TU­DO GRATUITO DES­DE QUE… SE PAGUE

Folha 8 - - DESTAQUE -

Um es­tu­do sobre o re­gis­to ci­vil nos mu­ni­cí­pi­os angolanos de Cam­bu­lo, Cu­an­go e Chi­ta­to, con­cluiu que os ci­da­dãos são obri­ga­dos a pa­gar até 10 mil kwan­zas pa­ra te­rem aces­so ao re­gis­to ou Bi­lhe­te de Iden­ti­da­de, que de­via ser gratuito. Em cau­sa es­tão os re­sul­ta­dos do “Es­tu­do de Ca­so sobre o Re­gis­to Ci­vil” em três mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia da Lun­da Nor­te, no les­te de An­go­la, a mais de 1.200 qui­ló­me­tros de Lu­an­da, re­a­li­za­do em Ou­tu­bro de 2017 pe­la Or­ga­ni­za­ção Não-go­ver­na­men­tal an­go­la­na Mo­sai­ko – Ins­ti­tu­to pa­ra Ci­da­da­nia. De acor­do com a pes­qui­sa, as re­fe­ri­das co­bran­ças, en­tre 5.000 e 10.000 kwan­zas faz com que um ele­va­do nú­me­ro de cri­an­ças e adul­tos fi­que sem qual­quer do­cu­men­to que cer­ti­fi­ca a sua ci­da­da­nia, uma vez que gran­de par­te da po­pu­la­ção da­que­les mu­ni­cí­pi­os, de pro­du­ção di­a­man­tí­fe­ra, vi­ve em si­tu­a­ção de po­bre­za. “Es­te fac­to faz com que mui­tas pes­so­as, so­bre­tu­do das zo­nas ru­rais, não tra­tem do re­gis­to de nas­ci­men­to ou do bi­lhe­te de iden­ti­da­de”, apon­ta o es­tu­do, apre­sen­ta­do em Lu­an­da. A pes­qui­sa, que con­tou com a par­ti­ci­pa­ção de 52 gru­pos fo­cais es­pa­lha­dos pe­los três mu- ni­cí­pi­os, as­si­na­la igual­men­te a mo­ro­si­da­de do pro­ces­so co­mo uma das li­mi­ta­ções pa­ra o aces­so ao re­gis­to de nas­ci­men­to. Um dos in­qui­ri­dos no Ku­an­go, su­bli­nha o es­tu­do, re­fe­riu mes­mo que con­se­guiu re­ce­ber o seu bi­lhe­te de iden­ti­da­de “um ano de­pois da aber­tu­ra do pro­ces­so” e “gra­ças à pres­são que fez ao ór­gão res­pon­sá­vel pe­los re­gis­tos do mu­ni­cí­pio”. A in­su­fi­ci­ên­cia de ma­te­ri­ais pa­ra a ce­le­ri­da­de no tra­ta­men­to de re­gis­tos de nas­ci­men­to é igual­men­te apon­ta­da pe­lo es­tu­do co­mo um dos fac­to­res que tem in­fluên­cia di­rec­ta na ina­ces­si­bi­li­da­de a es­tes ser­vi­ços, si­tu­a­ção “con­fir­ma­da pe­las au­to­ri­da­des lo­cais”. Acres­cen­ta a pes­qui­sa que “um sis­te­ma de corrupção que pa­re­ce ins­ta­la­do” nos mu­ni­cí­pi­os “tam­bém con­cor­re pa­ra que cen­te­nas de cri­an­ças e adul­tos fi­quem sem o re­gis­to de nas­ci­men­to, as­sen­to ou ain­da o bi­lhe­te de iden­ti­da­de”. “Sem di­nhei­ro, há mui­tas vol­tas, vo­cê vai lá e di­zem que quem vai ca­rim­bar o pro­ces­so não es­tá. Mas se ti­ver di­nhei­ro é aten­di­do no mo­men­to por um dos res­pon­sá­veis dos re­gis­tos”, ex­pli­ca o es­tu­do, alu­din­do a ou­tra en­tre­vis­ta aos jo­vens das lo­ca­li­da­des. Nos mu­ni­cí­pi­os on­de o es­tu­do cen­trou a abor­da­gem, re­fe­re ain­da, “é cres­cen­te o nú­me­ro de pro­ge­ni­to­res sem qual­quer do­cu­men­to de iden­ti­da­de”, si­tu­a­ção que se­gun­do os gru­pos fo­cais “le­va a que os mes­mos não con­si­gam re­gis­tar os seus fi­lhos”. O es­tu­do con­cluiu igual­men­te que a fra­ca fis­ca­li­za­ção nos ser­vi­ços de re­gis­to de nas­ci­men­to e de emis­são do bi­lhe­te de iden­ti­da­de tem con­tri­buí­do pa­ra a prá­ti­ca da corrupção. Em de­cla­ra­ções os jor­na­lis­tas, o di­rec­tor ge­ral do Mo­sai­ko, Jú­lio Can­de­ei­ro, re­fe­riu que o es­tu­do abar­cou o sen­ti­men­to e a re­a­li­da­de das pes­so­as en­tre­vis­ta­das, pe­lo que “a fal­ta do re­gis­to de nas­ci­men­to con­ti­nua a ser um dos prin­ci­pais pro­ble­mas dos ci­da­dãos”. “Por to­dos os mu­ni­cí­pi­os, co­mu­nas e lo­ca­li­da­des, quan­do per­gun­ta­mos às pes­so­as sobre os prin­ci­pais pro­ble­mas, o re­gis­to de nas­ci­men­to é pri­mor­di­al e daí as di­fi­cul­da­des no exer­cí­cio de ou­tros di­rei­tos”, ar­gu­men­tou o res­pon­sá­vel da Mo­sai­ko, que ope­ra no país há 20 anos, na pro­mo­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos. Acres­cen­tou que o es­tu­do re­ve­lou ain­da “que a ques­tão da re­gu­la­men­ta­ção do po­der tra­di­ci­o­nal é cru­ci­al”: “Por­que em al­gu­mas zo­nas on­de há au­sên­cia de ins­ti­tui­ções do Es­ta­do a in­fluên­cia do po­der tra­di­ci­o­nal é mui­to for­te e es­sa si­tu­a­ção pre­ci­sa de ur­gen­te in­ter­ven­ção”.

EX-MI­NIS­TRO DA JUS­TI­ÇA E DOS DI­REI­TOS HU­MA­NOS DE AN­GO­LA, RUI MAN­GUEI­RA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.