tuí­das em 9 de Ja­nei­ro pe­lo re­gi­me de lei­lão de pre­ço com os ban­cos co­mer­ci­ais, que, em pa­ra­le­lo com a in­tro­du­ção do novo mo­de­lo de ta­xa de câm­bio flu­tu­an­te, de­fi­ni­da pe­lo mer­ca­do, fez o kwan­za de­pre­ci­ar-se mais de 40% fa­ce ao eu­ro. O Pre­si­den­te João Lou­ren­ço dis­se a 16 de Ou­tu­bro, na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, no dis­cur­so anu­al so­bre o es­ta­do da Na­ção, que é ne­ces­sá­rio pro­te­ger es­tas re­ser­vas, mas sem que is­so “pre­ju­di­que” a re­cu­pe­ra­ção eco­nó­mi­ca. “Va­mos en­con­trar os me­lho­res me­ca­nis­mos pa­ra que as es­cas­sas di­vi­sas dis­po­ní­veis dei­xem de be­ne­fi­ci­ar ape­nas a um gru­po re­du­zi­do de em­pre­sas e pas­sem a be­ne­fi­ci­ar os gran­des im­por­ta­do­res de bens de con­su­mo e de

ma­té­ri­as-pri­mas e de equi­pa­men­tos que ga­ran­tam o fo­men­to da pro­du­ção na­ci­o­nal”, en­fa­ti­zou. “Im­por­ta im­pe­dir que a ven­da di­rec­ta de di­vi­sas se­ja uma for­ma en­ca­po­ta­da de ex­por­ta­ção de ca­pi­tais, sem o cor­res­pon­den­te be­ne­fí­cio pa­ra o país”, acres­cen­tou. Pou­co mais de uma se­ma­na de­pois des­te dis­cur­so, o go­ver­na­dor do BNA, Val­ter Fi­li­pe, foi exo­ne­ra­do, ten­do João Lou­ren­ço no­me­a­do pa­ra as mes­mas fun­ções José de Li­ma Massano, que re­gres­sou ao car­go que ocu­pou até Ja­nei­ro de 2015. Quan­do as­su­miu o car­go de go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la, Val­ter Fi­li­pe Sil­va, quis trans­for­mar a ins­ti­tui­ção nu­ma “ver­da­dei­ra au­to­ri­da­de cam­bi­al”, ob­jec­ti­vo tra­ça­do em ple­no mo­men­to de cri­se fi­nan­cei­ra e eco­nó­mi­ca de­vi­do à que­da das re­cei­tas com a ex­por­ta­ção de pe­tró­leo. Val­ter Fi­li­pe Sil­va foi em­pos­sa­do pre­ci­sa­men­te nu­ma al­tu­ra em que, por exem­plo, os ban­cos na­ci­o­nais não con­se­gui­am com­prar dó­la­res ao BNA, di­vi­sas ne­ces­sá­ri­as à importação de ma­té­ria-pri­ma e ou­tros com­pro­mis­sos, com­pras que es­ta­vam a ser ga­ran­ti­das ape­nas com eu­ros. “Uma ver­da­dei­ra au­to­ri­da­de cam­bi­al, uma ver­da­dei­ra au­to­ri­da­de

re­gu­la­men­tar, uma ver­da­dei­ra au­to­ri­da­de mo­ne­tá­ria e uma ver­da­dei­ra au­to­ri­da­de de su­per­vi­são”, ex­pli­cou o ju­ris­ta Val­ter Fi­li­pe Sil­va so­bre as no­vas fun­ções no BNA, pa­ra as quais foi no­me­a­do por de­cre­to pre­si­den­ci­al de José Edu­ar­do dos San­tos, em pa­ra­le­lo com a exo­ne­ra­ção, a seu pe­di­do, do an­te­ri­or go­ver­na­dor. Val­ter Fi­li­pe Sil­va ti­nha à sua fren­te uma agra­va­da cri­se fi­nan­cei­ra e eco­nó­mi­ca de­cor­ren­te da que­bra pa­ra me­nos de me­ta­de nas re­cei­tas com a ex­por­ta­ção de pe­tró­leo, com re­fle­xos no de­sem­pre­go, nu­ma ta­xa de in­fla­ção anu­al que es­ta­va nos 17% e num to­tal de re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais, ne­ces­sá­ri­as pa­ra im­por­tar ali­men­tos e ma­té­ria-pri­ma, em su­ces­si­vos mí­ni­mos de vá­ri­os anos. “O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca o que quer é que ha­ja pros­pe­ri­da­de nas fa­mí­li­as e pa­ra tal é ne­ces­sá­rio ter­mos um sis­te­ma fi­nan­cei­ro for­te”, dis­se na al­tu­ra o go­ver­na­dor do BNA. Re­cor­de-se que os lu­cros da ban­ca an­go­la­na caí­ram 50% em 2014, in­flu­en­ci­a­dos pe­la si­tu­a­ção no ex-ban­co Es­pí­ri­to San­to An­go­la (BESA), se­gun­do a aná­li­se que a con­sul­to­ra De­loit­te apre­sen­tou em Lu­an­da em Se­tem­bro de2015. An­go­la con­ta­va em 2014 com 23 ban­cos e o re­sul­ta­do lí­qui­do do sec­tor caiu pa­ra 45,4 mil mi­lhões de

kwan­zas (259 mi­lhões de eu­ros), com­pa­ran­do com o ano an­te­ri­or, de­vi­do ao ‘ca­so BESA’, que foi trans­for­ma­do em Ban­co Eco­nó­mi­co, após in­ter­ven­ção do BNA. “Não con­si­de­ra­do es­se efei­to [EX-BESA], os re­sul­ta­dos lí­qui­dos do sec­tor te­ri­am re­gis­ta­do um cres­ci­men­to de 12%”, con­clui a 10ª edi­ção do es­tu­do “Ban­ca em Aná­li­se”, que ana­li­sou da­dos do BNA. Em 2014, o Ban­co de Fo­men­to An­go­la (BFA), de­ti­do pe­lo por­tu­guês BPI, foi o que mais lu­crou, com 31,7 mil mi­lhões de kwan­zas (181 mi­lhões de eu­ros), se­gui­do do BIC, com 20,5 mil mi­lhões de kwan­zas (117 mi­lhões de eu­ros) e do Ban­co An­go­la­no de In­ves­ti­men­to (BAI), com 12,8 mil mi­lhões de kwan­zas (73 mi­lhões de eu­ros).

O es­tu­do da De­loit­te re­fe­ria ain­da que o cré­di­to lí­qui­do a cli­en­tes em An­go­la au­men­tou 8% fa­ce a 2013, ul­tra­pas­san­do, em va­lo­res agre­ga­dos, os 2,930 bi­liões de kwan­zas (16,7 mil mi­lhões de eu­ros). Se­gun­do Ar­cher Man­guei­ra, mi­nis­tro das Fi­nan­ças des­de 7 de Se­tem­bro de 2016, a mis­são do seu mi­nis­té­rio é “as­se­gu­rar a es­ta­bi­li­da­de ma­cro­e­co­nó­mi­ca e re­a­bi­li­tar a con­fi­an­ça dos agen­tes eco­nó­mi­cos, em to­dos os sec­to­res da so­ci­e­da­de”, acres­cen­tan­do que, “en­qua­dra­dos por um pa­ra­dig­ma de com­pe­ti­ti­vi­da­de pa­ra o cres­ci­men­to, tu­do fa­re­mos pa­ra aju­dar a di­na­mi­zar a eco­no­mia, pro­te­gen­do a es­ta­bi­li­da­de so­ci­al”. “As fi­nan­ças pú­bli­cas de­sem­pe­nham um pa­pel de­ci­si­vo pa­ra as­se­gu­rar a paz so­ci­al e a co­e­são na­ci­o­nal e es­ta­mos bem cons­ci­en­tes dis­so. A cri­se não nos de­ve pa­ra­li­sar; a cri­se obri­ga-nos é a pro­cu­rar e es­co­lher o ca­mi­nho cer­to, pau­ta­dos pe­lo ri­gor e dis­ci­pli­na. To­dos te­mos de fa­zer mais e me­lhor, com me­nos re­cur­sos dis­po­ní­veis. Tra­ta-se, ago­ra, de em­pre­en­der a mar­cha, com co­ra­gem e sen­ti­do de jus­ti­ça”, afir­mou Ar­cher Man­guei­ra no dia 13 de Se­tem­bro de 2016.

FUN­DO MO­NE­TÁ­RIO IN­TER­NA­CI­O­NAL (FMI)

BAN­CO NA­CI­O­NAL DE AN­GO­LA (BNA)

PRE­SI­DEN­TE JOÃO LOU­REN­ÇO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.