O MPLA DE JLO ENTENDE QUE CONTINUAMOS… MATUMBOS

Folha 8 - - DESTAQUE -

Omi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos de An­go­la, Fran­cis­co Qu­ei­rós, ad­mi­tiu no 29.09, em Lu­an­da, que mi­lha­res de cri­an­ças em An­go­la con­ti­nu­am sem re­gis­to de nas­ci­men­to sen­do ob­jec­ti­vo do Governo, a “mé­dio pra­zo”, in­ver­ter a si­tu­a­ção. Há quan­tos anos ou­vi­mos es­tas pro­mes­sas? “Xé me­ni­no”, des­de o tem­po do an­ti­ga­men­te… Por on­de an­dou Fran­cis­co Qu­ei­rós e o seu par­ti­do, o MPLA, pa­ra 43 anos de­pois de che­ga­rem ao po­der te­rem, en­tre ou­tras “obras” dei­xa­do que mi­lha­res de cri­an­ças con­ti­nu­em sem re­gis­to de nas­ci­men­to? Fran­cis­co Ma­nu­el Mon­tei­ro de Qu­ei­rós foi Mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, car­go pa­ra o qual foi nomeado aos 28 de Ou­tu­bro de 2012, na sequên­cia das elei­ções ge­rais ga­nhas pe­lo MPLA. A par­tir de 1979, Fran­cis­co Qu­ei­rós ini­cia um lon­go per­cur­so pro­fis­si­o­nal ao ser Ma­gis­tra­do do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (Pro­cu­ra­do­ria Mi­li­tar), até 1984. No ano se­guin­te, a sua tra­jec­tó­ria foi mar­ca­da pe­la do­cên­cia nas Fa­cul­da­des de Di­rei­to e de Eco­no­mia da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to (UAN) na qual tem a ca­te­go­ria de Pro­fes­sor As­so­ci­a­do. Na UAN che­gou a exer­cer o car­go de Di­rec­tor da Fa­cul­da­de de Di­rei­to, de 1986 a 1991. Ain­da nos anos 80, foi As­sis­ten­te Di­plo­má­ti­co do Ga­bi­ne­te do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ten­do atin­gi­do a ca­te­go­ria di­plo­má­ti­ca de Mi­nis­tro Con­se­lhei­ro. Mais tar­de, em 2005, exer­ceu as fun­ções de As­ses­sor do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pa­ra os As­sun­tos Par­la­men­ta­res e Po­lí­ti­cos. Em 2008, foi Se­cre­tá­rio do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pa­ra os As­sun­tos Po­lí­ti­cos e Cons­ti­tu­ci­o­nais. Por des­pa­chos Pre­si- den­ci­ais exer­ceu as fun­ções de Co­or­de­na­dor de Re­for­mu­la­ção da Le­gis­la­ção Eco­nó­mi­ca, ten­do em vis­ta adop­tar a le­gis­la­ção eco­nó­mi­ca do País à eco­no­mia de mer­ca­do, em 1991. Foi tam­bém Con­sul­tor do Gru­po En­di­a­ma e Co­or­de­na­dor Ad­jun­to do Gru­po de Re­fle­xão Es­tra­té­gi­ca de re­or­ga­ni­za­ção do Sec­tor dos Di­a­man­tes. Em 2005, tor­nou-se Con­sul­tor Ju­rí­di­co­e­co­nó­mi­co de vá­ri­as em­pre­sas pú­bli­cas e pri­va­das. “So­mos 28 mi­lhões de ha­bi­tan­tes e é pos­sí­vel que ha­ja mi­lha­res de cri­an­ças nes­ta con­di­ção. É ten­do cons­ci­ên­cia des­te nú­me­ro que es­ta­mos exac­ta­men­te a re­for­çar os re­gis­tos nas es­co­las, em lo­cais on­de há cri­an­ças con­cen­tra­das, pa­ra re­du­zir es­te nú­me­ro”, dis­se, quan­do ques­ti­o­na­do pe­la agên­cia Lu­sa. Em de­cla­ra­ções aos jor­na­lis­tas, no fi­nal da reu­nião que man­te­ve com os em­bai­xa­do­res dos Es­ta­dos mem­bros da União Eu­ro­peia (UE) em An­go­la, o go­ver­nan­te re­fe­riu que de­cor­rem tra­ba­lhos no in­tui­to de, a mé­dio pra­zo ou no fi­nal de le­gis­la­tu­ra, po­der “‘ze­rar’ es­te nú­me­ro”. O res­pei­to pe­lo ter­cei­ro dos 11 Com­pro­mis­sos da Cri­an­ça, sobre o Re­gis­to de Nas­ci­men­to, foi um dos as­sun­tos que jun­tou no en­con­tro o mi­nis­tro da Jus­ti­ça e Di­rei­tos Hu­ma­nos e di­plo­ma­tas da co­mu­ni­da­de eu­ro­peia acre­di­ta­dos em An­go­la. Na oca­sião, o em­bai­xa­dor da União Eu­ro­peia em An­go­la, To­mas Ulicny pro­me­teu apoi­os pa­ra os es­for­ços de An­go­la em ga­ran­tir o re­gis­to de nas­ci­men­to das cri­an­ças lo­go à nas­cen­ça, no qua­dro de um pro­gra­ma co­mu­ni­tá­rio de­no­mi­na­do “Jus­ti­ça pe­las Cri­an­ças”. “O se­nhor mi­nis­tro pe­diu mais apoio nos pro­gra­mas de ex­pan­são de re­gis­to do nas­ci­men­to. Tam­bém dis­cu­ti­mos sobre os pas­sos da pró­xi­ma eta­pa do nos­so pro­gra­ma ‘Jus­ti­ça pe­las Cri­an­ças’ e te­mos os ou­tros pro­gra­mas pa­ra for­ne­cer as ex­pe­ri­ên­ci­as eu­ro­pei­as ao Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça [angolano]”, dis­se. To­mas Ulicny rei­te­rou ain­da “sa­tis­fa­ção” pe­las re­for­mas em cur­so em An­go­la, que, no seu en­ten­der, tam­bém con­cor­rem pa­ra a me­lho­ria dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. “To­dos nós apre­ci­a­mos a von­ta­de do no­vo Governo avan­çar no sen­ti­do da me­lho­ria dos di­rei­tos hu­ma­nos. To­dos nós tes­te­mu­nha­mos e con­fir­ma­mos que o Governo es­tá no bom ca­mi­nho”, afir­mou. Re­cor­de-se que A As­sem­bleia Na­ci­o­nal apro­vou em 26 de Fe­ve­rei­ro de… 2015, por una­ni­mi­da­de, a Lei de Sim­pli­fi­ca­ção de Re­gis­to de Nas­ci­men­to, o que im­pe­de si­tu­a­ções de du­plo re­gis­to. Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, à saí­da da ses­são par­la­men­tar, o en­tão mi­nis­tro da Jus­ti­ça, Rui Man­guei­ra, dis­se que o di­plo­ma ino­va as­pec­tos fun­da­men­tais no pro­ces­so de re­gis­to de nas­ci­men­to, no­me­a­da­men­te com a in­tro­du­ção da re­co­lha de da­dos bi­o­mé­tri­cos. “Pa­ra evi­tar­mos o du­plo re­gis­to, que tem es­ta­do a acon­te­cer

um pou­co por to­do o país, por uma sé­rie de ra­zões, atra­vés da re­co­lha da fa­ce e da íris, pa­ra ter­mos a cer­te­za de fac­to dos da­dos que es­ta­mos a re­co­lher re­la­ti­va­men­te aos ci­da­dãos”, fri­sou. Se­gun­do o mi­nis­tro, a in­tro­du­ção da re­co­lha de da­dos bi­o­mé­tri­cos fa­ci­li­ta­rá igual­men­te o pro­ces­so de ob­ten­ção do Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de. Rui Man­guei­ra apon­tou ain­da co­mo ino­va­ção a co­la­bo­ra­ção com o Mi­nis­té­rio da Saú­de, que vi­sa a re­a­li­za­ção de re­gis­tos de nas­ci­men­to a par­tir das ma­ter­ni­da­des pú­bli­cas ou pri­va­das, es­tan­do já a de­cor­rer al­guns en­sai­os. No meio ru­ral, fri­sou o go­ver­nan­te angolano, a co­la­bo­ra­ção acon­te­ce com as par­tei­ras e au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, in­cum­bi­das de fa­zer o ca­das­tro de to­do as pes­so­as que fa­zem os par­tos e das que mor­rem. “O ca­das­tro é uma ac­ti­vi­da­de ofi­ci­o­sa, é ape­nas pa­ra que as au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais e as par­tei­ras tra­di­ci­o­nais nos pos­sam for­ne­cer in­for­ma­ções sobre as pes­so­as que nas­ce­ram e tam­bém as fa­le­ci­das, e com ba­se nis­so va­mos tra­tar de re­gis­tar ofi­ci­al­men­te os nas­ci­men­tos e os óbi­tos”, re­al­çou.

MI­NIS­TRO DA JUS­TI­ÇA E DOS DI­REI­TOS HU­MA­NOS DE AN­GO­LA, FRAN­CIS­CO QU­EI­RÓS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.