PRENDER PODEROSOS É DO QUE O POVO GOSTA.

Folha 8 - - DESTAQUE -

Ao fim de 43 anos de au­to­cra­cia e de 38 de clep­to­cra­cia, o Povo fes­te­ja o fim da mor­da­ça e a pu­ni­ção de al­guns, na­da pre­o­cu­pa­do com a jus­te­za, le­ga­li­da­de ou sen­sa­tez da de­ci­são. A sa­tis­fa­ção é tal que nem se lem­bra que tem a bar­ri­ga va­zia, que tem fal­ta de água po­tá­vel, de ener­gia eléc­tri­ca, de sa­ne­a­men­to bá­si­co, de as­sis­tên­cia mé­di­ca e me­di­ca­men­to­sa, de es­co­las, de ali­men­ta­ção, de sa­lá­ri­os com­pa­tí­veis. Jo­sé Fi­lo­me­no dos Santos, Je­an-clau­de Bas­tos de Mo­rais, Val­ter Fi­li­pe, Au­gus­to da Sil­va To­más fo­ram pre­sos. Bra­vo. João Lou­ren­ço é o mai­or. Ko­pe­li­pa, Ma­tross, Hi­gi­no Car­nei­ro po­dem ser os pró­xi­mos. Bra­vo. Isa­bel dos Santos tam­bém? En­tão aí se­rá a far­ra com­ple­ta. Mes­mo de­ti­dos go­zam de pre­sun­ção de ino­cên­cia até a sen­ten­ça tran­si­tar em jul­ga­do. Is­so pou­co im­por­ta. O or­gas­mo po­pu­lar, co­mo mui­to bem sa­be João Lou­ren­ço, pas­sa ape­nas e só por ver es­ta gen­te (com a qual o pró- prio João Lou­ren­ço es­te­ve so­li­dá­rio du­ran­te dé­ca­das) no chi­lin­dró. Em ter­mos aca­dé­mi­cos, a de­ci­são es­tá cor­rec­ta. Em ter­mos po­lí­ti­cos, tal­vez es­te­ja. Em ter­mos for­mais de uma de­mo­cra­cia e de um Es­ta­do de Di­rei­to es­te­ve (po­de­rá ter es­ta­do) er­ra­da. Sen­do dis­cu­tí­vel o mo­men­to e o es­ca­lo­na­men­to das pri­o­ri- da­des do país, o bu­sí­lis da ques­tão pren­de-se úni­ca e sim­ples­men­te, o que não é de to­do des­pi­ci­en­do, com a cla­ra sen­sa­ção (na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal) de que o Po­der Ju­di­ci­al con­ti­nua sob as or­dens do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, não ha­ven­do de fac­to (há ape­nas de ju­re) se­pa­ra­ção de po­de­res. Po­li­ti­ca­men­te João Lou­ren­ço mos­tra for­ça e ca­pa­ci­da­de de, em le­gi­ti­ma de­fe­sa e mes­mo sem es­sa ra­zão, avan­çar com to­da a for­ça pa­ra ani­qui­lar qual­quer bol­sa de re­sis­tên­cia no seio da sua fa­mí­lia par­ti­dá­ria, o MPLA, so­li­di­fi­can­do e am­pli­an­do os apoi­os in­ter­nos de um Povo de­ma­si­a­do far­to, e ga­ran­tin­do a so­li­da­ri­e­da­de tam­bém ma­te­ri­al de al­gu­mas po­tên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais pa­ra quem, na ca­sa dos ou­tros, os fins jus­ti­fi­cam o uso de to­dos os mei­os pos­sí­veis e ima­gi­ná­ri­os.

A sa­tis­fa­ção é tal que nem se lem­bra que tem a bar­ri­ga va­zia, que tem fal­ta de água po­tá­vel, de ener­gia eléc­tri­ca, de sa­ne­a­men­to bá­si­co, de as­sis­tên­cia mé­di­ca e me­di­ca­men­to­sa, de es­co­las, de ali­men­ta­ção, de sa­lá­ri­os com­pa­tí­veis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.