SABUJICE TAM­BÉM UNI­VER­SAL

Folha 8 - - DESTAQUE -

“O co­ro­lá­rio des­ta cri­a­da­gem sa­bu­ja é a no­ta de du­as li­nhas (en­ver­go­nha­da mas di­li­gen­te) pu­bli­ca­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca de Por­tu­gal, Marcelo Rebelo de Sousa, con­gra­tu­lan­do João Lou­ren­ço por uma vi­tó­ria que, rou­bo à par­te, nem se­quer foi ain­da for­mal­men­te anun­ci­a­da. A mi­nha ver­go­nha co­mo ci­da­dão por­tu­guês não po­de ho­je com­pa­rar-se ao jus­ti­fi­ca­do or­gu­lho cí­vi­co do povo angolano”, afir­mou na de­vi­da al­tu­ra, em de­cla­ra­ções ao Fo­lha, João Pau­lo Ba­ta­lha, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Cí­vi­ca Trans­pa­rên­cia e In­te­gri­da­de. Co­mo se sa­be e co­mo, aliás, já aqui foi es­cri­to, Marcelo Rebelo de Sousa é o po­lí­ti­co por­tu­guês mais ha­bi­li­ta­do (a par do pri­mei­ro-mi­nis­tro An­tó­nio Cos­ta) pa­ra não só ci­men­tar co­mo tam­bém alar­gar as re­la­ções de ba­ju­la­ção e ser­vi­lis­mo com o re­gi­me de An­go­la. Marcelo sa­be que – do pon­to de vis­ta ofi­ci­al – An­go­la (ain­da) é o MPLA, e que o MPLA (ain­da) é An­go­la. Por­tan­to… Si­ga a fan­far­ra. An­go­la é um dos paí­ses lu­só­fo­nos com a mai­or ta­xa de mor­ta­li­da­de in­fan­til e ma­ter­na e de gra­vi­dez na ado­les­cên­cia, se­gun­do as Na­ções Uni­das. Mas o que é que is­so im­por­ta a Marcelo Rebelo de Sousa? Im­por­tan­te é re­al­çar que “o juízo uni­ver­sal” co­lo­ca João Lou­ren­ço (co­mo an­tes co­lo­ca­ra Jo­sé Edu­ar­do dos Santos) co­mo um es­ta­dis­ta de re­no­me uni­ver­sal. Aliás, mui­tos dos angolanos (70% da po­pu­la­ção vi­ve na mi­sé­ria) que ra­ra­men­te sa­bem o que é uma re­fei­ção, po­de­rão cer­ta­men­te ali­men­tar-se com es­se ca­ló­ri­co car­dá­pio do “juízo uni­ver­sal”. No âm­bi­to do “juízo uni­ver­sal”, Por­tu­gal con­ti­nua de có­co­ras. E se es­te­ve nes­sa po­si­ção em re­la­ção à Gui­né Equa­to­ri­al, é mais do que jus­to que tam­bém es­te­ja re­la­ti­va­men­te à An­go­la do MPLA. Cus­ta a crer, mas é ver­da­de que, no con­tex­to do “juízo uni­ver­sal”, os po­lí­ti­cos por­tu­gue­ses (com ex­cep­ção dos do Blo­co de Es­quer­da) já nem es­for­ço fa­zem (tal é a ha­bi­tu­a­ção) pa­ra pro­cu­rar le­gi­ti­mar o que se pas­sa de mais er­ra­do com as au­to­ri­da­des an­go­la­nas, as tais que es­tão no po­der des­de 1975. Re­cor­de-se que, por exem­plo, mes­mo an­tes do ad­ven­to do “juízo uni­ver­sal”, já o ge­ne­ral Ben­to dos Santos Kan­gam­ba, igual­men­te so­bri­nho de Edu­ar­do dos Santos e in­te­lec­tu­al de ele­va­da cra­vei­ra ca­ni­na, elo­gi­ou a elei­ção no­mi­nal (coi­sa que em An­go­la nun­ca exis­tiu) de Marcelo Rebelo de Sousa, ape­lan­do ao seu pa­pel co­mo “me­di­a­dor” nas re­la­ções en­tre os dois paí­ses. “Nes­te mo­men­to não te­mos que ter di­ri­gen­tes com mui­to fo­go-de­ar­ti­fí­cio en­tre os dois paí­ses e sim com cal­ma e pa­ci­ên­cia pa­ra ul­tra­pas­sar­mos os pro­ble­mas. Por­tu­gal não po­de ser o país on­de se cri­am pro­ble­mas a An­go­la, mas on­de se re­sol­vem os pro­ble­mas de An­go­la, es­pe­ro es­se pa­pel de me­di­a­dor de­le”, dis­se o ge­ne­ral num por­tu­guês que, com­pre­en­si­vel­men­te, te­ve de ser tra­du­zi­do pa­ra… por­tu­guês, em­bo­ra dei­xe a qui­ló­me­tros o por­tu- guês “fa­la­do” por es­se pa­ra­dig­ma da lu­so­fo­nia que se cha­ma Gui­né Equa­to­ri­al. Na­qui­lo que ago­ra se po­de­rá cha­mar de “juízo (pré) uni­ver­sal”, Ben­to dos Santos Kan­gam­ba des­ta­cou tam­bém a “po­lí­ti­ca mui­to ma­du­ra” em Por­tu­gal, que “be­ne­fi­cia a de­mo­cra­cia” do país, ten­do em con­ta as elei­ções que de­ram a vi­tó­ria a Marcelo Rebelo de Sousa. “Se­ria um mui­to bom si­nal. Não tem co­mo os por­tu­gue­ses es­ta­rem con­tra An­go­la, não tem co­mo os angolanos es­ta­rem con­tra os por­tu­gue­ses. Nós es­ta­mos con­de­na­dos a vi­ver jun­tos, a es­tar jun­tos, é a mes­ma lín­gua, vi­ve­mos jun­tos, sãs as mes­mas fa­mí­li­as, os no­mes são iguais”, re­cor­dou o ge­ne­ral. No dia 27 de No­vem­bro de 2015, o se­cre­tá­ri­o­ge­ral do MPLA, Ju­lião Ma­teus Pau­lo “Di­no Ma­tros­se”, dis­se em en­tre­vis­ta/re­ca­do/en­co­men­da à agên­cia Lu­sa, esperar que o no­vo Governo so­ci­a­lis­ta por­tu­guês “man­te­nha re­la­ções bo­as” en­tre os dois es­ta­dos. Já era uma an­te­vi­são pre­mo­ni­tó­ria do “juízo uni­ver­sal” ago­ra ce­le­bri­za­do por Marcelo Rebelo de Sousa. O di­ri­gen­te angolano fa­la­va à mar­gem da reu­nião anu­al da In­ter­na­ci­o­nal So­ci­a­lis­ta, em Lu­an­da, en­con­tro em que a co­mi­ti­va por­tu­gue­sa do PS foi aplau­di­da pe­los res­tan­tes re­pre­sen­tan­tes da IS. “As nos­sas re­la­ções en­tre po­vos, es­ta­dos, não po­dem ser per­tur­ba­das, se­ja qual for a si­tu­a­ção. Se­ja quem vi­er, quem es­ti­ver lá em Por­tu­gal a di­ri­gir, nós te­re­mos sem­pre as me­lho­res re­la­ções com o Es­ta­do, Governo ou com o povo por­tu­guês”, afir­mou Ju­lião Ma­teus Pau­lo “Di­no Ma­tros­se”. O se­cre­tá­rio-ge­ral do MPLA, par­ti­do no po­der em An­go­la des­de 1975, su­bli­nhou na al­tu­ra que as re­la­ções com o PS “nun­ca fo­ram más”, ape­sar da ac­ção de al­gu­mas “alas”, mas al­go que “já per­ten­ce ao pas­sa­do”. “Nós não da­mos mui­ta im­por­tân­cia àqui­lo que di­zem con­tra nós. O que nós que­re­mos é que quem es­ti­ver em Por­tu­gal te­nha e man­te­nha re­la­ções bo­as com An­go­la. Exis­tem re­la­ções en­tre nós, até qua­se fa­mi­li­a­res”, in­sis­tiu o en­tão di­ri­gen­te do MPLA.

PRE­SI­DEN­TE DE AN­GO­LA, JOÃO LOU­REN­ÇO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.